O Espelho dos Espíritas

Luiz Signates

Texto publicado originalmente na "Revista Espírita Allan Kardec" de Julho/Setembro de 1997 - numero 35 - e colocado no Boletim GEAE com a autorização do autor, que como única condição nos solicitou a divulgação do seu e-mail (signates@writeme.com): "Isso para que os leitores do GEAE, cujas idéias sejam semelhantes ou diferentes, possam corresponder comigo, a fim que de eu aprenda com seus pontos de vista e possa, caso seja necessário e proveitoso, modificar as analises."

O Espelho dos Espíritas

A visibilidade marcou o século que está terminando. Este foi o século do visual. O estudioso francês Regis Debray denomina a era de "videosfera", em contraposição `a logosfera da Idade Media e a grafosfera do Renascimento e do Iluminismo. A lógica da relação social e política é o "estar na mídia". A sociedade tornou-se "midiatizada".

Uma das características essenciais de uma psicologia dessa sociedade, sem duvida, é o narcisismo. A vaidade deixa de ser simplesmente um problema moral, para se tornar uma pratica social. Algo, para acontecer, tem que sair na televisão.

É claro que nem tudo nos meios de comunicação é caracterizado pelo narcisismo. Ao contrario do que diria Salomão, "nem tudo é vaidade". Tais ecossistemas técnicos são lugares de comunicação, abrindo possibilidades de conhecimento do homem a respeito de si mesmo, do mundo, do universo que o rodeia.

São, também aberturas para a possibilidade de entendimento das pessoas e grupos sociais entre si.

Há algumas "marcas" que caracterizam o narcisismo na comunicação e, para termos uma idéia pratica a respeito, abordaremos o assunto do ponto de vista das atividades espíritas chamadas de "divulgação doutrinaria".

1. Visão Instrumental da Comunicação

Uma visão instrumental da comunicação é a que vê a mídia como instrumento ou ferramenta da divulgação do Espiritismo. As relações sociais propiciadas pela existência das instituições de comunicação dentro da sociedade passam a ser buscadas para serem usadas ao máximo. Constituem uma espécie de maquinas, cujo papel é funcionarem para "levar a mensagem". Tal modo de ver é narcísico porque dispensa a idéia de simetria nas relações humanas, já que prioriza a postura do emissor, no processo comunicativo.

2. Comunicação como território a ser conquistado

É uma conseqüência da visão instrumental, mas dentro de outra metáfora: a do território. Expressões como "ocupar o espaço da mídia" ou "conquistar um horário na programação" são típicos dessa visão.

De novo uma visão narcísica, pois se concentra na procura por colocar-se vantajosamente no presumido jogo de poder dos loteamentos de programações radiofônicas e televisivas. Ocupar espaço para influenciar os outros é também uma típica instrumentalização, com a diferença de que, se antes a razão era técnica, aqui a racionalidade é estratégica, vinculada `a busca por poder e influencia.

3. Abordagem tecnicista

Seja instrumental, seja estratégica, a abordagem narcísica da comunicação costuma se caracterizar pelo tecnicismo. Parte-se do principio de que, se dominarmos as técnicas da comunicação (desde o saber usar certos aparelhos até o saber adotar certas táticas no uso da voz, da imagem, do texto), dominaremos o pensamento de quem estiver ligado a esses meios. Isso não é apenas narcísico, pelos motivos já enumerados, como é falso. Não é a tecnologia adotada que garante a comunicação, embora ela seja fundamental para o conceito de informação.

4. Preocupação centrada na mensagem

Aqui, propomos uma clara diferença entre os conceitos de informar e comunicar, que, no Espiritismo, poderíamos chamar de "fazer divulgação" e "fazer comunicação". Informar é tornar tecnicamente disponível uma informação; comunicar é relacionar-se com outras pessoas. A primeira, toma por base a assimetria (há os que sabem e os que não sabem) e busca igualar os conhecimentos e comportamentos a partir do prisma do emissor (que é, presumidamente, aquele que sabe). A segunda, parte da simetria (todos sabem algo) e trabalha no sentido de desenvolver relações a partir das quais as diferenças se tornem frutíferas (cada um saírá da relação sabendo algo mais). O movimento informativo prioriza a estrutura e busca adaptar as pessoas a ela. O processo comunicativo prioriza as pessoas e coloca as estruturas a seu serviço.

No campo das atividades espíritas, a noção de divulgação é informativa, porque está centrada na mensagem (a "Doutrina", que muitos julgam já conhecê-la pura e pronta, devendo, inclusive, ser preservada, ainda que a custo de sacrifício de pessoas) e nos processos técnicos inutilmente destinados a torná-la hegemônica na sociedade. E a noção de comunicação social espírita é comunicativa (desculpe-nos a tautologia), porquanto não se interessa em primeira instancia pela "Divulgação da Doutrina", e sim pelo desenvolvimento de relações concretas de fraternidade entre as pessoas.

No primeiro modo, a mensagem é o fim e as pessoas são meios.

No segundo, o Espiritismo é um meio ou, na melhor das hipóteses, um direcionamento ético, e as pessoas são o fim. Nos processos comunicativos, se há algo a ser sacrificado, com certeza não são as pessoas envolvidas.

