A Vida

Gilberto da Costa Valle

A vida é o sopro do Criador que percorre toda a Criação, incessantemente, animando tudo que nela existe. Verificamos o movimento estuante da vida em toda a Natureza. Basta um simples olhar, mais atento, à nossa volta para percebermos este inexaurível dom de Deus.

Percebemo-la desde o movimento elétrico das partículas subatômicas até o distante brilho de uma estrela, que fulgura no zimbório azulado do horizonte.

Os átomos se reúnem na constituição da matéria e os astros se sustentam uns aos outros na dinâmica do Universo, graças a esta divina vibração.

Vemo-la maravilhosa no caminhar das formigas a carregar o alimento necessário ao seu sustento; no vôo incessante de belas borboletas, que nos encantam a visão; no mavioso canto dos pássaros; no trabalho das abelhas, que laboriosas buscam o néctar que as flores lhes possam oferecer e até mesmo na atividade dos cupins que, vorazes, nos roem a peça de madeira.

A luta pela sobrevivência, que muitas vezes assistimos perplexos, também nos dá notícia da vida.

Viver é a necessidade e a aspiração íntima de todos os seres da Criação. Nenhum ser que tenha sido criado foge desse imperativo. O iluminado mentor Emmanuel nos diz em determinada página que da morte podemos escapar, mas, da vida ninguém fugirá jamais.

A semente, que brota vitoriosa da cova escura, nos fala desta força misteriosa.

Até na ferrugem que nos corrói o objeto de metal identificamos a ação da vida que não cessa.

Milhares de seres microscópicos pululam na face fértil do solo planetário ou no rico líquido aquático que nos banha as terras. Uma infinidade de bactérias, vírus, fungos, algas e protozoários minúsculos se agitam em toda a parte, movidos pela força da vida.

É do nosso conhecimento que aproximadamente 90% do oxigênio que nos garante a vida é produzido pelas algas.

Bactérias nitrificantes trabalham pela vida tanto quanto fungos quase insignificantes levedam a massa do pão que nos sustenta a mesma.

O sol é fonte de vida.

A chuva fertiliza a vida.

O vento transporta a vida.

O sorriso de uma criança nos fala de vida, e o choro também.

A lágrima que corre cristalina pela face de uma mãe nos fala de vida, porque a vida é a mais bela e soberba manifestação do amor.

Olhemos para nosso corpo e pensemos na quantidade de células, seres pequeninos que nos servem em nome da vida e reflitamos no pulsar do coração que bate no compasso adequado milhares de vezes por dia para nos mantê-la.

E o que é a morte, senão a transformação da própria vida, que se renova triunfante.

Além da vida encontramos a vida.

Além do que podemos perceber com nossos limitados sentidos, a vida prossegue incessante.

Reconhecidos e jubilosos louvemos a Deus pela Vida.

(Publicado no Boletim GEAE Número 426 de 24 de dezembro de 2001)