Antecessores do Movimento Espírita

Yuzo Nakamura

naka@marajo.ufpa.br
Rua dos Timbiras, 1977 CEP 66040-470
Belém - Pará - Brasil

1. ANTIGUIDADE

1- A relação entre os mundos, material e espiritual, tem sido registrada em todas as épocas da Humanidade. Como exemplo, temos o Código dos Vedas, o mais antigo código religioso que se tem notícia, onde se encontra o registro da existência dos Espíritos:

"Os Espíritos dos antepassados, no estado invisível, acompanham certos Brâmanes(1), convidados para cerimônia em comemoração dos mortos, sob uma forma aérea; seguem-nos e tomam lugar ao seu lado quando eles se assentam".

2- No Egito antigo, os magos dos faraós evocavam os mortos, e muitos comercializavam os dons de comunicabilidade com os mundos invisíveis para proveito próprio ou dos seus clientes; fato esse comprovado pela proibição de Moisés aos hebreus:

"Que entre nós ninguém use de sortilégio e de encantamentos, nem interrogue os mortos para saber a verdade". (Deuterônimo)

3- Na Grécia a crença nas evocações era geral. Todos os templos possuíam mulheres chamadas pitonisas encarregadas de proferir oráculos, evocando os deuses, mas, às vezes, o consultante queria ele próprio ver e falar à "sombra" desejada e, como na Judéia, conseguia-se pô-lo em comunicação com o ser, ao qual desejava interrogar (Delane, 1937).

4- Celtas, povo pré-histórico que se espalhou por grande parte da Europa entre os séculos XXI a.C. a I a.C., atingindo o maior poderio do século VI a.C. ao III a.C., possuíram grupos fechados de sacerdotes, especializados em comunicações com além, chamados de "Druidas". A filosofia e os ensinamentos morais refinados, assemelhavam em muito com a Doutrina Espírita. Pregava a transmigração das almas, a perfectibilidade indefinida das almas humanas numa série de existências sucessivas.

5- Vários séculos antes de Jesus e dos Essênios (de costumes brandos e virtudes austeras; 150 aC.) Sócrates e Platão foram os principais precursores. Na sua doutrina espirituallista estavam contidos os fundamentos da Doutrina Espírita:

"O homem é uma alma encarnada. Antes da sua encarnação existia unida aos tipos primordiais, as idéias do verdadeiro, do bem e do belo" (Sócrates e Platão).

A Doutrina Espírita esclarece a distinção entre o princípio inteligente e o princípio material e que o Espírito existe antes e depois de uma encarnação.

"A alma se transvia e perturba quando se serve do corpo para considerar qualquer objeto" (Sócrates e Platão).

Este é o princípio da influência da matéria sobre o espírito explicado pela Doutrina Espírita.

6- Jesus falou a Nicodemos, um dos Fariseus, senador dos Judeus e simpatizante dos ensinamentos do Cristo:

"Em verdade, em verdade vos digo: Ninguém pode ver o reino de Deus se não nascer de novo".

Nicodemos lhe disse: Como pode nascer um homem que já está velho? Pode ele entrar no ventre de sua mãe, para nascer uma segunda vez?

Jesus lhe respondeu: Em verdade, em verdade vos digo: Se um homem não renascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é Espírito. Não vos espanteis do que eu vos disse, que é preciso que nasçais de novo. O Espírito sopra onde quer, e ouvis sua voz, mas não sabeis de onde ele vem e para onde ele vai. Ocorre o mesmo com todo homem que é nascido do Espírito.

Claramente Jesus se referiu a reencarnação,ou seja, preexistência da alma e, por conseguinte, da pluralidade das existências, muito bem esclarecida pela Doutrina Espírita.

7- Na Bíblia, o apóstolo Paulo deixa claro o intercâmbio entre os dois mundos ao afirmar:

"Não extingais o espírito; não desprezeis as profecias; examinai tudo. Retém o que é bom" (I Tessalonicensses).

8- Também o apóstolo João mostra a possibilidade de comunicação entre os dois mundos, mas nos alerta para a qualidade dessa comunicação:

"Não creais em todos espíritos, mas provai se os espíritos são de Deus" (I João)

2. IDADE MÉDIA

1- Francisco de Assis nasceu em 26 de setembro de 1182. Sua mãe, não desejando permanecer no luxo da sua mansão, fez com que dirigisse a estrebaria, para que seu filho nascesse na simplicidade da pureza dos animais, quase se repetindo o quadro do nascimento de Jesus.

Ao derredor do estábulo, os animais compareceram e parecia que baixavam suas cabeças em reverência àquele que chegava de esfera resplandecente, com a sagrada missão de amar com aquele amor que não escolhe, desde os insetos até os astros. E assim fez o Santo de Assis, deixando rastro luminoso de humildade e amor, curando todos os enfermos físicos e espirituais durante seus breves 44 anos de vida. Renunciou a qualquer conforto do mundo, semeando a paz, vivendo o Evangelho na sua mais alta função de humildade, de desprendimento e de Amor, exatamente na época das Cruzadas e Inquisição - para manter o equilíbrio na educação dos homens, servindo de exemplo para todos os tempos, levando a mensagem da necessidade do aperfeiçoamento espiritual. Mas, sobrevive hoje, apenas poucos resquícios da qualidade Franciscana.

