A religião interior

Associação Espírita A Caminho da Luz

Aeluz, SJRio Preto
Centro de Estudos Espíritas Paulo Apóstolo - CEEPA
Mirassol-SP

Espiritismo é ou não uma religião? Essa questão tem, freqüentemente, suscitado contendas entre espíritas e não espíritas.

Para chegarmos a uma conclusão, é interessante conceituarmos a Doutrina Espírita do seguinte modo:

"Espiritismo é uma doutrina espiritualista de contextura filosófica e embasamento científico de conseqüências morais capazes de conduzir a uma vivência religiosa".

Doutrina espiritualista

Por sustentar a crença na existência paramaterial do homem, o espiritismo é doutrina espiritualista assim como o catolicismo, o protestantismo e suas ramificações, as religiões orientalistas e tantas outras expressões.

Contextura filosófica

A Doutrina Espírita leva o adepto a exercer a razão crítica, a ponderar com bom senso, discutir, questionar, discernir o que lhe é proposto. E aqui já passa a haver uma diferença em relação às outras religiões, normalmente, fundamentadas em dogmas inquestionáveis e indiscutíveis.

Embasamento científico

De acordo com Allan Kardec, o Espiritismo apóia-se sobre consistente embasamento científico. Sua mensagem suporta a investigação e o contexto de suas revelações não choca com os postulados da ciência contemporânea, em seus mais variados campos de estudo.

Conseqüências morais

O Espiritismo estabelece no indivíduo, através de sua mensagem e práticas, as conseqüências morais capazes de elevá-lo e libertá-lo, uma vez que seu conteúdo doutrinário aponta para um comportamento ideal, tendo em Jesus o modelo excelso de amor e moralidade.

Religião: postura ou prática?

Com essa linha de pensamento, podemos questionar: "Seria a religião, em seu aspecto mais amplo —que é o de re-ligar a criatura ao Criador— uma postura interior, ou uma prática"?
Ou seja, a religião, como agente de transformação moral, tem sua eficiência na postura, na conduta do indivíduo, ou meramente na prática de cerimônias circunstanciais?

Entendendo o conceito de religião

Devemos ter em mente, conforme os próprios espíritos superiores orientam, que toda expressão religiosa, quando vivida com sinceridade e inteligência, é um meio seguro para a elevação do homem. Passemos, assim, a analisar a religião, conforme o conceito clássico vigente para a maioria das pessoas.

Conceito clássico de religião (Externo)

  1. Sacerdócio hierarquizado profissional
  2. Rituais (como forma de suposta aceleração de aquisições de favores divinos)
  3. Paramentos
  4. Símbolos e fórmulas
  5. Dogmas (imposição sistemática de idéia indiscutível)
  6. Sacramentos

Estas seriam algumas características determinantes do sentido de religião, no conceito clássico.

O entendimento espírita sobre o que é religião

A Doutrina Espírita propõe-nos uma nova ótica para o entendimento do significado de religião. Este entendimento é estritamente interno (no íntimo do ser) e estas seriam algumas de suas características:

Conceito Interno de religião

  1. Definição ideológica permanente de Deus (como sendo a Inteligência Suprema do Universo e não um ser antropomórfico indefinível e misterioso)
  2. Identificação e definição permanente do homem (o princípio inteligente do universo)
  3. Progresso interminável do homem (evolução)
  4. O homem não retrograda em sua marcha evolutiva
  5. Ideal de moralidade absoluta (a ser alcançado no esforço continuado)

Desse modo, concluiu-se que a Doutrina Espírita convida-nos para uma evolução da idéia do sentido religioso, ao propor o conceito interno, elaborado e vivenciado na intimidade da alma do homem, "em espírito e verdade", como ensinou Jesus.

Conclusão

E o mais interessante: Jesus unicamente divulgou os conceitos internos de religião, pois, para se alcançar o reino dos céus, conforme ensinava o Mestre, o essencial é aquinhoar o cabedal moral necessário, construído, interiormente, durante nossa existência na Terra.