Onde Estamos?

Antonio Paiva Rodrigues

Sr. Editor,

O grande vidente Miguel de Nostradamus viveu de 1503 a 1566, tornou-se famoso por suas técnicas médicas inovadoras e suas curas durante a onda de peste que assolou algumas cidades francesas. Fez uma previsão, como era de seu costume, que o mundo acabaria no ano de 1999, só que, em determinadas afirmações, temos que analisar profundamente o oposto daquilo que foi predito como certo e inevitável. Na realidade o mundo acabou para certas e determinadas pessoas, que estão aí no cotidiano das ruas e nas manchetes dos jornais e revistas, causando um imenso temor às pessoas que têem o coração mais brando e sensível. Casos horripilantes passaram a ser banais. Filhos planejando e executando a morte dos pais para usufruírem as benesses do vil metal dos incautos. Pais executando filhos, esposa e vice-versa, é uma ignomínia total. O que fazer? Seres humanos de idade avançada desprezados pelas famílias e entregues a algozes irados, que, com seus instintos bestiais, maltratam, chegando a execução brutal de seus semelhantes, através da tortura e do terror. É de cortar coração. Certas pessoas em sua inocência indagam: onde está Deus?1- É primordial que saibamos: Ele nos deu o livre-arbítrio, através da nossa consciência e inteligência, temos o dever de procurá-lo, colocá-lo em nossos corações fortalecendo ainda mais com a força da fé, da caridade, do amor ao próximo e do perdão aos nossos inimigos. 2- Preces e orações elevam a alma do ser humano. Jamais o orgulho deve dominar o homem e predominar no mundo, se isto acontecer, estamos fadados a aumentar ainda mais a violência e a incompreensão no orbe terrestre. 3- A crise em que vivemos está repercutindo até entre determinadas religiões que ficam incutindo na cabeça de seus fieis críticas a seus irmãos de crenças, quando afirmam com veemência que não existe nenhuma prova cientifica de uma vida depois da morte e que a ciência moderna não dá valor algum às histórias dos adeptos do Espiritismo sobre espíritos que aparecem, se reencarnam, se manifestam através de médiuns ou atormentam a vida da gente. Estas afirmações são falsas, desprovidas de conhecimento. Yan Stevenson cientista americano comprovou em seus estudos de mais de trinta anos, 3960 casos de reencarnações. 4- As autoridades nominadas: Dr. Brian Weiss, Ernesto Bozzano, William Crookes, Charles Richet, Gustavo Geley, Camile Flamarion, Frederich Mayers, Cromwel Varley, Russel Wallace, Oliver Lodger, William Barret também, se fossemos enumerar mais cientistas o glossário seria interminável. Deus, Pai Todo Poderoso, coloca amor, compreensão, fraternidade e caridade nos corações dos maldosos que estão em toda parte, inseridos dentro das próprias religiões. Perdoem-lhes, eles não sabem o que fazem.

A própria Bíblia está recheada de fenômenos mediúnicos, eles realmente são cegos ou não querem enxergar e dar os braços a torcer, coitados! Afirmar que Jesus suou sangue diante da morte é criancice, ele é um Espírito Puro e a morte física para ele era coisa natural.

Às vezes me encho de tristeza ao ver pessoas professarem uma religião apenas por um dever ou para justificar que não é ateu, mas na verdade o desconhecimento é total, não sabem interpretar o próprio Livro Sagrado e o fazem traduzindo ao pé da letra. Sabemos que a Bíblia pode ser vista de três formas: literal, simbólica e alegórica.

Por desconhecimento admitem a forma literal e esquecem as outras, desconhecem que o Antigo Testamento mostra um Deus vingativo, egoísta, não admitia derrotas e que a pena capital era a execução. Que Deus é este? Já no Novo Testamento Evangelhos de Jesus, Deus tem um caráter mais brando, compassivo, bondoso, amoroso.

Resta-nos uma indagação: será que Deus têm duas personalidades? Não. Só que o Deus do Velho Testamento é o Deus de Isaac, Abraão, Jacó e José, o Deus dos Judeus, que se intitula Jeová, Javé e Iavé, nada mais que um espírito enviado pelo Pai Maior para representá-lo. Deus inteligência suprema, causa primária ou primeira de todas as coisas, não poderia jamais assumir atitudes que viessem mudar sua divindade.

Jesus falava através de parábolas e afirmou que iria mandar o Espírito da Verdade, para que nós, seres imperfeitos, conhecêssemos tudo aquilo que ele falou e pouca gente entendeu e continua sem entender. Citarei aqui uma afirmação Dele: “deixai que os mortos enterrem seus mortos”, se analisarmos ao pé da letra, como um desencarnado pode enterrar outro desencarnado? O morto a que ele se refere é aquele que não tem fé, amor ao próximo, está distante da fraternidade e da caridade. Em outra passagem temos: Deus virá julgar os vivos e os mortos, só que, os mortos são aqueles a que me referi antes, e não os desencarnados cuja matéria já virou pó e retornou ao fluido cósmico universal. Se a Bíblia fosse realmente a palavra de Deus, não teria sofrido ao longo dos anos modificações profundas, com erros gritantes que as religiões cometeram, umas aumentando o número de livros outras diminuindo. Todos nós sabemos que o Evangelho de Jesus não pertencia a Bíblia, foi anexado ao Velho e tomou o nome de Novo Testamento. Só assim ela tomaria um aspecto doutrinário mais forte como afirma nosso irmão desencarnado José Herculano Pires. 5- Estou fazendo esta matéria não com intuito de criticar, nem de agredir, nós sabemos perdoar. Quanto mais nos acusam e afirmam que somos mentirosos, feiticeiros, macumbeiros e candoblistas, crescemos mais.

Não dêem uma de Padre Quevedo, que de tanto criticar a doutrina espírita, ela duplicou e ele sumiu, simplesmente saiu de circulação. Macaco nunca olha para seu rabo. 6-Para encerrar este pensamento, faço uma pergunta para quem quiser responder: onde se encontra o original da Bíblia? Sabe-se, que fatos acontecidos no pretérito eram passados ou repassados de pai para filho, prejudicando por demais a comunicação. O pastor João Ferreira de Almeida que a traduziu para o português é réu confesso, afirmou que, quando a traduziu cometeu nada mais, nada menos, do que, dois mil erros.

ANTONIO PAIVA RODRIGUES -IDENT 12007 PMCE.

RUA: FRANCO ROCHA Nº 440 – BAIRRO PICI – FONE 290-4586.

por: Antônio Paiva Rodrigues