O pensamento de Nietzche

José Reis Chaves

Interessante a observação do missivista Sr. Roberto Bernardo, na Seção dos Leitores de O TEMPO, de 18-6-2002, sobre o artigo do deputado Vittorio Medioli : “Endereço dos Santos”. Essa matéria é muito especial, ensejando-nos reflexões sobre um assunto de grande envergadura muito ao nosso gosto.

Tentaremos mostrar a diferença entre o pensamento espiritualista do renomado articulista e o de tendência materialista e pesssimista de Nietzche, como o vemos em suas obras, entre elas o poema: “Assim Falava Zaratustra”.

Afirma o articulista que, “segundo as religiões, é a santidade que leva o indivíduo a uma condição super-humana, dispensando-o das correntes de Prometeu”, já que a prática dos verdadeiros ensinamentos delas implica principalmente em renúncia do ego, bem como em sacrificar a vontade dos desejos materiais. Mas são poucos os que são autênticos seguidores das religiões. São os despojados do homem velho, e revestidos do homem novo, no dizer de São Paulo.

Ademais, como nos mostra o autor, a mensagem primordial de amor e de renúncia do ego das religiões foi geralmente substituída por dogmas e rituais que em quase nada nos ajudam na senda da nossa evolução moral e espiritual. De fato, já nos advertiu o nosso Mestre: “Nem todo aquele que diz Senhor, Senhor, adquire o reino dos céus, mas, aquele que faz a vontade do Pai”.

Destarte, o autor, com razão, esboça um certo pessimismo em relação à quantidade das pessoas verdadeiramente santas. Mas de fato, são poucas as pessoas que podemos considerar como sendo mesmo santas. E talvez seja por isso que o missivista vê uma certa analogia entre o pensamento pessimista e ateu de Nietzche e o de Vittorio Medioli, para quem “os santos sobrevivem nos cantos mais recônditos, no silêncio das clausuras, e atuam com suas preces para a humanidade sobreviver a seus defeitos”.

Nietzache é, às vezes, paradoxal. Apesar de materialista, é interessante vermo-lo defendendo a reencarnação, com sua Teoria do Eterno Retorno. Extraímos do livro de nossa modesta autoria, “A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência”, página 125, 6a- edição, Ed. Martin Claret, esta frase dele: “Minha doutrina é: Deves viver de modo a poderes desejar viver novamente - esse é o teu dever -, pois, de qualquer forma, viverás novamente”.

A filosofia nietzcheana prega para o futuro o super-homem de raça, de egoísmo, de vaidade e do ser servido. Já a do artigo sub examine, “Endereço dos Santos”, é também de super-homem, sim, mas diferente, pois ele é espiritual, anti-racista, altruísta, desapegado e do servir, ou seja, aquele que segue as pegadas do Nazareno que disse: “Eu não vim para ser servido, mas, para servir”!

Autor do livro “A Face Oculta das Religiões”(Ed.Martin Claret), entre outros. E-mail: escritorchaves@ig.com.br