Um carnaval inesquecível

Luiz Carlos D. Formiga

Este texto foi originalmente publicado no "Jornal Espírita" (SP), Ano XVIII (numero 212): pág. 5, Abril de 1993 e gentilmente cedido pelo autor para publicação no GEAE.

Palavras chaves: Aids, sexo seguro, tóxicos.

Para muitas pessoas o carnaval será lembrado como o período em que infelizmente se contaminaram com o vírus da AIDS.

Embora compreendamos que o preservativo de borracha, de boa qualidade usado corretamente, seja extremamente útil nos dias que correm, acreditamos por outro lado que "sexo seguro" e coisa que se aprende na infância.

As pesquisas sobre o comportamento sexual do jovem brasileiro demonstram alguns paradoxos: 72% das mocas e 82% dos rapazes dizem que o homem deve ter experiências sexuais antes de se casar, no entanto, 47% dos homens e 41% das mulheres acham importante a mulher chegar virgem ao casamento. Paradoxal o homem estimular seu filho a pratica sexual precoce morrendo de medo que a filha possa perder a virgindade. Afinal de contas, para que um filho seja iniciado a filha de alguém tem que estar disponível!

Mervyn Silverman, da "American Foundation for Aids Research" diz: "o principal problema do meu pais e que as autoridades se detém num debate inútil sobre a quem se deve instruir, a moralidade americana ainda não permite que se fale abertamente de sexo nas escolas. No meu ponto de vista, e muito mais imoral uma criança ser contaminada por ignorância." Entre nos diz R. Calligaris: " Em matéria de sexo, e preferível uma informação correta um ano antes que cinco minutos depois."

Na Doutrina Espírita encontramos - "Será útil nos esforcemos por adquirir conhecimentos científicos que só digam respeito as coisas e as necessidades materiais?" "Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instrui-vos, eis o segundo."

O desastre mundial que vem sendo a pandemia de Aids e os dados da Organização Mundial de Saúde nos fazem perder o sono.

Dos casos registrados 50% pertencem a pacientes com menos de 25 anos de idade, que provavelmente se contaminaram com o vírus entre 15 e 19 anos.

Temos participado de discussões com jovens e com a técnica das questões escritas, anônimas e depositadas numa urna, os temos estimulado a perguntar o que "de cara limpa" talvez não o fizessem.

As questões mais freqüentes se prendem a masturbação, homossexualidade, sexo seguro, sexo na adolescência, uso de drogas socialmente aceitas, etc.

Uma dessas questões me fez escrever este artigo, que e uma síntese da discussão que tivemos com nossos quatro filhos (faixa de 12-21 anos) e que serão os responsáveis pelos erros de revisão.

"O senhor não acha que seria licito um relacionamento sexual com meu namorado antes do casamento? O casamento e apenas uma convenção, para que serve esse papel? Nós nos amamos e nosso namoro já tem cinco anos."

Gostaria que o leitor parasse nesse momento e abusasse da empatia.

Respondi que era uma questão de direito, de opção.

Através do anonimato e da urna o bilhete volta perguntando se é certo ou errado.

Comentei que de nada adiantaria responder, porque se eu dissesse o que ela esperava ouvir ficaria apenas reforçada nas suas convicções, mas não teria na realidade resolvido a questão. Porem, se eu o fizesse de forma diferente ela racionalizaria e concluiria que eu estava apenas reforçando os mecanismos de repressão.

Não fomos bom didata ou as pessoas parecem escutar somente aquilo que querem ouvir. As questões surgiram apos os comentários que se seguem, com o auxilio do retroprojetor.

As relações interpessoais acontecem num terreno permeado pelas emoções. Relações sexuais podem passar pelo estresse ou ate mesmo pela depressão.

Acontece que estressados e/ou deprimidos são pessoas que tem alterações biológicas decorrentes destes estados, o que e hoje muito bem documentado.

Em estressados ha perda do sono com conseqüente déficit na capacidade de síntese molecular cerebral, o que ocasionara dificuldade de memória. Neles também são observados o aumento da freqüência do Herpes simples, infecção ocasionada pela citopatogenicidade cutânea focal de um vírus dermotrópico, e ainda a diarréia nervosa (cólon irritável).

Esses dados acima podem ser observados em revistas como Folha Medica, volumes 102 e 103 de 1991, Diseases of the Nervous Systems, 22: 1971, British Journal of Psychiatry, 124: 1974, Journal of Clinical Psychiatry, 39: 1978.

Pode-se ainda encontrar aumento de infecções respiratórias e efeitos adversos sobre o sistema imune humoral e celular, baixos níveis de linfócitos matadores e Interleucina II, imunossupressão ligada a doenças malignas e auto-imunes.

