Pesquisas mostram: Os animais amam, respeitam, ajudam-se e até vão ao sacrifício da morte para defender a prole

Semyramis Gomes de Albuquerque

Amor conjugal - Amor materno

"Buffon - escreve Delanne - adverte-nos que as aves representam tudo quanto se passa num lar honesto. Observam a castidade conjugal, cuidam dos filhos; o macho é o marido, o pai da família, e o casal, por débil que seja, mostra-se valoroso até ao sacrifício de morte, em se tratando de defender a prole.

Não há quem ignore o zelo da galinha na defesa dos pintainhos. Os animais ferozes: - o tigre, lobo, gato selvagem, todos têm por suas crias o mais terno afeto. Darwin, Brahm, Lauret, citam exemplos capazes de varrer dúvidas a respeito.

Lauret conta que um macaco, cuja fêmea lhe morrera, cuidava solícito do filhote, pobre rebento esquálido, enfermiço. À noite, tomava-o ao colo para adormecê-lo, e, durante o dia, não o perdia de vista um instante. De resto, entre os macacos, os órfãos são sempre recolhidos e adotados com carinho, tanto pelos machos como pelas fêmeas.

Uma bugia (cinocéfalo), notável por sua bondade, recolhia gatos pequenos, que lhe faziam companhia. certa feita, um gatinho adotado arranhou-a e ela, admirada, deu prova de inteligência examinando-lhe as patas, e, logo, com os dentes, aparou-lhe as garras.

Amor ao próximo

O Sr. Ball - continua Delanne - relatou na Revue Scientifique o seguinte fato, por ele testemunhado:

O cão fila aventurava-se dentro do lago congelado, quando, súbito, se quebrou o gelo e ele resvalou na água, tentando em vão libertar-se. Perto, flutuava um ramo e o fila se lhe agarrou, na esperança de poder alçar-se. Um terra-nova que, distante, assistira o acidente, decidiu-se, rápido, a prestar socorro. Meteu-se pelo gelo, caminhando com grande precaução, e não se aproximou da fenda mais que o suficiente para agarrar com os dentes a extremidade do ramo e puxar a si o companheiro, dessarte lhe salvando a vida.

"A previdência, a prudência e o cálculo mostram-se, diz o Sr. Ball, de um modo evidente neste ato, tanto mais notável, quanto absolutamente espontâneo. Os animais, são comumente, suscetíveis de educação, e sua inteligência desenvolve- se em convívio com o homem. Mais interessante, porém, é acompanhá-los em sua evolução individual, e constatar que são capazes, por assim dizer, de evolver a si mesmo. Neste particular, o nosso terra-nova elevou-se, por instantes, ao nível da inteligência humana, e, no tocante à observação e ao raciocínio, em nada inferior ao que um homem faria em tais circunstâncias".

Comenta Darwin que o capitão Stransbury encontrou num lago salino de Utah um velho pelicano completamente cego e aliás muito gordo, que devia o seu bem-estar, de longa data, ao tratamento e assistência dos companheiros. O Sr. Blyt me informa - diz ele - ter visto corvos indígenas alimentando dois ou três companheiros cegos, e eu mesmo conheço caso análogo, com um gato doméstico.

Sr. Burton cita o caso curioso de um papagaio que tomara a seu cargo uma ave de outra espécie, raquítica e estropiada. Assim é que lhe limpava a plumagem e procurava defendê-la de outros papagaios, soltos no jardim.

Mas, o fato mais demonstrativo é o seguinte, contado por Gratiolet: "O Sr. de la Boussanelle, capitão de cavalaria do antigo regimento de Beauvilliers, comunica o seguinte: - Em 1757, um cavalo do meu esquadrão, já fora do serviço devido à idade, teve os dentes inutilizados a ponto de não poder mastigar o seu feno e a sua aveia. Verificou-se, então, que dois outros animais, que lhe ficavam à esquerda e à direita, dele, passaram a cuidar, retirando o feno da manjedoura e colocando- lhe à frente, depois de mastigado. O mesmo faziam com a aveia, depois de bem triturada. Esse curioso trabalho prolongouse por dois meses, e mais duraria, se lá ficasse o velho companheiro. Aí têm - acrescenta o narrador - o testemunho de toda uma companhia - oficiais e soldados."

