O Que a Genética e a Astrologia tem em Comum?

Ademir L. Xavier Jr.

Resumo

Ainda que distantes em importância na sociedade moderna, algumas extrapolações de pensamento por detrás das modernas pesquisas genéticas e da velha astrologia têm muito em comum. Fazemos aqui uma comparação entre essas diferentes disciplinas e analisamos tais características comuns segundo a visão espírita, apontando a causa dessa situação[1].

1.Introdução

É muito comum encontrarmos hoje em dia discussões sobre as questões da consciência, sobre como a mente se estabelece e opera. Esse renovado debate (encontradas em respeitadas revistas de divulgação científica) reflete o grau crescente de interesse de alguns ramos do conhecimento científico com relação às questões do espírito. O ponto de vista subjacente que orienta as discussões ainda é materialista, apoiado principalmente por um grande contingente de biologistas (evolucionistas, fisiologistas, zoólogos, geneticistas etc). A crença geral desses grupos sustenta que a mente humana – e, como conseqüência toda individualidade humana – é o resultado de interações e conexões de entidades moleculares componentes da parte material, visível ou mensurável pelas técnicas de diagnóstico moderno, o cérebro. Não discutiremos aqui as difíceis propostas de modificação dessa concepção materialista, que têm sido levantadas mesmo dentro de círculos acadêmicos[2]. Tomemos apenas a idéia materialista descrita acima e analisemos suas conseqüências para o homem, dentro do âmbito de algumas especulações a partir de partes da biologia, em particular a que trata dos mecanismos de perpetuação das espécies.

Esse posicionamento adquire grande interesse popular diante das aventadas extrapolações e implicações da genética. Através de seus princípios, a genética teve grande importância no esclarecimento dos mecanismos de aparecimento e desenvolvimento das espécies, fatos que não estavam tão claros na obra revolucionária de Charles Darwin de 1859, “Sobre a origem das espécies por meio da evolução natural”. Na verdade a comunidade científica da época dobrou-se às evidências práticas fornecidas por Darwin a favor da seleção natural que ele conseguiu junto à paleontologia e a biogeografia. Em contrapartida, o desenvolvimento posterior da teoria de Darwin dinamizada pela genética deu origem a diversas especulações em torno da natureza do homem (e das espécies humanas), de seu mecanismo de desenvolvimento e até mesmo de suas conseqüências éticas. Nasceu a idéia de que os genes (entidades no limite entre o muito pequeno e o atômico) seriam responsáveis não só pelos caracteres morfológicos de um ser vivo – que é princípio na genética – mas também de toda sua bagagem comportamental. Aplicada ao homem, essa forma radical de interpretação genética adquiriu enorme força na forma da “sociobiologia” ou “darwinismo social”. Foram lançados então os fundamentos para o desenvolvimento de um doutrina dentro das disciplinas consideradas científicas, que seria capaz de explicar completamente o indivíduo. A base de tal proposta seria a lei de perpetuação de um determinado gene como determinante de uma certa característica – seja morfológica ou comportamental mas principalmente esta última quando trouxesse vantagens claramente desejáveis a toda espécie. A perpetuação do gene favoreceria diretamente a perpetuação da própria espécie. Como corolário desse princípio (que é válido para os caracteres morfológicos), seria possível alterar o comportamento dos indivíduos pela manipulação genética. Em seus fundamentos, a sociobiologia admite explicitamente que os genes contêm todo o código que descreve o indivíduo, mesmo em sua mais íntima psicologia, a saber: sobre como ele se posiciona diante de determinadas circunstâncias, de suas tendências inatas (inteligência, afetividade, relacionamento social), de seus gostos pessoais etc. É bastante óbvio ao leitor que tal doutrina está em franco desacordo com o Espiritismo. Reduzido a sua última expressão, para os sociobiólogos, o homem seria apenas um repositório para a sobrevivência dos genes que carregariam para a eternidade nossos sentimentos e modos de ser.