5. Incapacidade de ouvir, de dialogar, de considerar a opinião dos outros, de duvidar de si próprio. Narcisismo, enfim.

Tratada dessa forma, a idéia - que é praticamente generalizada - de divulgação do Espiritismo, torna-se puro narcisismo doutrinário.

Nossa experiência, acompanhando um programa espírita de televisão em Goiás e os comentários de companheiros espíritas a esse trabalho, tem comprovado isso de forma dramática. é possível afirmar que a idéia da divulgação espírita traz embutida uma intencionalidade provavelmente inconsciente, que precisa ser questionada pelos espiritistas sérios: o que queremos com a comunicação, falarmos com as pessoas ou nos enxergarmos nesses meios ?

Conversar com os diferentes públicos conectados por essa gigantesca rede social ou simplesmente vermos as nossas idéias, resguardadas em toda a sua "pureza", estampadas no vídeo ? Em síntese, estamos `a procura do próximo ou de nos mesmos, na mídia ?

Uma abordagem comunicacional está centrada no outro, e na ética de nossa relação com ele, e não em movimentos de conversão religiosa. O outro só se torna "próximo", dentro da ética espírita-cristã, quando nos igualamos a ele, dispensando qualquer pretensão de instrumentalizá-lo ou dominá-lo. As instituições de comunicação da contemporaneidade são importantes pelas possibilidades que são capazes de gerar, para o estendimento da fraternidade possível entre nos, e não pela eventual ou suposta capacidade de enfiar idéias prontas na cabeça dos outros.

Nesse sentido, pode ser significativo que tais veículos caminhem para uma interatividade cada vez maior. A razão do futuro é, sem duvida, a razão do dialogo, e não a do monologo. é a razão do altruísmo, e não do egoísmo. é a razão do amor, e não a do narcisismo.

A televisão não existe para ser o espelho dos espíritas, ante a sociedade, nem os espíritas devem buscá-la com essa pretensão tola. Caso, de fato, nos interessemos pelos irmãos em sociedade, como costumamos afirmar, então busquemos falar com eles dos temas que lhes interessam, em clima de dialogo e entendimento mutuo, a fim de estendermos a eles os benefícios que pudermos e, porque não, colhermos deles as visões e praticas diferentes que tenham e possam nos enriquecer. Agindo assim, mesmo que não convertamos ninguém para o Espiritismo, estaremos praticando-o, ao fundar uma nova sociedade, a partir da instauração de um novo tipo de relação social.

Jornalismo Espírita e Diálogo Social

No jornalismo espírita brasileiro, também encontramos essa característica narcisista: é um jornalismo opinativo, centrado na confirmação de idéias instituídas e na critica da diferença.

O aspecto opinativo aparece no formato artigo, hegemônico na imprensa espírita. Um estilo que não é tão problemático, por se referir a um movimento de índole filosófica, cuja natureza discursiva se distingue pelo debate das idéias. Os periódicos científicos tem, também, essa característica. Apesar disso, uma das mais importantes facetas do Espiritismo brasileiro é o seu estendimento religioso em direção ao mundo e, em especial, `as necessidades humanas.

Por isso, pensamos que outros formatos, como a reportagem (não apenas as temáticas, mas também as que trabalhem sobre relatos de vida e de experiências), podem enriquecer enormemente a comunicação dos espíritas com a sociedade. Em síntese, o jornalismo espírita não tem porque ser exclusiva ou prioritariamente opinativo e pregacionista.

No que diz respeito aos conteúdos, é visível a natureza confirmatória dos artigos espíritas, reveladora, como na televisão, de uma face narcísica, oriunda de uma apreensão hipodérmica, monologal, iluminista e instrumental da comunicação. Vista desse modo, o gesto comunicativo ofertado por esse tipo de jornalismo, longe de ser uma proposta de relação humana vinculada `a busca da fraternidade, passa a ser a metáfora de uma guerra espiritual ou da conquista do poder ideológico, reiterando os equívocos de religiões e partidos em todos os períodos da historia, especialmente o da modernidade ocidental. Um jornalismo fundamentado em tais pressupostos acaba instituindo a circulariedade dos conteúdos, desdobrada na mera afirmação do confirmado e na critica dogmática da diferença.

A nossa proposta, evidentemente diversa dessa pratica que descrevemos e analisamos, é a da busca da comunicação como instauração e permanência de um dialogo social. Dai, porque o formato "reportagem" pode ser uma saída interessante, dentro da qual inclusive pessoas não-espíritas possam ser ouvidas e historias de vida possam ser publicadas. A centralidade da comunicação, nesses casos, deixaria de ser exclusivamente na mensagem, passando a buscar processos comunicativos e a considerar os seres humanos envolvidos como mais importantes do que as doutrinas e as instituições.

O dialogo social, nesse caso, desenvolver-se-ia a partir da fundação de esferas publicas de compartilhamento das diferenças e de real fraternidade entre os diferentes agentes interessados na temática dessa esfera publica, não importa a opinião que adotem. Isso porque a tarefa fundamental do Espiritismo não é simplesmente a de divulgar os seus princípios, mas, sobretudo, a de criar as condições de possibilidade da sociedade fraterna e justa no mundo. E fraternidade apenas se faz a partir da aceitação da diferença e na pratica comunicativa do amor verdadeiro.

(Publicado no Boletim GEAE Número 278 de 3 de Fevereiro de 1998)