Tudo que ficou aí dito são testemunhos insuspeitáveis de pesquisadores espiritualistas. E o que dizem pesquisadores materialistas? É sempre bom a gente dar uma comparada entre os estudos daqueles e destes.

Pois bem, encontrei na FOLHA CIÊNCIA, - caderno do jornal Folha de S. Paulo -, página 10, de 29 de setembro o artigo Evolução Suricata, mamífero africano, ajuda a alimentar prole alheia; comportamento que aumenta chance de sobrevivência "Solidariedade animal também dá lucro, do jornalista Salvador Nogueira. Ei-lo:

"Solidariedade pode não ser uma questão moral, mas meramente um mecanismo criado pela seleção natural. Essa visão pouco romântica do que seria um dos mais nobres traços de comportamento voltou à pauta na semana passada, com um estudo de animais feito na África do Sul.

Um grupo de cientistas das universidades de Cambridge, no reino Unido, e de Stellenbosch, na África do Sul, passou vários anos investigando o comportamento de suricatas (Suricata suricata). Eles descobriram não só que esses bichos apresentam um comportamento solidário para alimentar os filhotes da comunidade, que se beneficiam da generosidade de suas "babás" (seria uma creche?), como também que essa atividade supostamente altruística oferece vantagens aos que a realizam.

Os suricatas, tornados populares pelo personagem Timão do desenho animado da Disney "O Rei Leão", são animais sociais, ou seja, vivem em bandos. Os grupos chegam a ter 30 integrantes. Em geral, compõem-se de um macho e de uma fêmea dominantes, que são os pais de cerca de 80% de toda a prole da comunidade, mais os filhotes e alguns agregados - chamados de ajudantes (em inglês, "Helpers").

Esses membros da comunidade passam as primeiras 10 a 12 semanas de vida dos recémnascidos ajudando-os na sua alimentação. Algumas vezes, os ajudantes guardam parentesco com os filhotes; em outras não.

"Já mostramos que não há associação forte entre quão aparentados são os ajudantes dos filhotes e quanto trabalho eles fazem", disse à Folha Timothy Clutton-Brock, o líder da equipe.

A conclusão não apóia a idéia de que o comportamento altruísta seja uma tentativa de promover a propagação de genes para as futuras gerações - já que os suricatas observados não fazem distinção entre filhotes com que tenham parentesco, e portanto genes em comum, e filhotes não-relacionados.

Bondade lucrativa

Outra conclusão do estudo, cujos resultados saíram na edição de 28 de outubro da revista "Sience" é a de que não só os filhotes se beneficiem da generosidade dos ajudantes, mas que os próprios benfeitores se saem melhor com isso. Ou seja, dá lucro ser bonzinho.

Primeiro, eles aprimoram sua habilidade para coletar alimentos (os suricatas se alimentam de insetos, pequenos vertebrados e ovos) ao ajudar os filhotes.

Segundo, ajudar os filhotes a sobreviver significa aumentar o tamanho do grupo. Quanto maior o número de indivíduos, maior é a chance de detectar predadores em tempo para a fuga. "A sobrevivência e o sucesso reprodutivo de todos declina rapidamente quando o tamanho do grupo diminiu", diz Clutton Brock.

O cientista também não descarta a possibilidade de outras vantagens não observadas. "O que é preciso agora são testes de diferentes idéias sobre os benefícios para os ajudantes", afirma.

Solidariedade animal

Ao que tudo indica, a generosidade para com a prole alheia não é exclusividade de suricatas e humanos. Os pesquisadores já estão buscando resultados similares em outras espécies. "Estamos também trabalhando com outras fuinhas (pequenos animais carnívoros da Europa e da Ásia) e esperamos colaborar com pessoas que estudam toupeiras. Outros membros do meu grupo de pesquisa também trabalham com pássaros cooperativos", diz.

Esses trabalhos, entretanto, demandarão muito tempo para serem concluídos. As observações de Clutton Brock já duram oito anos. "Leva um ano apenas para acostumar um grupo com a observação próxima". - disse o pesquisador.

(Publicado no Correio Fraterno do ABC Nº 370 de Novembro de 2001)