A sociobiologia está por detrás de uma ampla gama de debates recentes em torno das questões éticas relacionadas à genética. Tomemos também como exemplo, o ápice de algumas extrapolações que estão na raiz da sociobiologia tal como a doutrina da eugenia fundada por Francis Galton. Segundo ela seria possível ao Estado gerar uma elite genética pelo controle rigoroso da reprodução humana favorecendo a perpetuação dos indivíduos desejáveis (na verdade caracteres de comportamento desejáveis) e eliminando os indesejáveis. Sabemos que alguns Estados totalitários do século XX chegaram a flertar com a eugenia como programa de desenvolvimento social com trágicas conseqüências.

Nosso objetivo aqui é chamar a atenção para os fundamentos que diferenciam a posição espírita das especulações advindas principalmente da genética. O principal fundamento que colide diretamente com essas recentes propostas é a noção de livre-arbítrio, facilmente reconhecida mesmo entre outras doutrinas espiritualistas. Não será difícil ao leitor nesse ponto reconhecer de imediato que as duas disciplinas enunciadas no título desse texto depõem contra essa noção. Além disso, esses fundamentos se somam a observações mais acuradas a partir de pesquisas biológicas recentes que atingem seriamente o darwinismo social como uma ciência. Para conhecimento dessas críticas, o leitor deve consultar “Os herdeiros de Darwin” por Marcel Blanc (1).

2. Um paralelo

Chamamos mais uma vez a atenção ao fato de que não estamos a criticar a genética como ciência bem estabelecida, mas sim muitas interpretações nascidas de extrapolações de estudos genéticos. Assim, a “genética” do título deste texto refere-se propriamente a tais interpretações que, como vimos, tomaram a forma seja da sociobiologia ou da eugenia. Para motivar nosso estudo, vamos construir um paralelo que se apresenta à mente moderna diante das propostas de descrição da personalidade humana pelos estudos genéticos. Tal paralelo é bastante motivador dentro do contexto da história e filosofia da ciência, pois revela aspectos correlatos entre diferentes doutrinas científicas aparentemente distantes entre si no tempo.

O que de fato pode haver em comum entre tais propostas e as velhas proposições astrológicas? No passado, o estudo da posição e movimento dos corpos celestes, a seu turno, desempenhou um papel fundamental na predisposição e destino de tudo o que ocorria na Terra. Em seus estudos, os astrólogos descobriram fenômenos celestes de grande importância. Aprenderam como antecipar em anos os eclipses solares a lunares e contribuíram para o desenvolvimento dos calendários, aumentando assim a riqueza de suas sociedades pela introdução de um rigoroso controle de tempo na agricultura. Não se tem dúvida de que a astronomia (considerada uma das mães da filosofia natural e, portanto, de toda ciência moderna) nasceu a partir de antigos estudos de natureza astrológica.

Vejamos agora o caso da genética que se inicia com os estudos de Mendel no século XIX. Constituindo um dos campos mais avançados de pesquisa na atualidade (no que diz respeito à aplicação de técnicas de pesquisa empírica e a julgar pelas enormes fortunas que os governos têm gasto em seu desenvolvimento), a genética tem sido responsável por uma enorme variedade de contribuições práticas em biologia, medicina, veterinária, agricultura etc. Em seus estudos os geneticistas têm desvendado o mecanismo oculto dos genes, tornando possível a cura de muitas doenças e a produção de substâncias que melhoram consideravelmente o desempenho fisiológico de muitos seres vivos. Ao mesmo tempo, a genética projeta sistemas biológicos nunca imaginados anteriormente. Digamos que, de uma perspectiva histórica, as modernas descobertas práticas da genética não devem em nada àquelas derivadas da astrologia.

Entretanto, a astrologia não foi praticada apenas de olho em possíveis aplicações práticas. Seu objetivo primordial era a revelação de fatos desconhecidos, o futuro das pessoas. Seu princípio básico[3] era o de que uma pessoa nasce sob o signo de uma determinada “estrela”. Especificamente, o futuro de um indivíduo estaria de certa forma ligado à posição dos planetas no zodíaco[4]. Essa idéia assume de uma forma explícita que a individualidade do ser humano (suas tendências, sentimentos etc) está fixado pelos planetas no momento de seu nascimento. Implicitamente isso representa uma limitação ao livre-arbítrio do homem, já que este não está tão livre no momento da tomada de decisões, ou seja, alguma coisa, além de si próprio intervém tornando possível uma escolha em detrimento de outra. Ainda que se possa dizer no contexto moderno que os astros não influenciam diretamente uma determinada decisão particular, eles certamente fazem parte da imagem final do ser humano por terem moldado suas predisposições. Fundamentalmente isso contrasta abertamente com a tese espiritualista do ser que tem todos seu comportamento resultante de propriedades de sua essência última, o seu Espírito.

