Quando vemos o Cristo?

Wanderley da Silva Coutinho

Quando olhamos o mundo à nossa volta com suas conquistas inegáveis nos campos do conhecimento, principalmente da ciência e da tecnologia, reconhecemos que o homem progrediu muito, da caverna ao limiar do Terceiro Milênio.

Todavia, quando vemos os velhos abandonados nas ruas ou nas casas de repouso, ou desrespeitados em casas de seus familiares;

Quando vemos crianças nas ruas, sujas, maltrapilhas, de olhar endurecido, ameaçando e pedindo socorro;

Quando vemos crianças e jovens de todos os níveis sociais mergulhando, cada vez mais cedo, nas experiências nefastas das drogas, socialmente aceitas ou não, e da promiscuidade sexual;

Quando vemos a erva-daninha da violência crescer e sufocar os sentimentos dos homens, tornando banal o extermínio de crianças, jovens e adultos;

Quando vemos as armas sofisticadas produzidas pelas indústrias das chamadas nações do primeiro mundo, comercializadas numa associação economicamente complementar à indústria da droga;

Quando vemos as campanhas a favor da legalização do aborto, da pena de morte, da eutanásia;

Quando vemos uma criança morrer por falta de atendimento médico adequado, de aparelhos simples para desobstruir as vias respiratórias;

Quando vemos os meios de comunicação veiculando valores falsos às crianças, aos jovens e aos adultos, deformando a opinião e o caráter;

Quando vemos tudo isso, e muito mais, percebemos o quanto falta caminhar para cobrir o grande hiato entre o progresso intelectual e o progresso moral.

Quando vemos uma criança nascer;

Quando vemos um jovem sorrir sem malícia;

Quando vemos as mãos trabalhando;

Quando vemos um velho abraçando uma criança;

Quando vemos um jovem afagando com carinho seu avô, sua avó, um velhinho qualquer;

Quando vemos os seres se movimentando na direção do próximo para amá-lo com a sabedoria do Cristo;

Quando vemos alguém servindo;

Quando vemos alguém sendo gentil;

Quando vemos alguém orando;

Vemos a esperança!

Vemos o Cristo!

(Jornal Mundo Espírita de Junho de 1998)