Estes podem ser encontrados no Lancet, 1: 1400, 1983; Psychosomatic Medicine, 48:, 1986; Journal of the American Medical Association, 250:, 1983; Journal of Behavioural Medicine, 8:,1985; Arch. of General Psychiatry, 41:, 1984 e Psychological Medicine, 17: 1987.

A Revista Brasileira de Clinica e Terapêutica, volume 20, 1991 nos informa que a tensão permanente leva a baixa da testosterona sanguínea com conseqüente desinteresse sexual.

O estresse produz tensão interna que em se tornando crônica diminui a irrigação sangüínea do pênis (descarga de adrenalina e contração dos corpos cavernosos). Nesta situação há ereção frágil e diminuição do desejo sexual, provavelmente por redução de estímulos hipotalamicos as glândulas sexuais.

A adrenalina e hormônio que aparece em situações de medo, incluindo-se o medo de não ter ereção. Os sexólogos descrevem a "ansiedade de desempenho", que pode surgir na "lua de mel".

Desta forma concluímos que a ereção e um ato de relaxamento, só sendo possível em situações em que se esteja confortável e a vontade. Cem homens fracassariam neste intento diante da famosa "roleta russa".

A revelação espírita (André Luiz), no livro Missionários da Luz parece anteceder-se a revelação cientifica, ao afirmar já em 1945 que a glândula pineal era responsável pela segregação de unidades forcas que controlam as glândulas sexuais (cromossomas da bolsa seminal e do ovário).

Frenadora da sexualidade na infância, acordando essas forcas criadoras na puberdade e na adolescência, ao acentuar o seu funcionamento, faz a recapitulação da sexualidade. Desta forma sob fortes impulsos, paixões vividas em outras vidas reaparecem de forma inconsciente no reencarnante.

Diz André Luiz que a pequenina possui ascendência sobre todo sistema endócrino, preside os fenômenos nervosos da emotividade, e a glândula da vida mental, um verdadeiro laboratório de elementos psíquicos. 

Na década seguinte este componente do Diencéfalo, com calcificação radiologicamente observável, era responsabilizada por pesquisadores nos E.E.U.U. pela produção de um hormônio (melatonina). 

Pesquisas posteriores, nas décadas de 60-70 permitiram afirmações como "e um tradutor neuro-endocrino"; "receptora de impulsos químicos (norepinefrina) de seus nervos simpáticos, responde secretando methoxindois (prototipo-melatonina). 

"Através do hipotálamo e centro da homeostase geral" e "seus extratos possuem ação benéfica em esquizofrênicos." 

Posteriormente conclui-se que "o hipotálamo e o centro das emoções". André Luiz em 1945 asseverava: " e a pineal quem preside os fenômenos nervosos da emotividade." 

A sexualidade pode passar pelo estresse, pela depressão, carência afetiva e também pelas doenças sexualmente transmissíveis (DST). Mas como entender a Sexualidade? 

A Revista Pediatria Moderna, no seu volume 26 de 1991, nos fala de "Sexualidade entendida num contexto amplo, não só genitalizado, não necessariamente ligado a reprodução, mas como toda forma de expressão de energia vital, considerando o individuo como um todo (biopsicossocial)". 

A Revista Brasileira de Clinica e Terapêutica nos amplia o enfoque quando diz que a sexualidade esta " intimamente ligada a questão do crescimento pessoal, auto-estima e a formação de saudáveis vínculos afetivos e amorosos." 

Energia criadora que não e só agente de reprodução... mas e reconstituinte das forcas espirituais pelo qual as criaturas encarnadas ou desencarnadas se alimentam mutuamente, na permuta de raios magnéticos, que lhe são necessários ao progresso (vide André Luiz, Evolução em Dois Mundos, cap. XVIII). 

O Psiquiatra, na Rev.Bras,Clin.Terap, 20: 1991, explica que "O despertar ou a explosão sexual na adolescência e impulsivo e com estado psicológico instável. Apresenta traços depressivos devido a forte carência afetiva que se tenta resolver através da relação sexual." 

Em seguida afirma que "os jovens que se sentiram órfãos de pais vivos, ansiosos, convivendo com inseguranças e sentimentos de rejeição, buscam o sexo como forma de auto-afirmação e alivio dessas incertezas ou carências." 

O comentário pode ser estendido aqueles que com cabelos brancos, ainda são " adolescentes". 

"com facilidade o sexo pode se tornar uma ponte para o contato humano que falta, numa espécie de troca de sexo por companhia, que feche o vazio da solidão." Jornal Brasileiro de Medicina, 53:, 1987. 

