Moisés

Antonio Paiva Rodrigues

Eloim, este nome significa para os iniciados: Ele-os deuses, O Deus dos deuses. Já não é o Ser recolhido em si mesmo e no Absoluto, mas o Senhor dos mundos cujo pensamento se expande em milhões de estrelas, esferas móveis de universos flutuantes. RUAH ELOIM AÔR. “Que a luz seja feita, e foi feita a luz”. O Sopro de Eloim é a Luz. Do seio dessa luz primitiva, imaterial, brotam os seis primeiros dias da Criação, isto é, as sementes, os princípios, as formas, as almas, a vida de todas as coisas. É o Universo em potência segundo o Espírito. E qual é a última palavra da Criação, a fórmula que resume o Ser em ato, o Verbo vivo em que aparece a idéia primeira e última do Ser absoluto? E o ser humano. Ruah Eloim, o sopro de deus, indica figuradamente um movimento para a expansão, a dilatação. É, num sentido hieróglifo, a força oposta à das trevas. Porque, se a palavra obscuridade caracteriza um poder compreensivo, a palavra ruah caracteriza um poder expansivo. Em um e em outro, encontrar-se-á esse sistema eterno das duas forças opostas, que os sábios e os doutos de todos os séculos, desde Parmênides e Pitágoras até Descartes e Newton, viram na natureza e assinalaram por nomes diferentes. Depois desta breve introdução, vamos a Moisés que subira sem medo os barrancos do Herobe. De alma corajosa, atravessara o vale da morte e o seu caos de rochedos. Mas, com todo esforço humano, a iniciação tem as suas frases de humildade e de orgulho. Subindo os degraus da montanha santa, Moisés atingira os píncaros do orgulho, porque tocava o cume do poder humano, pensando já ser o Ser supremo e ele não formavam mais do que uma pessoa. Mas uma voz diz: Moisés! Moisés! E ele responde: Eis-me aqui. Não se aproxime, descalce os seus sapatos porque o lugar onde você se encontra é uma terra santa. Moisés escondeu o rosto entre as mãos. Tinha medo de tornar a avistar o Anjo, de encontrar o seu olhar. E o Anjo disse-lhe:- Você que busca Deus, por que treme diante de mim? –Quem é você? -Um raio de Eloim, um Anjo solar um mensageiro daquele que é e que será! Que ordena? Você dirá aos filhos de Israel, que Deus o enviou para junto de vós para arrancar do País da servidão. Moisés foi sem dúvida um grande médium da época, proibiu a mediunidade porque muitos que a tinham usavam com intuito de ganhar dinheiro. A lei mosaica era uma lei para a época muito rigorosa, feita para que o povo se adaptasse ao regime, visto que, os mesmos também eram muito rebeldes. Era dente por dente, olho por olho. Sua figura tem duas combinações as narrativas bíblicas e as lendas rabínicas. Moisés foi um guerreiro, mas não ia de coração para a guerra. Entrou no Seminário de Heliópolis de era conhecida como a cidade do sol. Ele era Judeu e rebelde. Misturava-se muito com as classes inferiores. Afirmam os estudiosos em religião que Moisés recebeu determinação para subir o monte Sinai e receber as tábuas com as Leis Divinas. Como ele demorou muito, cerca de 40 dias, seus seguidores resolveram fazer uma festa profana, construíram um bezerro de ouro e passaram a fazer todas as estripulias possíveis, regadas a vinho e a prostituição. Moisés ao descer percebendo aquele espetáculo desagradável, numa ira tremenda destruiu, o bezerro de ouro, com as tábuas das Leis de Deus, destruindo-as e o bezerro também. Conta um episódio bíblico que depois desta façanha mandou executar 3.000 seguidores por serem os cabeças da festa considerada profana por ele. “Fez valer a força de sua lei dura lex-seri lex”. Seus ensinamentos foram atribuídos a Akhênaton, o sábio rei egípcio que introduziu o monoteísmo, granjeando com isso a fama de louco. Filho de pais judeus, adotado pela filha do faraó e criado como um príncipe egípcio. A vida de Moisés e recheada de acontecimentos que fazem com que paira uma dúvida a respeito de seu envolvimento com o Deus do Antigo Testamento que era a cópia fiel das leis duríssimas desta figura da humanidade. A pena de morte era comum na época. E até se indaga: Será que Deus tem duas personalidades? Um fato me chamou a atenção quando tentava articular esta matéria. Esse fato não era do meu conhecimento: A Bíblia como a conhecemos hoje, dize-nos não é a Bíblia que Deus apresentou a Moisés no Monte Sinai, através de um anjo. Essa bíblia original (a versão primitiva dos dez mandamentos), Moisés destruí-a, na sua ira, quando viu o povo prosternado aos pés do bezerro de ouro. A religião pura estava além da compreensão do espírito humano egoísta. Moisés foi compelido a revisar os seus ensinamentos e trazê-los das alturas do Sinai ao nível da compreensão humana. “A primeira Bíblia foi escrita no alto, sobre a safira do céu; a segunda foi escrita em baixo, sobre o granito da terra. A primeira bíblia falava a linguagem do homem. E o que ficou valendo foram às leis mosaicas para a época”.

