Jesus, o homem - II

Albino A. C. de Novaes

FLAGELAÇÃO – CRUCIFICAÇÃO – O MITO DA RESSURREIÇÃO

Sala Projeto Espírita (Grupo Spanish & Portuguese)

Ambiente de áudio conferencia do Paltalk– Estudos Doutrinários Espíritas com voz em tempo real.

Informações: aacn@ig.com.br

Ano 3790 do calendário hebraico.

Período próximo à Páscoa dos Judeus.

Um dia como outro qualquer, a massa humana nas ruas movimentando-se de volta às suas aldeias, lugarejos, cidades e países – fato comum após as festividades. Os camponeses retornando às atividades normais de trabalho; coletores de impostos percorrendo as propriedades e casas para garantir a arrecadação nos valores exigidos para dar azo à ganância dos dominadores romanos; sacerdotes envolvidos com os assuntos do Templo de Jerusalém; os soldados romanos fazendo patrulha em grupo ora espancando algum desavisado que se põe no caminho, ora açoitando com a bainha da espada, pobres pedintes; mercadores oferecendo suas especiarias preocupados com os pesados tributos; prostitutas, pescadores e visitantes que aproveitaram o dia para comprar alguma coisa antes do retorno para seus lares, completavam o quadro vivo de uma nação dominada pela força imperialista romana. Cada qual entregue à sua atividade mundana. Provavelmente, algumas pessoas recorrendo à pouca movimentação das vielas e becos, evitando a soldadesca ou os olhares e ouvidos de cidadãos de pouca confiança, outras optaram por uma segurança maior, a ocultação em meio às plantações do campo ou o abrigo de prédios antigos em ruína, todas com um único objetivo: comentar os últimos acontecimentos que culminaram com um tumulto desmedido, com a flagelação, humilhação e crucificação de um judeu apresentado como perturbador da ordem, uma ameaça à “paz” entre romanos e judeus. Um judeu conhecido como Yeshua ou Jesus para o nosso tempo foi aprisionado, levado e julgado de forma facciosa, condenado à morte por ter desafiado com suas pregações. tanto o poder romano como os orgulhosos sacerdotes do Templo de Jerusalém. “A data era ideal para aquele que quisesse chamar a atenção de multidões para as suas idéias” segundo afirma Richard Horsley, professor de Ciência da Religião na Universidade de Massachusetts. “A festa tinha um forte conteúdo político, já que comemorava a libertação dos hebreus do Egito, que agora estavam sob o domínio dos romanos”. Ali estavam concentrados, num mesmo lugar, os ingredientes suficientes para uma revolta popular em grande escala. O poder romano sabia disso, conhecia os riscos que a festa representava e diante da impossibilidade de impedi-la – afinal era conveniente manter uma política de dominação mais pacifica possível – reforçava consideravelmente o contingente de soldados orientados para pronta intervenção em caso de qualquer ameaça de distúrbio de que natureza fosse e pronta dissolução de qualquer grupo em atitude suspeita; a presença ostensiva das forças militares desencorajava qualquer tentativa de manobra da massa humana. O resultado era, quase sempre, um exercício de poder que culminava com desmedida violência desferida muitas vezes contra inocentes.

Tácito, historiador romano – ano 55 d.C. a 111 d.C.

Narra a história infame de Nero, o imperador romano de 54 a 58 da Era Cristã, acusando-o de ter provocado os grandes incêndios de Roma.

“Para desviar as suspeitas procurou achar culpados, e castigou com as penas mais horrorosas a certos homens que,, já dantes odiados por seus crimes, o vulgo chamava cristãos. O autor deste seu nome foi Christus, condenado ao último suplício no governo de Tibério pelo procurador PôncioPilatos. Sua perniciosa superstição, que até ali tinha estado reprimida, já tornava de novo a grassar não só por toda a Judéia, estado reprimido e origem deste mal, mas até dentro de Roma, onde todas as atrocidades do universo, e tudo quanto de mais vergonhoso vem enfim acumular-se e sempre acha acolhimento”.

