O Progresso a Serviço do Nosso Próprio Bem

Antonio Leite

A resistência que certas pessoas demonstram em relação ao progresso é algo que nos parece inconcebível. Para justificar esta postura muitos apontam para a possibilidade do mal uso que alguns podem fazer das instrumentas mais avançadas que advém como resultado do progresso científico e tecnológico. A internet ou a World Wide Web e a iminente e inevitável globalização estão, para algumas pessoas, entre os temíveis avanços das últimas conquistas do progresso. Neste caso mais especificamente, uma das alegações maiores é a possibilidade da perda da privacidade uma vez que ao trafegarmos pela internet deixamos rastros e estaremos vulneráveis a ataques em nossa privacidade por pessoas voltadas somente para a prática do mal.

Não vemos razão a justificar esta postura reticente e reacionária. Se passarmos com acuidade os olhos na história, veremos que o período mais sombrio que a humanidade atravessou foi justamente o período em que as forças organizadas da sociedade, em especial o sectarismo religioso, se opunha à ciência e às novas descobertas do conhecimento científico.

O Espiritismo em sua mensagem racional e motivadora não dá azo a este tipo de postura reacionária. Muito ao contrário ele veio para nos mostrar claramente que não devemos temer o progresso. Somos todos espíritos imortais e fomos criados em igualdade de condições, portanto com as mesmas oportunidades, mas só atingiremos o ponto culminante da nossa jornada evolutiva - a perfeição e a felicidade completa - através de muito trabalho o qual nos proporcionará o progresso material e o conhecimento intelectual. Não devemos também esquecer que uma das maiores dádivas a nós outorgada pelo Criador foi o livre-arbítrio, portanto cabe a nós enfrentar com sabedoria as dificuldades que se nos apresenta no caminho. Outro aspecto importante e relevante nesta questão é a consciência que devemos ter da infalibilidade da Lei de Causa e Efeito que se encarregará de corrigir os desvios que venhamos a cometer no uso do nosso livre-arbítrio. Nisto está refletida a justiça de Deus de acordo com a máxima do "a cada um segundo as suas obras".

Em O Livro dos Espíritos, no capítulo referente ao tema Da Lei do Progresso, Allan Kardec perguntou aos espíritos na Questão 780, a) o seguinte: Como pode o progresso intelectual engendrar o progresso moral?

E a resposta dos espíritos foi a seguinte: "Fazendo compreensíveis o bem e o mal. O homem, desde então, pode escolher. O desenvolvimento do livre-arbítrio acompanha o da inteligência e aumenta a responsabilidade dos atos."

Deste modo, podemos depreender que a marcha do progresso tem o seu curso natural não obstante a resistência que alguns possam oferecer. Está patente também que à medida que o progresso avança as nossas responsabilidades aumentam, uma vez que temos maior capacidade de distinguir entre o bem e o mal. Deste modo, chegamos a conclusão que temer o progresso seria o mesmo que temer a morte já que ambos são inevitáveis. O que devemos ter em mente constantemente é saber qual é a parcela de responsabilidade que cabe a cada um de nós individualmente, a medida que a marcha do progresso coloca à nossa disposição as ferramentas que são possíveis de serem usadas e este uso vir a afetar a vida dos nossos semelhantes. Essas ferramentas em si não são um mal, mas o uso que faremos delas é o que determinará os resultados.

A internet é sem sombra de dúvidas uma dessas descobertas que poderá ser usada, o que já vem ocorrendo em grande escala, como uma potente ferramenta a serviço do bem e do progresso moral da humanidade, tendo em vista a sua quase ilimitada capacidade de penetração em todas as camadas sociais e a velocidade com que nela trafegam as informações que nos dispusermos a passar adiante. Os resultados serão cada vez maiores e promissores à medida que todos aqueles que já entenderam que o progresso gera responsabilidade, se unam em torno de projetos cujos resultados tragam verdadeiros benefícios aos seus semelhantes no tocante ao aprimoramento moral de cada um.

A experiência do GEAE ao longo desses quase doze anos de existência unindo pessoas de várias partes do mundo e estimulando-as ao estudo fraterno da Doutrina Espírita, uma doutrina que tem como escopo ajudar o ser humano em sua marcha evolutiva, nos dá a certeza de que não devemos termer o progresso, mas sim nos dar as mãos e trabalharmos unidos na tarefa de promover o bem através do uso das ferramentas que o progresso coloca ao nosso alcance.

Muita Paz, Antonio Leite

(Publicado no Boletim GEAE Número 474 de 27 de abril de 2004)