Substituamos agora “posição dos planetas” por “arranjos especiais dos genes” e teremos quase que a mesma coisa nas modernas interpretações do papel dos genes no comportamento humano. A predisposição celeste foi apenas substituída pela molecular, possivelmente quanto-mecânica em natureza[5], ainda que por meio de obscuras interrelações. Assim, tanto de acordo com a velha astrologia como por algumas interpretações da natureza humana nos estudos da moderna genética, no que diz respeito à individualidade humana e quanto ela pode ser fixada em seu destino, fomos inexoravelmente pré-programados desde a hora de nosso nascimento. A comparação se estende até no momento de se evitar este ou aquele comportamento: enquanto a astrologia pode sugerir a programação baseada na hora do nascimento – segundo a posição dos planetas no céu – na impossibilidade de se alterar essa posição, as extrapolações baseadas na genética sugerem a modificação no conteúdo hereditário das células mães em um esforço para alterar o comportamento. Ambas doutrinas também conferem ao ambiente um papel modelador importante, podendo alterar consideravelmente o script pré-programado.

Em um referencial histórico mais amplo as semelhanças são igualmente compreensíveis. No passado, a astrologia inseria-se no contexto de doutrinas religiosas politeístas. Tendo a ciência tomado o lugar da religião na sociedade moderna, é natural que as perspectivas genéticas modernas do ser humano tomassem o lugar das velhas doutrinas astrológicas que tinham igualmente algo a dizer sobre o destino e a razão de agir dos indivíduos. Não se pode porém confundir uma diferença: a de que, enquanto a astrologia tinha como objetivo fundamental prever o futuro – tanto no que dizia respeito a acontecimentos terrenos e seus principais atores, os seres humanos, a sociobiologia que discutimos aqui é uma extrapolação de conclusões específicas e restritas de um ramo da biologia, a genética, cujo principal objetivo é compreender melhor o mecanismo temporais de geração, perpetuação e morfologia dos seres vivos. Um quadro geral comparando essas duas visões pode ser visto abaixo.

Origem histórica Extrapolações de estudos em genética aplicada Tradições antigas. Crença no destino traçado pelos deuses.
Fundamentos A personalidade é função de sua bagagem genética. A personalidade é função do signo astrológico.
Mecanismos Genes e herança. O ambiente tem papel importante. Posição dos planetas no momento do nascimento. O ambiente tem papel importante.
Prescrição corretiva A personalidade pode ser programada geneticamente pela alteração nas células mães. A personalidade pode ser programada pelo instante do nascimento.
Conseqüências O destino da criatura é moldado independentemente dela. O destino da criatura é moldado independentemente dela.

3. A visão espírita

Não é consolador e belo poder dizer: sou uma inteligência e uma vontade livre; a mim

mesmo me fiz, inconscientemente, através das idades; edifiquei lentamente minha

individualidade e liberdade, e agora conheço a grandeza e a força que há em mim.

Leon Denis (Ref. 2, página 219)

Algumas idéias expostas acima como parte integrante do darwinismo social aplicada à natureza humana parecem fortemente limitar uma das mais misteriosas propriedades do ser humano: o livre-arbítrio. Podemos descrever o livre-arbítrio como a capacidade do ser decidir entre duas alternativas ou entre um conjunto de opções por uma introspecção interna. O livre arbítrio prende-se logicamente a razão de ser da personalidade humana, diz-se que a criatura humana age de acordo com suas pendências pessoais, e toma a decisão segundo seus interesses e inclinações quando o livre-arbítrio tem papel preponderante. Para nós, Espíritos encarnados, estamos absolutamente convencidos de que nada externo a nós influencia tal escolha, não estamos “pré-programados” ou somos controlados “remotamente” para decidir entre isso e aquilo.