Moisés através da sua estupidez cometeu vários erros, primeiro destruiu através de sua ira aquela que seria a Bíblia inspirada por Deus, em segundo lugar desrespeitou os mandamentos do Pai, e ainda como parte de sua ira tentou reconstruir a Bíblia verdadeira, não conseguindo, executou 3.000 irmãos e ainda armou esquema para chegar à terra prometida sem encontrar ninguém. A Bíblia de hoje não é a palavra de Deus, pois passou de pai para filho e muita coisa importante da época perdeu-se no espaço por falta de papiros e pergaminhos. O Deus de Isaac, Abraão e Jacó, não é o Deus Pai-Todo-Poderoso e sim um Espírito enviado por ele que recebeu o nome de Jeová, javé e iavé. Seria egoísmo admitir um Deus de apenas três pessoas, Moisés jamais poderá ser comparado a Jesus Cristo, visto que, Moisés era um espírito imperfeito e Jesus um Espírito puro. Moisés executou muito de seus irmãos e Jesus não matou ninguém, um agressivo demais e o outro dócil e bondoso. O Antigo testamento era parte integrante da Bíblia (O livro dos Judeus ou Hebreus), os Evangelhos de Jesus não fazia parte da Bíblia, ele foi anexado por força da Igreja Católica que tinha muito poder na época e assim foi criado o Novo Testamento. A Bíblia apesar de ter sido inspirada nunca poderá ser considerada a palavra de Deus: primeiro não tem original, segundo sofreu muitas modificações em suas diversas traduções. O Sacerdote Esdras compilou tudo e reuniu o povo em praça pública para anunciar que tinha recebido os ensinamentos da mão de Deus. Quanta ignomínia. São Jerônimo foi outro que cometeu erros crassos e gritantes quando a traduziu e para completar o pastor João de Almeida quando a traduziu para o português foi réu confesso em admitir mais de 2000 erros. Sobre a abertura e passagem pelo mar vermelho, não passa de ficção, naquela região a maré oscilava, isto é, sabia e descia e foi numa dessas descida de maré que Moisés conseguiu passar com seu povo, quando os perseguidores tentavam passar a maré encheu e engoliu todos. São fatos que as religiões e os religiosos não contam, outro fato o cajado de Moisés era uma serpente, os egípcios tinham o costume de acariciar a parte que fica por trás da cabeça da cobra, de tanta massagem ela entrava num estado parecido com a letargia e foi assim quando Moisés a jogou para impressionar seus inimigos. Na realidade os Dez mandamentos foram transformados em dois, mesmo que Jesus tenha afirmado que não veio destruir a lei e sim dá-la cumprimento. Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Esta é minha posição sobre Moisés, o Velho Testamento e a Bíblia, cuja tradução significa apenas “O Livro”.