Os quatro pontos vulneráveis

Rogério Coelho

A razão dessa súplica que Jesus ensinou-nos a fazer prende-se ao fato de trazermos a nossa economia espiritual extremamente onerada pelos atavismos gerados por nossos equívocos e ignorância de antanho, e, portanto, ainda nos encontramos muito vulneráveis às sugestões do mal...

Observamos na década de sessenta um superlativo recrudescer do mal na Terra, com seu corolário de desequilíbrio e desvarios de vária ordem(1) :

"A irrupção incontrolável do sexo desvairado, o alucinar das drogas, a mudança dos padrões morais e o crescimento da violência a que as gerações jovens foram atiradas, as falsas aberturas para a liberdade sem responsabilidade pelos atos praticados, a música ensurdecedora,, a de metais, a de horror, a satânica e tantas outras ocorrências...

Está claro que o processo antropossociológico da evolução, às vezes, deve arrebentar determinados compromissos para novos espaços experimentais, que irão compor o quadro das necessidades evolutivas do homem e da mulher.

No momento em que a cultura atinge as suas mais altas expressões; quando a Ciência mais se aproxima de Deus, auxiliada pela tecnologia, e o homem sonha com a possibilidade de detectar vida fora da Terra, igualmente campeiam: a hediondez do comportamento agressivo; a excessiva miséria de centenas de milhões de pessoas social e economicamente abandonadas à fome, às doenças, à morte prematura; o erotismo extravagante, em generalização; a correria às drogas e aos excessos de toda natureza tornam-se um verdadeiro paradoxo."

O Mundo Espiritual e o Mundo Carnal se interpenetram e, por conseqüência se influenciam mutuamente, tanto para o bem quanto para o mal, é o que ressalta claro da questão de número 459 de "O Livro dos Espíritos":

"Os Espíritos influenciam aos encarnados a tal ponto que, de ordinário, são aqueles que dirigem estes."

Assim não fica difícil compreender onde está o fulcro gerador de toda essa onda de permissividade iniciada nos anos sessenta: tal gênese encontra-se nas regiões trevosas do Mundo Espiritual, obedecendo a esmerada planificação.

A ação cuidadosamente planejada pelos agentes das trevas baseia-se em quatro pontos capitais, aos quais o seu mentor intelectual chamou ironicamente:

AS QUATRO LEGÍTIMAS VERDADES (1)

"Em reunião privada com os chefes dos grupos, o Soberano das Trevas explicitou o programa que elabora para ser aplicado em todas as suas diretrizes e com pormenorizado zelo, dividindo-se em quatro pontos fundamentais:

Primeira Verdade : - O homem é um animal sexual que se compraz no prazer. Deve ser estimulado, ao máximo, até à exaustão, aproveitando-se-lhe as tendências, e, quando ocorrer o cansaço, levá-lo aos abusos, às aberrações. Direcionar esse projeto aos que lutam pelo equilíbrio das forças genésicas, é o empenho dos perturbadores, propondo encontros, reeencontros e facilidades com pessoas dependentes dos seus comandos, que se acercarão das futuras vítimas, enleando-as nos seus jogos e envolvimentos enganosos. Atraindo o animal que existe na criatura, a sua dominação será questão de pouco tempo. Se advier o despertamento tardio, as conseqüências do compromisso já serão inevitáveis, gerando decepções e problemas, sobretudo causando profundas lesões na Alma. O plasma do sexo impregna os seus usuários de tal forma que ocasiona rude vinculação, somente interrompida com dolorosos lances passionais de complexa e difícil correção.

Segunda Verdade : - O narcisismo é filho predileto do egoísmo e pai do orgulho, da vaidade, inerentes ao ser humano. Fomentar o campeonato da presunção nas modernas escolas do Espiritualismo, ensejando a fascinação, é item de alta relevância para a queda desastrosa de quem deseja a preservação do ideal de crescimento e de libertação. O orgulho entorpece os sentimentos e intoxica o indivíduo, cegando-o e enlouquecendo-o. Exige coorte, e suas correntes de ambição impõem tributários de sustentação. Pavoneando-se, exibindo-se, o indivíduo desestrutura-se e morre nos objetivos maiores, para cuidar apenas do exterior, do faustoso - a mentira de que se insufla.

Terceira Verdade : - O poder tem prevalência em a natureza humana. Remanescente dos instintos agressivos, dominadores e arbitrários, ele se expressa de várias formas, sem disfarce ou escamoteado, explorando aqueles que se lhe submetem e desprezando-os ao mesmo tempo, pela subserviência de que se fazem objeto, e aos competidores e indomáveis detestando, por projetar-lhe sombra. O poder é alçapão que não poupa quem quer que lhe caia na trampa. Ademais, a morte advém, e a fragilidade diante de outras forças aniquila o iludido.

Quarta Verdade : - O dinheiro, que compra vidas e escraviza Almas, será outro excelente recurso decisivo. A ambição da riqueza, mesmo que mascarada, supera a falsa humildade, e o conforto amolenta o caráter, desestimulando os sacrifícios. Sabe-se que o Cristianismo começou a morrer, quando o martirológio foi substituído pelo destaque social, e o dinheiro comprou coisas, pessoas e até o reino dos céus, aliciando mercenários para manter a hegemonia da fé.

"Quem poderá resistir a essas quatro legítimas verdades?" - interrogou - "Certamente, aquele que vencer uma ou mais de uma, tombará noutra ou em várias ao mesmo tempo."

"Gargalhadas estrepitosas sacudiram as furnas. E, a partir de então, os técnicos em obsessão, além dos métodos habituais, tornaram-se especialistas no novo e complexo programa, que em todos os tempos sempre constituiu veículo de desgraça, agora mais bem aplicado, redundando em penosas derrotas. Não será necessário que detalhemos casos a fim de analisarmos resultados."

PROFILAXIA

"Precatem-se, os servidores do Bem, das ciladas ultrizes do mal que tem raízes no coração, e sejam advertidos. Suportem o cerco das tentações com estoicismo e paciência, certos de que o Pai não lhes negará socorro nem proteção, propiciando-lhes o que seja mais importante e oportuno.

Ademais, não receiem as calúnias dos injuriadores que os não consigam derrubar. Quando influenciados pelos assessores dos Gênios do mal, mantenham-se intimoratos nos ideais abraçados. A vitória tem a grandeza da dimensão da luta travada."

Jesus, que já previa todos esses acontecimentos, com toda razão, há dois milênios nos ensinou a suplicar ao Pai Celestial:

"Não nos deixeis cair em tentação, mas livra-nos do mal."

p>1 - Manoel P. de Miranda, Franco, D. P. in "Trilhas da Libertação"

(Jornal Mundo Espírita de Outubro de 98)