Os últimos serão os primeiros

Paulo Alves Godoy

"Disse-lhes Jesus: em verdade vos digo que os publicanos e as meretrizes entram adiante de vós No Reino de Deus."
(Mateus, 21:31)

Os ensinamentos de Jesus são adaptáveis a qualquer época. No passado serviram para verberar o procedimento dos escribas e fariseus. Atualmente servem para fazer salientar o procedimento de muitas criaturas que se julgam boas, mas que, na realidade, estão cheias de hipocrisia.

Dizendo que os chamados pecadores entram no Reino de Deus adiante de pessoas supostamente virtuosas, o Mestre objetivou fazer com que elas sejam menos orgulhosas e egoístas, pois aqueles que se julgam os depositários fiéis de todas as virtudes, em muitos casos, serão os últimos a conquistarem o Reino de Deus, pois o falso conceito que fazem de si próprios e as virtudes que julgam possuir constituem graves entraves no processo evolutivo da criatura e, muitas vezes, não se coadunam com os deveres de um autêntico cristão.

Todos aqueles que são chamados de pecadores, os quais são tidos como irremediavelmente perdidos e sérios candidatos às chamadas "penas eternas" apregoadas por algumas igrejas, através das reencarnações sucessivas adquirirão maior soma de virtudes do que muitos dos que já se julgam redimidos, e, conseqüentemente, ganharão muito mais rapidamente as benesses do Alto, pois as recompensas divinas não são dadas por antiguidade, mas sim, por mérito.

Jesus Cristo, a certa altura dos seus ensinamentos, afirmou que não devemos julgar o nosso semelhante, porque com a medida que usarmos para medi-lo também seremos medidos, pois é sumamente difícil fazer um julgamento reto em torno das qualidades morais e espirituais de uma criatura. 0 sofrimento retempera o Espírito e faz com que ele procure se reformar interiormente, por isso não devemos estranhar que muitos dos que passam pela Terra como supostos hereges ou pecadores, sejam dos que "virão do Oriente e do Ocidente para tomarem parte no grandioso banquete espiritual, no Reino dos Céus", segundo o judicioso dizer de Jesus Cristo.

(Jornal Mundo Espírita de Agosto de 1998)