Do ponto de vista espírita, assim, as semelhanças entre as extrapolações genéticas e a astrologia também têm sua razão de ser. Elas provêm de uma compreensão parcial da natureza humana. Os Espíritos foram bastante claros quanto à inexistência de scripts pré-programados determinando a personalidade humana. Na Parte 2 do Capítulo 1 de “O Livro dos Espíritos” (3), Kardec dirige-se aos Espíritos nos termos:

  1. Por que é que alguns Espíritos seguiram o caminho do bem e outros do mal?
    Não têm eles o livre-arbítrio? Deus não os criou maus; criou-os simples e ignorantes, isto é, tendo tanta aptidão para o bem quanto para o mal. Os que são maus, assim se tornam por vontade própria.”

A resposta dada contém em si um princípio. Os Espíritos são dotados de uma capacidade própria (como no caso da inteligência), o de julgarem as coisas livremente. Compreende-se que se não fosse assim, Deus certamente seria o responsável pela escolha “errada” e portanto todo o mal que parece se originar dessa escolha. Em outras palavras, sem o livre-arbítrio os Espíritos não passariam de meros autômatas previamente programados. A resposta, como de costume, parece não ter sido suficiente a Kardec. Ele volta ao ponto da escolha entre as duas opções possíveis com a questão 122.

  1. Como podem os Espíritos, em sua origem, quando ainda não têm consciência de si mesmos, gozar da liberdade de escolha entre o bem e o mal? Há neles algum princípio, qualquer tendência que os encaminhe para uma senda de preferência a outra?
    O livre-arbítrio se desenvolve à medida que o Espírito adquire a consciência de si mesmo. Já não haveria liberdade, desde que a escolha fosse determinada por uma causa independente da vontade do Espírito. A causa não está nele, está fora dele, nas influências a que cede em virtude de sua livre vontade. É o que contém a grande figura emblemática da queda do homem e do pecado original; uns cederam à tentação, outros resistiram.”

As influências a que cede em virtude de sua livre vontade” constituem todas as influências externas ao Espírito que atuam durante sua vida espiritual e que lhe são impostas a fim de que consiga progredir. A decisão de qual caminho tomar diante de tais influências pertence somente ao Espírito, durante sua jornada evolutiva. Por tais fatores externos compreendemos não somente os inumeráveis fatos que o Espírito encontra na encarnação[6] (prazeres fictícios, pessoas as quais ele tem afeto ou não, circunstâncias felizes ou de desgraça), mas também todas as condições especiais criadas pelo corpo físico no período da reencarnação.Assim, o papel da hereditariedade não é definir o comportamento humano (com exclusão do livre-arbítrio que seria função dessa programação), mas sim libertar ou limitar as capacidades já adquiridas pelo Espírito por meio de arranjos especiais ou vínculos físicos no corpo material, entendido como uma ferramenta de trabalho desse Espírito.

Considerações mais específicas ao assunto que aqui tratamos são tecidas nas questões 845 e 846. Destacamos a primeira:

  1. Não constituem obstáculos ao exercício do livre-arbítrio as predisposições instintivas que o homem já traz consigo ao nascer?
    "As predisposições instintivas são as do Espírito antes de reencarnar.Conforme seja este mais ou menos adiantado, elas podem arrastá-lo à prática de atos repreensíveis, no que será secundado pelos Espíritos que simpatizam com essas disposições. Não há, porém, arrastamento irresistível, uma vez que se tenha a vontade de resistir. Lembrai-vos de que querer é poder. (361)