Outro relato importante é o de Flavio Josefo que serve para atestar que um homem judeu chamado Jesus, de fato viveu e constituiu problema tanto para o poder romano como para as autoridades religiosas do Templo de Jerusalém. Ele menciona Jesus de Nazaré em meio a uma lista de problemas que perturbavam as relações entre judeus e romanos quando Pilatos era governador – aproximadamente entre os anos 26 e 36. Uma observação atribuída a ele diz que “Pilatos, vendo que Jesus era acusado pelos nossos homens mais eminentes, condenou-o a ser crucificado. Esse relato de Josefo é confirmado pelos seguidores de Jesus. O Evangelho de Marcos, provavelmente a mais antiga narrativa do Novo Testamento – provavelmente no período de 70 a 80 – conta como Jesus, traído por Judas Iscariote certa noite no Jardim das Oliveiras, conhecido como Jardim de Getsêmani, Horto das Oliveiras ou Bosque das Oliveiras – era um pequeno estabelecimento agrícola, onde se faziam plantações de variados tipos de flores e vegetais para consumo caseiro com o aproveitamento da umidade e fertilidade do solo local; suas encostas eram cobertas de um pequeno bosque de árvores agradáveis, muitas delas frutíferas provavelmente, onde nascia o vale de Cedron. Do alto do Jardim, podia-se ver o rio Jordão cortando o solo para repousar no Mar Morto emoldurado pelas colinas da Galiléia.- foi preso por soldados romanos enquanto seus discípulos fugiram. Sobre Jesus pesava a acusação de sedição e por este motivo ele foi condenado à morte. Crucificado, Jesus viveu ainda por algumas horas até que deixou escapar um grande grito vindo a morrer em seguida, segundo o relato de Marcos.

O relato apresentado por João é mais completo e historicamente plausível entre todos que podemos considerar dos que se apresentam nos evangelhos canônicos. Diz ele que o aumento da popularidade de Jesus fizeram com que os chefes dos sacerdotes se reunissem em conselho no Sinédrio para discutirem os perigos de uma rebelião. Alguns dentre o povo já aclamavam Jesus como Messias (João 11:45-53) – o rei “ungido” que eles esperavam iria libertar Israel do imperialismo estrangeiro e restaurar o estado judaico. Mas intensamente, durante a Páscoa, quando muitos milhares de judeus afluíam a Jerusalém para as celebrações, esse ímpeto poderia inflamar sentimentos de nacionalismo hebreu, já latentes na cidade, e transformá-los numa revolta aberta. Ao Conselho cabia a responsabilidade de manter a paz entre a população judaica e o exército romano de ocupação – uma paz tão frágil que, cinco anos depois, quando um soldado romano de guarda durante a Páscoa manifestou seu desprezo expondo-se de forma indecente no pátio do templo, seu gesto provocou uma revolta em que, diz-se, 30.000 pessoas perderam a vida. Josefo conta essa história e acrescenta: “ Assim a festa terminou em desgraça e desespero para toda a nação, e em cada lar houve perda de vida.

João restabelece a discussão do Conselho sobre Jesus: “ Que faremos? Se o deixarmos assim? “

“O povo manifestar-se-á em favor desse suposto novo rei judeu. E os romanos virão, destruindo nosso lugar santo e a nação. Caifás, o sumo sacerdote, propôs que se prendesse imediatamente um homem em vez de se colocar em risco toda a população”. Até João reconheceu a argúcia política desse raciocínio: seu evangelho foi escrito não muito tempo depois da insurreição de 66-70 contra Roma – que terminou no desastre completo que segundo ele, fora previsto por Caifás, com a destruição total do templo e da cidade de Jerusalém.

Nossa intenção é demonstrar com notas históricas produzidas com base nos documentos examinados e aceitos por pesquisadores especializados em História da Religião, a barbárie praticada no ato da crucificação de Jesus, tal como aconteceu com outros judeus antes e depois dele. No documento “A Guerra dos Judeus, p.2306 a 2308, encontramos uma outra anotação digna de ser mencionada: “ Muitos cidadãos pacíficos foram presos e trazidos diante de FLORO, que primeiro mandou açoitá-los e, em seguida, crucificá-los ... Floro, ousou fazer naquele dia, o que ninguém tinha feito antes, ou seja, açoitar diante do seu tribunal e pregar na cruz homens de posto eqüestre; homens que, embora judeus por nascimento, dispunham pelo menos daquela dignidade romana. Mais uma referência, entre tantas outras, podemos citar como comprobatória de que a crucificação era uma prática romana adotada contra os judeus que incomodavam sua política de dominação. Ainda na mesma obra “Guerra dos Judeus” nas páginas 5446 a 5451: “Eles foram devidamente açoitados e submetidos a torturas de todo o tipo, antes de serem mortos, e, em seguida crucificados em frente às muralhas ... quinhentos ou, algumas vezes mais, sendo capturados cada dia ... os soldados furiosos e com ódio extremo, divertiam-se pregando seus prisioneiros em diferentes posições; tão grande era o número deles que não se podia achar espaço para cruzes, nem cruzes para os corpos.”

