A Fraternidade Branca

A Fraternidade Branca, Cósmica ou Universal é um conjunto de seres imateriais hierárquicos, encarnados ou desencarnados, e que interagem com as consciências humanas, também encarnadas ou desencarnadas. Com as encarnadas, isso ocorre quando elas entram em estados alterados de consciência (samadi, sartori, êxtase, instase e transe), do que provém luz para ajudar a humanidade nos seus momentos difíceis para a sua caminhada evolucional espiritual e moral. Estamos, pois, constantemente, recebendo energias benfazejas da Fraternidade Branca.

É como disse Hermes Trismegisto (Três Vezes Grande): “Assim como é em cima, assim é em baixo”. E uma das coisas importantes que há lá em cima e, também aqui em baixo, é a presença atuante das hierarquias da Fraternidade Branca em todo o universo. “Assim na Terra como nos Céus”, diz o Pai-Nosso. Aliás, o macrocosmo é o que é, porque o microcosmo é o que é, e o microcosmo é o que é, porque o macrocosmo é o que é. Existe uma interdependência contínua entre todos os seres. As galáxias existem, porque existem os átomos, e vice-versa. Os seres são todos contingentes, como o afirmou Santo Tomás de Aquino, para quem só Deus é incontingente. E corroboram essa tese os princípios da analogia dos seres, de Leonardo Da Vinci, da afinidade, de Paracelso, do sincronismo, de Jung, e da serialidade, da Física Moderna.

Na Igreja a Fraternidade Branca. é representada pela chamada Comunhão dos Santos, ou seja, a união e colaboração mútua entre os santos do mundo espiritual e nós que ainda estamos aqui na Terra. E os anjos (entre eles, espíritos humanos muito evoluídos, segundo Santo Agostinho) são como que ministros de Deus. Dada a exigüidade do espaço, citarei apenas um exemplo bíblico disso: “Aos seus anjos ordenará a teu respeito” (Mateus 4, 6).

É comum falarmos também em anjo da guarda, mestre, guia e mentor. Todos são entidades espirituais que nos assistem mais de perto nos percalços da nossa existência, estejamos nós e eles encarnados ou desencarnados.

Porém, São Paulo afirma: “Nossa luta não é contra a carne e o sangue, mas contra as potestades do mal”. De fato, se, por um lado, há as entidades espirituais iluminadas e bondosas da Fraternidade Branca, como os anjos, os mestres e os santos de todas as raças e religiões, existem também as entidades atrasadas e mesmo perversas, isto é, os espíritos impuros e obsessores do baixo astral, e que só nos querem fazer o mal. E essas entidades podem também estar aqui encarnadas entre nós. Daí tantas pessoas de uma maldade sem tamanho, por aí afora!

Na cultura judaico-cristã, a Fraternidade Branca é dirigida por São Miguel Arcanjo, protetor de todos nós na nossa luta contra as potestades do mal!

Autor do livro “A Face Oculta das Religiões” (Ed. Martin Claret), entre outros. E-mail: joséreischaves@cartadenoticias.com