A prece

Homero Moraes Barros

raço de luz que une a criatura ao Criador, deve brotar do coração com sentimentos de fé no Pai, em sua misericórdia, em seu amparo. Não importam as palavras que traduzam esses sentimentos. Não será a beleza do verbo, nem sua extensão que a tornaram mais meritória. Importa unicamente nossos anseios verdadeiramente nobres.

A prece é uma invocação, é o nosso apelo à Espiritualidade Superior, é a nossa busca de sintoma com os Bons Espíritos e através deles à Deus. Por ela nos colocamos em relação mental com o ser a quem nos dirigimos. Por ela nossos pensamentos podem também favorecer àqueles pelos quais pedirmos.

A prece é ato de submissão e louvor à Deus - origem de todas as coisas, cuja grandeza imensurável não podemos abranger com o nosso entendimento de criaturas no início da caminhada para a perfeição espiritual, comprimidos entre a animalidade e a angelitude. Sendo Deus a suprema justiça e misericórdia ao nos obedecermos suas leis estaremos escolhendo o melhor para nós próprios. Tudo o que vem do Pai é bom para os filhos perante as realidades espirituais que nem sempre conseguimos alcançar.

Louvar é exaltar, é glorificar a grandeza do Senhor, criador do Universo, soberanamente justo e bom, origem de todas as coisas, emanante de amor.

A prece pode encerrar pedidos de graças, de auxílios que necessitemos.

Devemos pedir forças para superarmos nossas mazelas; pedir os dons preciosos da paciência da resignação e da fé e não beneficios materiais, efêmeros e o mais das vezes inúteis ou prejudiciais ao verdadeiro bem de nosso espírito imortal.

A prece deve exprimir nossa gratidão por sermos, por vivermos no mundo material para evoluirmos através das provas e expiações que nos propiciam a redenção e o aprendizado, que desenvolvem a inteligência e a capacidade de amar - azas que nos permitem vôos evolutivos. Gratidão pelo amparo, pela assistência dos amigos espirituais que nos orientam e guiam na jornada da carne. Gratidão pelo alívio das dores e das aflições que sabemos originadas por nós mesmos - resultantes da "Lei da Ação e Reação".

Orar significa buscar sintoma com as esferas mais elevadas. Deve ser ato constante em nossas vidas pois nos favorece na assimilação dos fluidos espirituais que fortificam o corpo e a alma. Nos favorece a intuição pela qual "ouvimos" a orientação das entidades mais elevadas. Nos favorecerá sempre porque aquele que pede recebe, o que busca acha e ao que bate abrir-se-ão as portas da espiritualidade.

Ore, Deus o atenderá

(Publicado no Correio Fraterno do ABC Nº 367 de Agosto de 2001)