Com 2000 anos de Cristianismo, Cristãos ainda não se entendem

José Reis Chaves

O Apóstolo Paulo afirmou que as heresias são necessárias. Certamente, com esta frase, ele tenha querido afirmar que, com elas, ensejava-se a oportunidade de se chegar à verdade, ou pelo menos, mais próximo dela, já que a verdade humana é sempre relativa, sendo absoluta só a divina.

Como as religiões estão sempre em evolução, já que acompanham o desenrolar de princípios filosófico-espirituais da Humanidade, quer sejam esses princípios revelados ou oriundos de autoridades ou lideres religiosos, é normal que sempre haja dissensões entre os seus adeptos, com uns buscando e aceitando o novo, enquanto que outros tentam manter o velho.

E isso se deve, principalmente, a uma série de fatores culturais, psicológicos, emocionais, ambientais, de época, e até de nível de inteligência de cada indivíduo. E o que costuma mais pesar na aceitação de uma nova idéia religiosa é o esvaziamento do ego, o desapego, a renúncia e a humildade.

Assim, sempre encontramos modos de pensar diferentes entre os seguidores de uma mesma religião, estando uns 10, 50, 100 e 1000 anos na frente de outros. E o que é heresia hoje, amanhã poderá ser ortodoxia.

O checo João Huss, por exemplo, um dos precursores da Reforma Protestante, foi excomungado pelo Papa Alexandre V, e morto na fogueira da Inquisição por ordem do Concílio de Constança, em 1414. E a causa de sua condenação foi a negação da Transubstanciação, ou seja, o Dogma da transformação da Hóstia e do Vinho Consagrados no Corpo e Sangue de Jesus, respectivamente, e a não aceitação de somente o padre oficiante da Missa poder participar da Comunhão com as duas Espécies: Pão e Vinho Consagrados.1

E, com efeito, hoje se permite que os católicos participem também da Comunhão com o Vinho Consagrado, ficando isso a critério do vigário de cada paróquia.

O que terá havido com essa mudança da Igreja? A resposta não seria simplesmente uma evolução ou amadurecimento da sua Cúpula, mas, principalmente, uma renúncia a seu ego que a levou a um gesto de humildade em reconhecer que a heresia de João Huss não era bem uma heresia, apesar de que essa falha significou a morde dele na fogueira! Sempre um dos maiores males de todas as religiões foram os seus exageros. E o Cristianismo não constitui uma exceção dessa regra. Pelo contrário, pelo fato de ele ter-se aliado ao poder civil - o que, geralmente, é uma tragédia para as religiões -, e justamente no seu período mais difícil, ou seja, o de sua formação, não deu outra: ele não só expôs, mas, também, impôs, a ferro e fogo, seus Dogmas, à proporção que os ia instituindo através dos Concílios Ecumênicos.

E, se por um lado, essa união do Cristianismo com o poder civil, mormente a partir do Século IV, quando era Imperador Romano Constantino, trouxe tantos problemas graves para a Cristandade, por outro, até foi alguma coisa de providencial para ela, pois, sem isso, provavelmente, o Cristianismo não se teria firmado, mas ter-se-ia destruído, e, conseqüentemente, não lograríamos a ventura de ver chegar até nós as maravilhas dos ensinamentos do nosso Grande Mestre.

Porém, em que pese esse lado positivo da união dos dois poderes, religioso e civil, as raízes do mal ficaram bem plantadas no seio do Cristianismo.

Dogmas foram instituídos, muitas das vezes, não tanto por meio da propalada inspiração divina, mas, em meio a exaltações e irritações humanas.

Exemplificando: O grande teólogo grego, Nestório, criador da heresia que se originou de seu nome, Nestorianismo, ao participar do Concílio de Éfeso, em 431, estava escoltado militarmente. 2

Bispos e padres, na verdade, mas seres humanos que erram como qualquer um de nós, além de serem menos cultos do que nós hoje, pois que viveram numa época bem mais atrasada do que a nossa, auto-proclamando-se infalíveis, passaram a empunhar a bandeira da verdade ou de só ensinarem a verdade.

E, às vezes, às pressas, e dominados pelas paixões e odiosas rivalidades entre os grupos de teólogos, imaginaram idéias teológicas, por vezes exóticas, outras vezes até estranhas aos Evangelhos do Nazareno, e transformaram-nas em Dogmas, o que quer dizer que todos os fiéis deveriam acatá-las, incondicionalmente, ou por bem ou por mal.

E esses Dogmas têm-se constituído, ao longo dos séculos, em fatores de grandes polêmicas entre os cristãos, quando não em fatores de divisão, e o pior, até de ateísmo para grande número de indivíduos ocidentais, embora a Igreja, muitas vezes, tenha agido assim de boa fé.

Se pensarmos na mentalidade da Humanidade do longínquo passado em que esses Dogmas foram proclamados, comparando-a com a de hoje, do Terceiro Milênio, nós vamos ver que elas são totalmente incompatíveis entre si.

Como exemplo, basta pensarmos na passividade com que o homem medieval via as pessoas morrerem na fogueira, e, simplesmente, porque essas vítimas pensavam diferente das massas ignaras e dos teólogos e autoridades da Igreja. E o pior, tudo isso em nome do Evangelho de Jesus, e em nome de Deus!

E, apesar de os Dogmas estarem caindo num esvaziamento muito grande entre os católicos, eles estão aí com os seus radicais defensores que os aceitam, não pela razão ou pela lógica, mas, por uma visão inteiramente cega, entre as pessoas simples e inocentes úteis, de um lado, e de outro, pela visão de uma Teologia interesseira entre os doutos, embora entre estes haja exceções, ou seja, pessoas sinceras, que acreditam mesmo no que falam.

Mas ter uma fé sincera não significa que essa fé seja certa.

Daí o citado esvaziamento em que estão caindo os Dogmas. E quanto mais a Humanidade for desenvolvendo-se culturalmente falando, mais essa situação tenderá a se agravar para o Cristianismo. E perguntamos como vão ficar as Igrejas Cristãs, de um modo geral, no futuro?

Num grande gesto de humildade, o Papa João Paulo II vem pedindo a Deus e à Humanidade perdão por alguns erros que a Igreja cometeu no passado.Acontece que a causa desses erros está em alguns desses Dogmas.

Por que, então, não se fazer uma revisão deles, se a Igreja, no decorrer de sua História, já convocou vários Concílios para apreciar Dogmas proclamados por outros realizados anteriormente?

E citamos aqui um exemplo do que estamos afirmando: O Concílio Ecumênico de Lion, em 1274, foi convocado pelo Papa Gregório X, com o objetivo de tentar esclarecer melhor o polêmico Dogma da Santíssima Trindade, instituído em conseqüência da proclamação de outro não menos polêmico, ou seja, o da Divinização de Jesus. quase mil anos antes, isto é, em 325 e 38l, nos Concílios Ecumênicos de Nicéia e Constantinopla, respectivamente.

Só que, ao invés de trazer alguma luz para o assunto, as coisas complicaram-se mais ainda, ao tratarem da questão do “Filioque” (expressão latina que quer dizer “e do filho”). Segundo esse princípio dogmático, estabelecido no VIII Concílio Ecumênico de Constantinopla, de 869 a 870, o Espírito Santo é emanado não só do Pai, mas também, de Jesus Cristo.

Esse Dogma do “Filioque” é a causa principal que levou à instituição da Igreja Ortodoxa Oriental, em 1054, e que se tornou na primeira grande cisão do Cristianismo.

Até o citado Concílio Ecumênico de Lion, as pessoas poderiam ser rebatizadas outras vezes, ao quererem ver-se livres de um determinado pecado grave.

Mas a questão principal foi mesmo a reapreciação do Dogma do “Filioque”, numa espécie de resposta à atitude contrária a ele por parte da Igreja Ortodoxa Oriental, Dogma esse intrinsecamente ligado, como vimos acima, às Pessoas da Santíssima Trindade.

Os próprios teólogos vêm declarando, há séculos, que eles não podem entender essas coisas.3 E acrescentam que é porque se trata de mistérios de Deus, quando, na realidade, trata-se de mistérios criados por eles mesmos!

Mas, se mesmo com relação às coisas que entendemos, temos, às vezes, dificuldades em ter fé nelas, como vamos ter fé nas que não entendemos? O certo é que Jesus não criou nada dessas coisas complicadas.

E, se por um lado, para o Apóstolo Paulo, como vimos, as heresias são necessárias, tendo o seu lado positivo em benefício do esclarecimento da Fé, por outro, em virtude da complexidade dos Dogmas estabelecidos pelo Cristianismo, elas tornam-se inevitáveis e grandemente numerosas. E a prova disso é que a História da Igreja está repleta de hereges que, infelizmente, em grande parte, morreram nas fogueiras inquisitoriais.

E abundam hoje nos meios católicos, protestantes e evangélicos, as heresias, com relação a esses Dogmas. Os protestantes e evangélicos já nem as estranham mais, pois sempre conviveram com elas.

E a Igreja, por sua vez, talvez porque esteja até abalada por tantos traumas de condenação que fez ao longo da sua História, não quer saber de condenar mais ninguém, fazendo de conta que está tudo bem - e ela está até certa nessa sua atitude -, e vai levando as coisas no “ banho Maria”. Mas não nos esqueçamos de que os protestantes, também, tiveram sua Inquisição, em alguns países em que passaram a dominar.

Mas a evolução da Humanidade, como sempre, estava em marcha. E e a Inquisição chegou ao seu fim, enquanto que as idéias religiosas, também, continuaram a avançar.

O conhecido teólogo da Arquidiocese de Belo Horizonte, Pe- Alberto Antoniazzi, no segundo de uma série de quatro artigos, a partir do No- 660, do “Jornal de Opinião” da citada Arquidiocese, abordando esse assunto, e sem falar em heresia - palavra um tanto fora de moda -, apresenta um quadro baseado numa pesquisa sobre a religiosidade dos habitantes das grandes metrópoles brasileiras, em que o leitor pode concluir que há um verdadeiro coquetel - que Antoniazzi chama de bricolage - de princípios religiosos aceitos pelas pessoas consultadas.

Essa pesquisa foi feita, como o autor da citada matéria o reconhece, entre as pessoas das classes C, e, principalmente, D e E.

Se o fosse entre as classe A e B, por serem, geralmente, de melhor nível cultural, essa mistura de religiosidade, sem dúvida, seria maior ainda.

Isso porque, quanto maior nível cultural tiver uma pessoa, mais ela se liberta de amarras e determinados preceitos religiosos antigos, e, com o devido respeito a eles, já ultrapassados.

Por isso, no chamado Primeiro Mundo, vamos encontrar uma porcentagem maior, ainda, dessa espécie de libertação religiosa por que passa a Humanidade, o que já vem acontecendo paulatinamente, desde o fim da Inquisição, e, principalmente, a partir do chamado período de Pós-Modernidade.

E essa mistura que o ilustre teólogo citado dá a entender ser fruto de um certo comodismo, produto de um trabalho de bricolagem, deve-se à busca de princípios doutrinários religiosos mais racionais, de que, infelizmente, as Religiões Cristãs andam meio defasadas. 4

Não se deve, pois, estranhar a grande porcentagem de católicos, e também de protestantes e evangélicos, que aceitam hoje os princípios do Espiritismo, tais como a Reencarnação, a Lei de Causa e Efeito (Carma), a Mediunidade, o Contato com os Espíritos, e a Crença em um Deus Único e Exclusivo, ao qual referindo-se Jesus, disse: “Meu Pai e vosso Pai, Meu Deus e vosso Deus”, e que Allan Kardec define na sua obra monumental de Filosofia e Religião, “Livro dos Espíritos”, como sendo “A Inteligência Suprema”. 5

E essa questão do Deus Único fica bem clara para nós, quando, na Bíblia vemos, várias vezes, Jesus orando a Deus, ao Pai, mas nunca vemos Deus, o Pai, orando a Jesus, o Filho.

Ao nosso ver, todas essas divergências no Cristianismo devem-se ao fato de ele estar baseado, principalmente, em dois pólos, não necessariamente opostos - embora isso aconteça também -, isto é, o Cristianismo Bíblico, o mais consistente e racional, sobretudo quando se estrutura no Novo Testamento, e o Cristianismo polêmico, o que se apóia em Dogmas.

Infelizmente, a Cúpula da Igreja e dos Protestantes e Evangélicos esquece-se de que não estamos mais na época em que os cristãos eram encabrestados mentalmente e à força – hoje só há os que se deixam encabrestar mentalmente por sua livre e espontânea vontade -, tendo que escolher entre a aceitação dos Dogmas ou da Fogueira!

Dizendo de outra maneira: Hoje, a Fé tem que ser racional, como o mostram João Paulo Segundo em sua notável Encíclica “Fides et Ratio” (Fé e Razão”), Santo Tomás de Aquino, com sua célebre frase: “A Fé não pode violentar a Razão”, e Kardec que, com mais ênfase, também, se enquadra nesse princípio racional, com sua memorável e conhecida afirmação: “A Fé só é verdadeira, quando puder enfrentar a razão, face a face, em qualquer época da História da Humanidade”.

José Reis Chaves escritorchaves@ig.com.br

Bibliografia: