Aos Espíritas basta o Espiritismo

Jornal Mundo Espírita - Julho de 1999

Apometria e Projeciologia não são Práticas Espíritas

"O Espiritismo não é apenas uma bela Doutrina, é a própria mensagem de Jesus, em caráter de atualidade, visitando as nossas almas.

"A Doutrina Espírita é a revelação da verdade, mas o Movimento Espírita é aquilo que dele fizerem os espíritas. Convém não confundir Doutrina com Movimento. A Doutrina está exarada na Codificação e nas obras que lhe são subsidiárias, e o Movimento é a incorporação da Doutrina ao modus operandi daqueles que se encantaram pela mensagem kardequiana."1

A Doutrina está alicerçada nos cinco postulados: a existência de Deus, a existência e imortalidade da alma, a pluralidade das existências, a pluralidade dos mundos habitados e a comunicabilidade dos espíritos.

Nesse contexto é que nos deparamos com a mediunidade, até então somente faculdade inerente ao homem, embora com objetivos elevados, agora, também, com paradigmas de utilidade e instrumental de redenção espiritual programado para o serviço do amor e do esclarecimento da criatura humana e, pois, conseqüentemente, da humanidade.

Fora da orientação espírita, a mediunidade fica fadada a práticas que se darão quase sempre ao sabor das concepções filosóficas desse ou daquele, segundo pontos de vista pessoais, dificilmente conseguindo escapar das enxertias folclóricas e da valorização exagerada dos fenômenos mediúnicos. Ressalte-se que não afirmamos sua desorientação total, até porque há práticas respeitáveis levadas a efeito por outras doutrinas espiritualistas.

No entanto, há que se considerar que "o Espiritismo se abre como diáfana claridade, albergando sob sua luz a todos os que na mediunidade encontraram a motivação para se fazerem úteis à Vida, avançando para Deus."2

O Espiritismo veio tirar a mediunidade do seio do extraordinário e do fantástico, onde somente o fenômeno em si mesmo interessa, dando-lhe conotação acertada de que ele, o fenômeno mediúnico, é apenas meio; a sua finalidade é a estrada da redenção.

Razão pela qual, continua ensinando Camilo (livro citado em nota de rodapé, cap. 5), o fenômeno mediúnico não deve estar dissociado dos anelos de renovação e progresso de cada indivíduo.

Para que não pairassem dúvidas entre os adeptos estudiosos da veneranda Doutrina, Allan Kardec editou O Livro dos Médiuns ou Guia dos Médiuns e Evocadores, no qual não fez qualquer concessão às crendices nem aos atavismos antropológicos ou sócio-religioso-culturais, antes e então vigentes.

"Toda a obra é um tratado sério, realizado por um estudioso consciente, que arrancou do obscurantismo e da degradação, do misticismo e dos privilégios, a mediunidade – que é uma faculdade neutra em si mesma – e as manifestações espirituais, estabelecendo regras, mediante as quais se podem colimar resultados práticos e úteis para um comportamento equilibrado e a coleta de resultados opimos, no exercício dessas funções de ordem paranormal e suas manifestações extrafísicas."3

A grandeza exponencial do Espiritismo e a nobreza da mediunidade espírita não comportam arranjos nem concessões desfigurativas de seus postulados graníticos.

Assim, o Movimento Espírita não pode aceitar a Apometria e a Projeciologia no seu meio, por não serem práticas espíritas. O fato de se lidar com o espírito, não caracteriza tal lida como espírita. Cada um que busque seu lugar ao sol, sem misturar-se.

Aqueles que não conseguem visualizar a clareza da orientação espírita e a fortaleza de suas propostas, se bem aplicadas e vivenciadas, para o alcance da saúde integral do ser, realmente estão precisando deixar as hostes do Movimento Espírita e buscar outros rumos para seus anseios.

Aos espíritas basta o Espiritismo!

(Jornal Mundo Espírita de Julho de 1999)