A tortura, o açoitamento e extrema humilhação eram atos que antecediam a crucificação romana, o requinte de perversidade e desprezo pela vida do judeu, revelava sadismo e crueldade postos a serviço da intimidação pública. Jesus foi um entre muitos outros judeus crucificados e não se livrou da flagelação que dilacerou sua carne, expondo pedaços separados do corpo pela violência sem limite dos açoites. A violência perpetrada contra Jesus era uma mistura de ódio à raça com o desprezo pelas tradições religiosas do dominado; a injustificada ferocidade contava ainda com um acréscimo em potencial: a suspeita de que Jesus pretendia o trono de Jerusalém, afinal durante as interpelações do julgamento a turba ensandecida vociferava: “ Crucifiquem! .... Crucifiquem o rei dos judeus!”. O açoitamento ou flagelação era, como vimos, uma prática que fazia parte do processo de crucificação – brutal prelúdio da execução que se seguia à ofensa, ao escárnio imposto publicamente.

Nesses últimos dois mil anos, filósofos, teólogos, pintores, escultores, poetas, historiadores e agora mais modernamente alguns cineastas, fizeram relatos da vida de Jesus uma espécie de espelho a refletir um pouco da própria imagem; uma inequívoca contaminação dos fatos por vetores do conhecimento subjetivo que tem transformado a dramática flagelação em ato de poesia banal. Ao apresentarmos os fatos históricos que atestam uma visão realista do que aconteceu com Jesus, provocamos um conflito inevitável que pode culminar com o cisalhamento ou ruptura de um mito que reduz Deus à condição humílima e antropomórfica. A final Jesus não é Deus, sentiu na carne toda a ignomínia, todo o ódio, a violência perpetrada mais intensa; sentiu o calor do sangue a jorrar por todas as chagas abertas pelo chicote cortante, pela lança a dor calou o grito ... ele sofreu!

No mesmo período, os romanos crucificaram 10000 pessoas ...

Por que Jesus não poderia ser flagelado, se o condenaram ao suplício mais feroz e infamante, como morte na cruz? Os castigos corporais eram, como vimos, de hábito comum entre os romanos; o chicote, um símbolo do seu poderio sobre os povos vencidos, e a flagelação, embora fosse um método bárbaro, consistia num corretivo tão comum entre os próprios cidadãos de um mesmo país, como o velho regime da chibata na época da escravidão no Brasil. Por acaso alguém desconhece a crucificação de um infeliz, após intensa flagelação, em uma favela do Rio de Janeiro não há muito tempo? Aos romanos pouco lhes importava a distinção entre prisioneiros vencidos ou escravos, pois não lhes minorava a pena e o tratamento o fato de serem pobres, ricos ou cultos, mas qualquer reação ao poder dominante punia-se pelo primeiro capataz ou soldado que se sentisse irado ou ofendido por qualquer resistência alheia. Diante disso, porque os que têm assistido as cenas de violência retratadas nas telas dos cinemas, no filme de Mel Gibson “ O Julgamento de Jesus”, manifestam tanta revolta e horror, se no cotidiano podem estar acontecendo no mesmo momento? Pensam estar sendo violada a imagem de Deus?

O fato é que ocorreram cenas degradantes contra Jesus no pátio da prisão romana em todo o percurso até o local da crucificação, que não se ajustam à descrição melodramática dos evangelhos. Os Soldados romanos, como prepostos de PôncioPilatos, eram produtos da férrea disciplina de anos de preparo e de trabalho consecutivo como guerreiro a serviço da pátria romana, o que exigia destemor, coragem, altivez e uma dose acentuada de crueldade. No entanto, jamais desciam ao espetáculo circense de cuspir e esbofetear os prisioneiros, pois mantinham certo decoro nos seus atos e tudo faziam para não mancharem sua reputação de “homens superiores”.

O MITO DA RESSURREIÇÃO

Dra. Elaine Pagels – catedrática do Departamento de Religião do BarnardCollege da Universidade de Columbia:

“Jesus Cristo ressuscitou”. Com essa proclamação nasceu a igreja cristã.

“Esse talvez seja o elemento fundamental da fé cristã; por certo é o mais radical. Outras religiões celebram ciclos de nascimento e morte: o cristianismo insiste que, num dado momento histórico único e singular, o ciclo se inverteu e um homem morto voltou à vida! Para os seguidores de Jesus, esse foi o ponto crítico da história do mundo e o sinal de que seu fim estar por vir. Desde então, os cristãos que se atêm à ortodoxia têm confessado em seu credo que Jesus de Nazaré, “crucificado, morto e sepultado”, ressuscitou “no terceiro dia”. Hoje muitos receitam esse credo sem pensar no que estão dizendo, alguns ministros, teólogos e estudiosos começaram a contestar essa leitura literal da ressurreição; e, para justificar tal doutrina, ressalta a atração psicológica que ela exerce sobre nossas esperanças e nossos medos mais profundos; para explicá-la, oferecem interpretações simbólicas.”