No final da resposta, há uma referência direta à questão 361 onde os Espíritos reafirmam que as qualidades morais que caracterizam a índole ser humano têm origem em seu Espírito. Poder-se-ia argumentar que as predisposições instintivas fossem determinadas geneticamente ou, no caso da astrologia, pela posição dos astros no firmamento. A Doutrina Espírita abertamente faz a asserção de que as predisposições instintivas são patrimônio do Espírito, a bagagem ou herança espiritual criada e carregada por ele mesmo através dos séculos. Isso porque a lei moral que regula a distribuição eqüitativa da justiça só é um conceito válido se o Espírito for o único responsável por seu sucesso ou fracasso. Tal é o conteúdo de perfectibilidade da lei assentando sobre um princípio que se liga diretamente à origem do Espírito e a sua mais íntima natureza. Essa conclusão magistralmente integrada ao conteúdo de princípios da Doutrina Espírita é a única capaz de explicar o ser humano ou de ao menos trazer a sensação consoladora de que não somos joguetes da sorte. Para os abusos de interpretação oriundos da genética ou da astrologia, o ser humano é uma criatura incompleta, inconsistente em si mesmo porque para vir a ser necessita do jogo aleatório seja das disposições genéticas ou da posição dos astros.

Entretanto, já comentamos sobre a influência da matéria. Esta é naturalmente função do grau de adiantamento do Espírito, tanto intelectual como moral. Essa influência foi inúmeras vezes reafirmada pelos Espíritos, podendo ser encontrada em diversas respostas do “Livro dos Espíritos”. Nos estágios iniciais de evolução é natural que os Espíritos estejam fortemente sujeitos aos ditames da matéria. A matéria não determina a decisão do Espírito, mas atua vigorosamente como vínculos que o incitam a uma ou outra direção. À medida que o Espírito evolui, os laços materiais tornam-se mais fracos, liberando-o cada vez mais para decisões independentes ou para a manifestação de capacidades em desacordo com os arranjos materiais ou leis naturais. Alguns exemplos práticos dessa liberdade relativa da matéria podem ser encontradas mesmo em nossa sociedade:

I – A liberdade de escolha de seres humanos em ter ou não filhos. Como se sabe, a reprodução é uma lei natural através da qual os genes são transmitidos a futuras gerações de uma certa espécie por meio de um processo que é o próprio núcleo da evolução natural. Se não há reprodução dentro da espécie, esta inexoravelmente morre, tanto fisicamente como para a Natureza como um todo, já que seu conteúdo hereditário deixa de existir. Os seres humanos, que são Espíritos encarnados, podem surpreendentemente “refutar” essa lei biológica e decidir por não se reproduzir. Se admitirmos que os animais e os humanos guardam origem e natureza comuns (são seres encarnados em diferentes graus da escala evolutiva), tal escolha bizarra só pode ser compreendida dentro da relativa liberdade espiritual adquirida pelo Espírito com essa evolução. Naturalmente devemos diferenciar aqui a decisão de não se reproduzir tomada como uma opção de vida onde o sexo ainda é ingrediente corrente daquela inerente ao próprio Espírito na abstinência sexual a que se dedica, as vezes durante toda a vida, por ter atingido uma relativa independência das necessidades sexuais. No caso desse seres, cuja quantidade em nossa sociedade é muito maior do que se pensa, existe uma clara libertação de uma lei que continua a valer para o imenso contingente de encarnados.

II – Os inumeráveis e não ortodoxos comportamentos sexuais humanos. Entendemos que homossexualismo, bisexualismo e transsexualismo são fenômenos que surgem naturalmente, no sentido exposto acima, da liberdade adquirida pelo Espírito dos laços e leis materiais ou da força de seus instintos internos – originados em sua própria natureza espiritual – que refutam a escolha biológica herdada. Muitas teorias têm sido desenvolvidas para explicar tais comportamentos, partindo-se de diferentes hipóteses. Algumas delas tendem a enfatizar a “bagagem hereditária”, enquanto que outras o ambiente. Nenhuma explicação adequada e convergente tem sido encontrada. O ponto crucial parece ser a falta de uma imagem coerente do ser humano, que pode ser plenamente encontrada através da aplicação dos princípios espíritas. De fato, a reencarnação é o ponto de partida para se compreender muitos desses fenômenos, sendo o transsexualismo apenas um dos exemplos notáveis.

As aparentes similaridades entre a astrologia e a genética (tanto quanto podemos inferir do conhecimento comum dessas disciplinas) estão conclusivamente estabelecidas sobre uma visão parcial da natureza humana. Embora sejam consideradas muito diferentemente pela sociedade moderna, tanto uma como a outra limitam, de certa forma, o livre-arbítrio humano, que sofre a interferência de fatores externos no momento do nascimento. Os Espíritos, entretanto, deixaram claro que não existe uma programação de comportamento, antes, o Espírito é livre para tomar as decisões que julgar conveniente. Para isso, o Espírito utiliza os recursos materiais colocados a sua disposição, sendo ele o responsável pela escolha correta ou errada, se caiu sob esse ou aquele arrastamento.À medida que o Espírito progride, torna-se menos vulnerável à influência material, porque já demonstrou em si mesmo que está livre.

Há ainda a questão da escolha dos fatores materiais, que são mais ou menos estabelecidos no momento da reencarnação. Para a Doutrina Espírita, mesmo nesse instante, não existe propriamente uma “imposição externa”, mormente se o Espírito já desfruta de um certo nível evolutivo. No início de sua jornada, é razoável admitir que o Plano Maior se responsabilize pelo estabelecimento dos recursos materiais apropriados ao ser ainda em estágio embrionário, nascido “simples e ignorante”. Assim sendo, podemos dizer que a origem de todas as disposições externas durante a existência material do Espírito está fundamentalmente estabelecida nele mesmo.

Acrescentamos além disso que, mesmo se houver espaço para o livre-arbítrio dentro de certas doutrinas não espíritas (como é o caso da astrologia e do darwinismo social ou sociobiologia) este sofre injustamente com a ação de fatores externos que não têm nenhuma relação, ainda que indiretamente, com o próprio Espírito. De certa forma, isso responde a possíveis questionamentos da astrologia e da genética aplicada ao comportamento quanto a minhas colocações anteriores sobre o livre-arbítrio nos seres e sua não determinação absoluta (determinismo comportamental fraco) pelos mecanismos externos propostos por essas disciplinas. Em resumo, para o Espiritismo, o Espírito é o artífice do seu destino – através da simbiose entre ação e reação ligadas aos seus atos – enquanto que para outras disciplinas o destino é alterado por mecanismos alheios à vontade do ser. Para completar, lembramos que no caso das religiões cristãs mais antigas – seja o Catolicismo ou Protestantismo – a alma é criada por Deus no instante do nascimento. Como ela não existe anteriormente a esse evento, todas as suas predisposições naturais só podem ter origem naquele que as criou. Assim, Deus é o grande responsável por seu destino. Nesse caso extremado de determinismo comportamental, que valor pode ter o livre-arbítrio?

Agradecimentos

Gostaria de agradecer ao Andrei Melnikov por importantes discussões na conclusão deste texto.

Referências

(1) Marcel Blanc. “Os herdeiros de Darwin”. 1 Ed. pela Editora Página Aberta (1994).

(2) Leon Denis. “O problema do ser, do destino e da dor”. 16a Ed. pela Federação Espírita Brasileira.

(3) Allan Kardec, “O Livro dos Espíritos”. Tradução de Guillon Ribeiro, 71a Ed. pela Federação Espírita Brasileira (Rio de Janeiro).

Notas do GEAE

[1] Este texto é uma versão estendida em português do texto “What do astrology and genetics have in common? ”, publicado no boletim eletrônico “The Spiritist Messenger”, N 13 do GEAE.

[2] Considere o leitor o aparecimento de recentes especulações envolvendo conceitos de mecânica quântica e física estatística de sistemas fora do equilíbrio.

[3] Talvez fundamentado em antiqüíssimas tradições religiosas.

[4] O zodíaco é a região da esfera celeste por onde passa o sol em seu movimento relativo ao longo do ano. Contém as chamadas 12 “constelações zodiacais”. Do ponto de vista da astronomia moderna estas seriam na verdade 13, o “Ofíuco” ou serpentário não é considerado na tradição astrológica ocidental.

[5] Note ainda o leitor que, tanto quanto se pode compreender dos fundamentos da genética, essa determinação obedece a leis “cegas” sendo obras do acaso.

[6] Não podemos nos esquecer ainda das influências espirituais, já que os Espíritos influenciam-se uns aos outros incessantemente. A respeito disso ver as sub-questões complementares a 122.

(Publicado no Boletim GEAE Número 448 de 28 de janeiro de 2003 )