"O sexo praticado as escondidas obscurece a experiência, porque gera duvidas excessivas e sentimento de culpa". Dizem os Pediatras que "a forma de minimizar isso e informar os jovens sobre as funções fisiológicas e psicológicas do sexo". 

Aqui a omissão dos pais pode levar a um maior numero de abortos, de gravidezes indesejadas e de experiências dramáticas, bloqueando a sexualidade na vida e gerando suas conseqüentes disfunções sexuais, tanto no homem como na mulher. 

O que sabem os jovens sobre a própria sexualidade e sobre as DST? 

Pesquisadores de São Paulo fizeram um levantamento para avaliar o grau de conhecimento sobre doenças sexualmente transmissíveis entre jovens. Constataram que apos 1970 as DST recrudesceram por causas diversas. Entre elas pode-se destacar o advento de novas formas de anticoncepção, o inicio da atividade sexual precoce, a atitude social menos repressiva em relação a liberação sexual, o uso de elementos eróticos na publicidade, nas artes e outros. 

Os Professores da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, apos entrevistas com jovens a partir de 12 anos, informam que 59,9% revelaram conhecer alguma DST. No entanto outras doenças, não sexualmente transmitidas, foram também citadas como: bronquite, gripe, câncer, malária, sarampo, caxumba, desidratação, Chagas, leucemia, pereba, amarelão, lepra, febre e gangrena. 

A pesquisa nos revelou dados extremamente preocupantes uma vez que os nomes das doenças eram grafados de forma errada e a maior fonte de informação por eles apontada foi a escola. 

Outros dados parecem oferecer fortes evidencias do despreparo dos nossos jovens. Recentemente discutimos (abril 1992), com universitários espíritas no Rio de Janeiro, questões sobre epidemiologia da AIDS que julgava estarem superadas. 

Os de Ribeirão Preto mostraram despreparo semelhante uma vez que foram encontradas respostas confusas e incoerentes ao lado de outras não condizentes com o modo de transmissão real das DST como: andar descalço, urinar contra o vento, assento de ônibus, piscina, água contaminada, uso de anticoncepcionais. 

Conversando com uma doutora em educação e questionando sobre campanhas pouco eficazes pela televisão ouvimos uma síntese que nos fez pensar. "Quem vende cerveja não sabe vender saúde." 

O trabalho em Educação-Saúde e de fundamental importância para que todos tomem conhecimento dos efeitos produzidos pelas DST e tornem-se multiplicadores da ação educativa junto aos grupos de referencia. 

Se a ignorância e encontrada no capitulo das DST o que devem saber os jovens e seus pais sobre a própria sexualidade? 

Em Pediatria Moderna os especialistas comentaram que "a vivencia do namoro leva ao erotismo e a sensualização, que são fontes de prazer; mas o jovem, quando se mostra seguro, esta consciente de que esse desejo de iniciar-se sexualmente PODE E DEVE SER ADIADO para uma situação futura, quando se sentir mais seguro e confortável no plano afetivo." 

Dizem ainda, os pediatras, que a condição básica, para que alguém ame sadiamente, e o auto-conhecimento, para que a relação amorosa envolva uma auto-realizacao e um esforço continuo para crescer (aperfeiçoar a sua realidade) e não uma fuga de problemas, ou uma exploração do afeto alheio para sentir segurança. 

O poeta escreveu que "quem não tem namorado e alguém que tirou ferias não remuneradas de si mesmo. Namorado e a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade e muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lagrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia." 

"Paquera, gabiru, flerte, caso, envolvimento, ate paixão, e fácil. Mas namorado mesmo, e muito difícil." 

"Quem não tem namorado não e quem não tem um amor: e quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento e dois amantes; mesmo assim pode não ter nenhum namorado." 

Concluem aqueles pediatras que "a possibilidade de relacionar-se de forma ampla sexualmente parece estar acima das possibilidades do adolescente, que ainda não se conhece e não se aceita no grau necessário para realizar este amor." 

E incomoda a afirmação que colhi em Femina, outubro de 1986, mas e muito adequada para essa hora. 

"De forma sistemática ou não, verbal ou não, consciente ou inconsciente, intencional ou não, todos somos responsáveis, quando transmitimos valores, atitudes, tabus, preconceitos e estereótipos." 

Em educação para sexualidade precisamos também tomar cuidado, com os demagogos, os aventureiros e os falsos moralistas. O futuro exigira uma reforma intelectual e moral. 

"Sem cultura moral não haverá saída para os homens", "a educação da alma e a alma da educação", surgira a "Aristocracia Intelecto-moral".(Einstein - André Luiz - Kardec).

(Publicado no Boletim GEAE Número 298 de 23 de junho de 1998)