2- Joana D'arc, nasceu no ano de 1412, numa pequena aldeia da França chamada Domremy. Filha de pobres lavradores, não sabia nem ler nem escrever.

Desde pequena escutava vozes no silêncio dos bosques, que atribuia a São Miguel, Santa Margarida e Santa Catarina, os quais incentivaram a voltar-se para Deus e defender a França, cuja nobreza se encontrava esmagada na luta que durava quase cem anos contra a Inglaterra.

Guiada por essas vozes, ela reorganizou o exército francês e conduziu Carlos VII ao trono. Seu triunfo motivou inveja e intrigas que culminaram na sua captura e posteriormente sua condenação pelo fato de não querer negar essas vozes perante a Igreja.

3. IDADE MODERNA

1- Emannuel Swedenborg (1688-1772). Cientista, engenheiro de minas, autoridade em física, astronomia, financista político e finalmente, um profundo estudioso da Bíblia, este místico sueco era médium(2), clarividente(3) e vidente(4). Desde muito cedo tinha visões. Esses episódios ocasionais desabrocharam subitamente em Londres, em abril de 1744 (C. Doyle).

Desde o dia de sua primeira visão até a sua morte, quase trinta anos depois, Swedenborg esteve em contato com o mundo para o qual segundo a sua opinião, as almas dos homens iriam após a morte. Mais de um século depois, a Doutrina Espírita viria confirmar e esclarecer mais profundamente essa idéia.

Em sua primeira visão, ele fala de "uma espécie de vapor que se exala dos poros de seu corpo", uma exata descrição do que o espiritismo chama de ectoplasma(5).

Sua imensa cultura lhe permitiu um excepcional poder de observação e comparação na descrição do outro mundo, como sendo constituído por várias esferas, cada qual habitada por espíritos de diferente condição espiritual, exatamente como ensina a doutrina espírita. Afirmou ver nessas esferas as almas dos homens que haviam vivido na Terra e que ou eram almas retardatárias, caracterizadas como demônios, ou altamente desenvolvidas, caracterizadas como anjos.

Não havia detalhes insignificantes para a sua observação do mundo espiritual. Fala da arquitetura, do artesanato, das flores, dos frutos, da arte, da música, da ciência, das escolas, etc.

2- Andrew Jackson Davis (1826-1910). Foi criado em um distrito rural de Nova York, onde o povo era rude e deseducado. Não tinha formação acadêmica nenhuma. Segundo Artur Conan doyle: "Jamais houve um rapaz com menos disposições favoráveis do que Davis. Era fraco de corpo e pobre de mente."

Possuia notável poder de vidência(6), clarividência(7) e clariaudiência(8). Trabalhou empregando sua clarividência no diagnóstico de doenças. Cada órgão lhe parecia claramente e com uma radiação especial e peculiar, que se obscurecia em caso de doença.

Acompanhou, em projeção(9), o desencarne(10) de uma pessoa; viu o espírito se desprendendo do corpo na hora da morte. Foi também testemunha dos fenômenos de "Poltergeist", produzidos na casa de um clérigo (Dr. Phelps), no início de 1850.

Profetizou, antes de 1856, o surgimento do automóvel, da máquina de escrever e do avião. Previu, em 1847, o aparecimento do Espiritsmo.

TERMOS ESPÍRITAS:

1- Brâmanes: Membro da mais alta casta hindu, a dos homens livres; sacerdote que oficiava os sacrifícios do Veda (Dic. Aurério).

2- Médium: Característica da pessoa que possui mediunidade, uma faculdade humana natural que permite sentir e transmitir a influência dos espíritos, ensejando o intercâmbio (comunicação) entre o mundo físico e o mundo espiritual (CEAK, 1994).

3- Clarividente: Característica da pessoa que possui a faculdade mediúnica da clarividência (CEAK, 1994).

4- Vidente: Característica da pessoa que possui a faculdade mediúnica da vidência (CEAK, 1994).

5- Ectoplasma: Termo criado por Charles Richet. É uma substância que se acredita seja a força nervosa e tem propriedades químicas semelhantes as do corpo físico, donde provém. Apresenta-se viscoso, esbranquiçado (quase transparente, com reflexos leitosos) e é evanescente sob a luz. É considerado a base dos efeitos mediúnicos chamados "físicos" (levitação, materialização, etc) pois através dele os espíritos podem atuar sobre a matéria (CEAK, 1994).

6- Vidência: É a faculdade mediúnica que permite ver seres, ambientes, formas, luzes, cores, cenas do plano espiritual (CEAK, 1994).

7- Clarividência: É o fenômeno da visão a distância, mesmo através de corpos opacos, permitindo enxergar coisas, cenas, pessoas que os olhos físicos não conseguem alcançar (CEAK, 1994).

8- Clariaudiência: É o fenômeno em que se ouvem sons que ocorrem fora dos ouvidos físicos, por se darem a distância ou através de obstáculos que impedem a transmissão do som (CEAK, 1994).

9- Projeção: Também conhecida como desdobramento. É o nome que se dá a um estado parcial de emancipação da alma humana, em que o espírito da pessoa se afasta de seu corpo (CEAK, 1994).

Referências Bibliográficas:

  1. Boletim GEAE no. 193
  2. Francisco de Assis - João Nunes Maia
  3. Fonte Viva
  4. Joana D'arc - Léon Denis - FEB