Mas boa parte da tradição primitiva insiste literalmente que um homem – Jesus – voltou à vida. O que torna esses relatos cristãos tão extraordinários não é o fato de os amigos de Jesus o terem “visto após sua morte – histórias de fantasmas, alucinações, e visões eram ainda mais comuns naquela época do que nos dias de hoje. – e sim o de terem visto um ser humano de verdade. Segundo Lucas, a princípio os próprios discípulos, estupefatos e aterrorizados diante do aparecimento de Jesus em meio a eles, imediatamente supuseram estar diante do seu espírito. Mas Jesus insistiu: “Apalpem-me e entendam, pois um espírito não tem carne e ossos, como podem ver que tenho”. Como permanecessem incrédulos, ele pediu algo para comer; e, enquanto observavam-no maravilhados, Jesus comeu um pedaço de peixe assado. A mensagem é clara: nenhum espírito ou fantasma seria capaz disso.

Se houvessem dito que o espírito de Jesus continuava vivo, que ele havia sobrevivido à corrupção do corpo, seus contemporâneos talvez achassem que tais histórias fizessem sentido. Quinhentos anos antes, os discípulos de Sócrates haviam afirmado que a alma de seu mestre era imortal. Mas o que os cristãos declaravam era diferente e, em termos usuais, totalmente implausível. O caráter definitivo da morte que sempre fora parte da experiência humana, estava sendo transformado. Pedro contrasta o rei David, que morreu e foi enterrado, e cujo túmulo era bem conhecido, com Jesus, que, apesar de morto, ressuscitara do seu túmulo, “pois não era possível que ele fosse retido em poder da morte”. Lucas afirma que Pedro exclui interpretações matafóricas para o acontecimento que disse haver testemunhado: “Nos comemos e bebemos com ele após sua ressurreição entre os mortos”.

Prossegue Pagels em um outro trecho de sua explanação dizendo: “No entanto, alguns cristãos – aqueles que ele chama hereges – discordam. Sem negarem a ressurreição, eles rejeitam uma interpretação literal; alguns consideram tal interpretação ‘extremamente repulsiva e impossível’ . “ Conforme podemos perceber, algumas facções cristãs interpretam a ressurreição de diversas maneiras. Alguns afirmam que a pessoa volta à vida; antes encontra-se Cristo num plano espiritual. Isso pode ocorrer em sonhos, êxtases, em visões ou em momentos de iluminação espiritual. Precisamos prestar atenção também no que diz Lucas e Marcos onde os vemos contar que Jesus apareceu “em outra forma” ´não a sua forma terrena anterior, a dois discípulos que caminhavam na estrada para Emaús. Lucas diz que esses dois discípulos, profundamente perturbados pela morte de Jesus, conversaram com um forasteiro, aparentemente durante várias horas, e o convidaram para jantar. Só quando o estranho sentou-se em sua companhia para abençoar o pão é que subitamente o reconheceram como sendo Jesus. Nesse momento, porém, “ele ficou invisível diante deles”. Imediatamente antes da passagem sobre a incredulidade de Tomé, João inclui outro episódio muito diferente: Maria Madalena, chorando por Jesus perto do sepulcro, vê um homem que ela confunde com o jardineiro. Quando ela a chama pelo nome, Maria subitamente reconhece a presença de Jesus – mas ele a ordena que não o toque.

O próprio Paulo não aceitava a ressurreição de Jesus como um dado histórico, mas apenas uma exigência de fé, posta em dúvida por muitos de seus seguidores.

Toda a evidência que possuímos demonstra que não havia qualquer pensamento de ressurreição nas mentes dos discípulos, e que eram homens desesperançados na noite da primeira Sexta-Feira após a crucificação de Jesus. A manifestação de Jesus aos discípulos após a morte e sepultamento, constitui um problema que o conhecimento espírita pode explicar e que certamente contraria o pensamento da Ressurreição. Como vimos o problema da Ressurreição é muito grave do ponto de vista teológico, tão grave quanto a possibilidade de Jesus não ter sido batizado por João nas águas do rio Jordão como querem fazer supor alguns historiadores – João teria sido decapitado cerca de duas semanas antes de seu encontro com Jesus ter acontecido. Sem esses dois pressupostos toda a doutrina cristã se esfacela.

BIBLIOGRAFIA: