A arte - da evangelização espírita para a vida

Andrey Cechelero

"A beleza é um dos atributos divinos. Deus colocou nos seres e nas coisas esse misterioso encanto que nos atrai, nos seduz, nos cativa e enche a alma de admiração, às vezes de entusiasmo. A Arte é a busca, o estudo, a manifestação dessa beleza eterna."

Léon Denis - O Espiritismo na Arte

O que existe na Arte que nos toca profundamente, nos emociona tanto?

Que força é esta que provoca lágrimas, que traz alegria, que nos faz refletir sobre a vida e até viajar para outras terras?

É uma emanação divina, sem dúvida, traduzida na sensibilidade de nossos sentimentos. E são eles, os sentimentos, os mais importantes integrantes destes entendimentos sobre a Arte e seus objetivos em nossas vidas.

A Arte deve ter como matéria-prima fundamental os sentimentos. São eles que nos fazem vislumbrar a "poesia do ideal, que nos transporta para fora da esfera acanhada de nossas atividades", conforme tão bem nos ensina Kardec, em Obras Póstumas. São nossos sentires que encaminham nossas almas para as regiões da vida espiritual, que é nossa verdadeira vida, e a que aspiramos a reencontrar um dia, segundo aponta Léon Denis na obra primeiramente citada.

A obra artística precisa colocar o espírito em relação íntima com Deus, precisa alimentar-se de bons sentimentos, e reconduzir estas benéficas percepções aos corações humanos. "Sustentada e inspirada por uma fé sincera, por um nobre ideal, é sempre uma fonte fecunda de instrução, um meio incomparável de civilização e aperfeiçoamento." Léon Denis _ O Espiritismo na Arte

Com esta última citação faz-se, então, o elo entre a Arte e o Espiritismo, este dois grandes instrumentos de evolução. Assim, ao colocarmos a Arte a serviço da divulgação doutrinária, da sensibilização das almas, teremos um produto muito maior do que a simples soma das partes. A claridade do Espiritismo ganha uma bela forma de alcançar o coração, e o encanto da Arte recebe fontes inesgotáveis de inspiração...

É neste contexto que inserimos todas as atividades da evangelização espírita, este pilar indispensável na formação e educação de todos nós.

O instrumento "Arte" irá enriquecer os estudos, facilitar a assimilação, e contribuir muito com o desenvolvimento da sensibilidade nas crianças, jovens e adultos.

Da evangelização espírita para a vida, as obras artísticas que verdadeiramente são "O Belo criando o Bom", como versa André Luiz, em Conduta Espírita, serão sempre mananciais de excelentes conteúdos educativos.

Para que possamos compreender a amplitude de atuação da Arte na Evangelização Espírita, classificamos didaticamente as expressões artísticas do mundo em número de sete. Neste artigo, a nossa abordagem se faz sobre quatro delas: a Arquitetura, Escultura , Pintura e Literatura.

Arquitetura

A Arquitetura reflete por inteiro a história da Terra. Castelos, catedrais, edifícios, casas, são o retrato do que se passa nos valores da alma. Assim, todo estudo neste sentido, quando tiver por objetivo ilustrar e representar pensamentos, idéias e concepções dos homens, será bem-vindo. Analisar o povo Egípcio, por exemplo, e suas construções, sua cultura, seu contato com o planeta Terra, torna os estudos mais agradáveis e, principalmente, melhor absorvidos.

Da mesma forma, toda vez que estivermos construindo algo, como cidades, casas, paisagens do mundo espiritual com nossas crianças, estaremos, de certa forma, colocando em prática a utilização da arquitetura.

Além de tudo isso, se desejarmos ir bastante a fundo nesta Arte, podemos estudar as questões de criações fluídicas no espaço, abordar as bases da ideoplastia etc.

Escultura e Pintura

Intimamente ligada à Arquitetura, a Escultura também fornece diversas formas de utilização para estes propósitos.

O contato com a Escultura e a Pintura fazem parte do aprendizado basilar na infância, desenvolvendo diversas potencialidades íntimas, facilitando muitas outras conquistas e descobertas na vida.

O barro, as massas e as tintas, favorecem o desenvolver da criatividade, auxiliam na conquista de sensibilidades, e são excelentes maneiras de se fixar conteúdos e lições. Tais atividades devem, sempre, é claro, virem acompanhadas de bons objetivos, e não funcionarem apenas como simples preenchimentos de tempo.

Literatura

Eis a Arte mais desenvolvida nos campos da Doutrina Espírita...

As obras literárias que o Espiritismo oferece, são nascentes benditas de conhecimento e clarificação. Basear programas de estudo em livros, ilustrar e enriquecer temas com romances, contos, será sempre um caminho luminoso para o aprendizado. A biblioteca "verdadeiramente" Espírita é um tesouro inestimável, cujo alicerce estará sempre nas cinco obras básicas de Allan Kardec.

Tendo esta consciência, o trabalhador espírita deverá incentivar ao máximo o hábito salutar da leitura, começando por ele mesmo, aprofundando seus estudos através de obras que apresentem boa qualidade. E é neste ponto, quando destacamos "obras de boa qualidade", que ampliamos o alcance da utilização da literatura às obras não espíritas também. Toda obra ou criação literária, que apresentar um conteúdo útil aos propósitos do educador, será muito bem acolhida. Assim, as lendas, as fábulas e romances que trouxerem em si a mensagem do bem, poderão ser aproveitadas nas ilustrações das aulas, engajando nos recursos bibliográficos do estudo.

A sensibilidade e o senso crítico do evan-gelizador serão fundamentais para a tarefa de procurar, analisar e julgar sua oportunidade.

Assim, por exemplo, as boas reportagens em revistas, os artigos de jornal, e até as pequenas histórias dos gibis, poderão fazer parte dos instrumentos que utilizaremos para levar a mensagem espírita ao nosso público.

Não poderíamos esquecer, é claro, da poesia, esta forma literária encantadora, que através dos versos, dos ritmos e das rimas leva uma mensagem benfazeja aos corações. A seguir, para exemplificação, destacamos um trecho de um poema de Helena Kolody, uma poesia paranaense. Vejamos como o bom conteúdo abraça muitas obras:

"Uma folha morta
Não cai inutilmente
A lágrima não rola em vão
Uma invisível mão misericordiosa
Suaviza a queda da folha
Enxuga o pranto da face."
("O Sentido Secreto da Vida")

(Jornal Mundo Espírita de Julho de 2000)