Evidências cientificas sugestivas de reencarnação

Luiz Carlos D. Formiga

Transparências utilizadas na palestra realizada no dia 15 de junho de 1999, no Núcleo Espírita Universitário-UERJ

Este é um tema que, principalmente dentro da Universidade, é olhado com preconceito, o que nos lembrou um texto que lemos no InformANDES, SETEMBRO DE 1998. Um matuto, pobre e quase analfabeto, pode ser presidente? A que ponto chegamos !?

“Vejam só a que ponto chegamos. Agora ele esta querendo ser presidente. Não se enxerga? A começar pelos ancestrais, que não são coisa que se recomende. Há fortes boatos de descender de uma mulher de costumes frouxos e susceptível a amores proibidos. O pai, ao que parece, não conseguia se fixar em emprego algum, e alguns chegam mesmo a descrevê-lo como tendo alma de vagabundo. É certo que não seria nunca escolhido como “operário padrão”. E que dizer do lugar onde nasceu? Estado dos mais atrasados, sotaque típico, crescido em meio à rudeza dos que não se refinaram para as lides públicas. Podem imaginar o seu comportamento em um banquete? Seria vergonhoso... Cotovelos sobre a mesa, empurrando a comida com o dedão, falando de boca cheia... Seria um vexame nacional. Acresce o fato de não haver nem mesmo terminado o curso primário, sua educação se restringindo a ler, escrever e fazer as quatro operações. Como trabalhador braçal, excelente. Na verdade, ali é o seu lugar. Como acontece com as pessoas que trabalham muito com o corpo e pouco com a cabeça. Seu corpo se desenvolveu de forma invejável. Testemunhas oculares relatam mesmo que, em certa ocasião, não vacilou em se valer dos músculos para dobrar um grupo de adversários. Mas o que assusta mesmo é que o seu radicalismo em relação às questões do trabalho, especialmente o campo. Pois não é da iniciativa e do capital dos patrões que vem a riqueza do país? E agora este matuto quer colocar o carro na frente dos bois... Se a sua política agrária for colocada em prática é certo que vamos ter uma convulsão social no país. O nosso sistema de produção vai ser desmantelado, com imprevisíveis conseqüências para a economia. Mas pior do que isto serão as conseqüências sociais. No final, parece que os empregados tomarão conta de tudo e aos patrões não restará outra alternativa que deixar o país.”

Diz Rubem Alves, educador e docente da UNICAMP:

“podem guardar seus sorrisos e sua raiva porque isto que escrevi não é sobre quem vocês estão pensando. É sobre Abraham Lincoln. E o que disse sobre sua vida pode ser encontrado na Enciclopédia Britânica, para quem quiser conferir.

REENCARNAÇÃO “SEM PRECONCEITOS”

  1. STEVENSON, I. TWENTY CASES SUGGESTIVE OF REINCARNATION. PROCEEDINGS OF THE AMERICAM SOCIETY FOR PSYCHICAL RESEARCH, VOL. XXVI, SEPTEMBER 1966. SECOND EDITION, REVISED AND ENLARGED; CHARLOTTESVILLE: UNIVERSITY PRESS OF VIRGINIA.
  2. STEVENSON, I. ÍNDIA CASES OF REINCARNATION TYPE. VOL. I - TEN CASES IN ÍNDIA. CHARLOTTESVILLE: UNIVERSITY PRESS OF VIRGINIA, 1975.
  3. STEVENSON, I. ÍNDIA CASES OF REINCARNATION TYPE. VOL. II - TEN CASES IN SRILANKA. CHARLOTTESVILLE: UNIVERSITY PRESS OF VIRGINIA, 1977.
  4. STEVENSON, I. THE EXPLANATORY VALUE OF THE IDEA OF REINCARNATION. JOURNAL OF NERVOUS AND MENTAL DISEASE, USA, 164(5): 1977.
  5. STEVENSON, I. RESEARCH INTO THE EVIDENCE OF MAN’S SURVIVAL AFTER DEATH. JOURNAL OF NERVOUS AND MENTAL DISEASE, USA, 165(3): 1977.
  6. STEVENSON, I. LEBANON AND TURKEY CASES OF REINCARNATION TYPE. VOL. III TWELVE CASES IN LEBANON AND TURKEY. CHARLOTTESVILLE: UNIVERSITY PRESS OF VIRGINIA. 1980.
  7. STEVENSON, I. THAILAND AND BURMA CASES OF REINCARNATION TYPE. VOL. IV - TWELVE CASES IN THAILAND AND BURMA. CHARLOTTESVILLE: UNIVERSITY PRESS OF VIRGINIA. 1983
  8. STEVENSON, I. CHILDREN WHO REMEMBER PREVIOUS LIVES. CHARLOTTESVILLE: UNIVERSITY PRESS OF VIRGINIA. 1987.
  9. STEVENSON, I. WHERE REINCARNATION AND BIOLOGY INTERSECT: A SYNOPSIS. WESTPORT: PRAEGER. 1996.
  10. STEVENSON, I. REINCARNATION AND BIOLOGY: A CONTRIBUTION TO THE ETIOLOGY OF BIRTHMARKS AND BIRTH DEFECTS. VOL. I - BIRTHMARKS, VOL. II - BIRTH DEFECTS AND OTHER ANOMALIES. WESTPORT: PRAEGER. 1997.
  11. STEMMAM, R. INCREDIBLE PHYSICAL EVIDENCE FOR REINCARNATION. REINCARNATION INTERNATIONAL, 13: OCTOBER, 1997.
    Redação: REINCARNATION INTERNATIONAL LTDA., P.O. BOX 10839, SW13OZG, LONDON, ENGLAND.
    E-MAIL: reincarn@dircon.co.uk . WEB SITE: www.dircon.co.uk/reincarn/s
  12. STEVENSON, DAVID. BOOK REVIEWS. JOURNAL OF THE SOCIETY FOR PSYCHICAL RESEARCH, 2(852): JULY, LONDON, 1998.

1961 - INÍCIO DA LINHA - NA ÍNDIA PESQUISOU CASOS DE CRIANÇAS, QUE SE REFERIAM COM PRECISÃO A FATOS, PESSOAS E LOCAIS VIVIDOS EM UMA SUPOSTA VIDA ANTERIOR.

1966, RELATÓRIO, EM SETEMBRO, DOS PROCEEDINGS DA AMERICAN SOCIETY FOR PSYCHICAL RESEARCH, 352 PÁG. VOL. 15 cm X 23 cm. TÍTULO: TWENTY CASES SUGGESTIVE OF REINCARNATION.

HOJE POSSUI 2.600 CASOS E PUBLICOU 2.500 PÁG. DE RESULTADOS DE SUAS PESQUISAS.

A FORTÍSSIMA EVIDÊNCIA DA REENCARNAÇÃO TEM COMO COROLÁRIO, IRREFUTÁVEL E LÓGICO, A SOBREVIVÊNCIA DE “ALGUM ELEMENTO” QUE SE PERPETUA APÓS A MORTE CORPORAL.

DIVULGAÇÃO DISCRETA EM INGLÊS, 31-32 ANOS APÓS SEU RELATÓRIO, HÁ EM LONDRES, JOURNAL OF SOCIETY FOR PSYCHICAL RESEARCH, 463-464,1998, SÓBRIA APRECIAÇÃO. HÁ MAIS DETALHES NA REVISTA INGLESA: REINCARNATION INTERNATIONAL, 13: 9-15, 1997.

E-MAIL: reincarn@dircon.co.uk. WEB SITE: www.dircon.co.uk/reincarn/s

O FUTURO

1. AS PESQUISAS ULTRAPASSARÃO AS MERAS CONJECTURAS RELIGIOSAS.

2. ALÉM DAS MUDANÇAS NAS ÁREAS DA PSICOLOGIA E PSIQUIATRIA, A HIPÓTESE CIENTÍFICA PODE SER INCORPORADA À GENÉTICA, COMO LEI NATURAL.

SÃO AS PALAVRAS DO ENG. HERNANI G. ANDRADE, DO IBPP, SP, APÓS RECEBER CORRESPONDÊNCIA E TRABALHOS ENVIADOS PELO DR. STEVENSON.

O FATOR ESPIRITUAL E A MEDICINA.

A MEDICINA AJUDOU A ESTABELECER O CONCEITO DE QUE A SAÚDE É ALGO MAIS DO QUE A SIMPLES AUSÊNCIA DE DOENÇAS E QUE ELA DEPENDE PREDOMINANTEMENTE DE FATORES EXTERNOS AO SETOR SAÚDE.

NA NOVA CONSTITUIÇÃO (ART 196) A SAÚDE É AMPARADA PELO PRINCÍPIO DE QUE É DEVER DO ESTADO GARANTI-LA “MEDIANTE POLÍTICAS SOCIAIS E ECONÔMICAS QUE VISEM À REDUÇÃO DO RISCO DE DOENÇA E OUTROS AGRAVOS”.

DISTO PODEMOS INFERIR SUA MULTICAUSALIDADE E AINDA VER CLARAMENTE A DETERMINAÇÃO SOCIAL, ECONÔMICA, POLÍTICA E ESPIRITUAL DO PROCESSO SAÚDE-DOENÇA.

CONCEITO DE CURA:

1. EXTINÇÃO DOS SINTOMAS; 2. EXTINÇÃO DO FATOR ETIOLÓGICO; 3. DESAPARECIMENTO DAS LESÕES ANATÔMICAS.

ISTO IMPLICA EM:

  1. DIAGNÓSTICO CORRETO;
  2. TERAPÊUTICA ADEQUADA;
  3. ACOMPANHAMENTO CLÍNICO E LABORATORIAL DA EVOLUÇÃO;
  4. CONTROLE DA ETIOLOGIA E LESÕES ANATÔMICAS.

CONSIDERANDO O ESPIRITUAL (levar em conta)

  1. NA ETIOPATOGENIA - A LEI DE CAUSA E EFEITO; 2. EM TERMOS ANATÔMICOS E FISIOLÓGICOS - O FATOR PERISPIRITUAL; 3. EM TERMOS PSICOLÓGICOS - O FATOR OBSESSÃO.

O CARMA EM PSIQUIATRIA (REFERÊNCIA: CAIXETA, M. CIÊNCIA ESPÍRITA (Fepesci), JULHO/SETEMBRO DE 1994, PÁGINA 6)

  1. HERANÇA PROGRAMADA PELOS GENETICISTAS DO ESPAÇO PARA QUE TENHAMOS A MELHOR PROVAÇÃO CORPORAL DE ACORDO COM NOSSAS NECESSIDADES ESPIRITUAIS;
  2. HERANÇA PRODUZIDA PELA LESÃO QUE O INDIVÍDUO CAUSA DIRETA OU INDIRETAMENTE AO SEU CÉREBRO MATERIAL-PERIESPIRITUAL;
  3. HERANÇA PSICOLÓGICA-BIOLÓGICA, NA QUAL AS CARACTERÍSTICAS DE PERSONALIDADE DO ESPÍRITO REFLETEM-SE NO PERISPÍRITO E DESTE NO CORPO, VULNERALIZANDO O CÉREBRO PARA ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DA VIDA, GERANDO ASSIM UM CERTO TIPO DE TRANSTORNOS MENTAIS;
  4. ESPÍRITO RECUSA-SE A EVOLUIR, PRIMITIVO , ANCORA-SE EM PADRÕES REPETITIVOS DE COMPORTAMENTO (EX.: SEXOLATRIA, TENDÊNCIA SUICIDA) ; ESTE PADRÃO SE REFLETE À NÍVEL PERISPIRITUAL E CEREBRAL ORIGINANDO REAÇÕES NEUROFISIOLÓGICAS, QUE O LEVAM A COMPULSÕES, IMPULSÕES, OBSESSÕES, ETC.

O FATOR ESPIRITUAL E A EDUCAÇÃO.

PAPEL DA ESCOLA. DESENVOLVIMENTO DA CONSCIÊNCIA PARA:

O AUTOCONHECIMENTO; A AUTOTRANSFORMAÇÃO; A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL.

HAVERÁ COMPROMISSO NA FORMAÇÃO INTEGRAL DO HOMEM, COM SEU BURILAMENTO NA TRAJETÓRIA CÓSMICA, EM FAVOR DO BEM, DA HUMANIZAÇÃO, DA VERDADE, TRABALHANDO O SER E SUA ESSÊNCIA, NA DIMENSÃO DO ESPÍRITO.

Discurso. Formatura da primeira turma do curso de Bacharel em Microbiologia e Imunologia.UFRJ.

(...)E, mais adiante, continua Pasteur, “Não fiquem maravilhados diante do novo, nem assustados pelo que ontem vos era desconhecido. Não recuem diante do mistério, mas procurem enfrentá-lo e desvendá-lo... Não se considerem os únicos donos da verdade e do conhecimento, pois um diploma não faz o cientista.

(...) Pasteur falava de Educação, de Humanidade. Nossos esforços nunca deverão produzir monstros cultos ou psicopatas hábeis.

Muitos desconfiam da educação.

Um sobrevivente de um campo de concentração disse que seus olhos viram o que nenhuma pessoa deveria presenciar. Crianças envenenadas por cientistas instruídos e aparelhos de tortura construídos por engenheiros ilustrados. Por isso Pasteur lembrou que “será um dia esplêndido em que, dos progressos da ciência, participará também o coração”.

A ciência sem o amor pode conduzir a comportamentos imediatistas, quando a vida em si perde seu valor.

(...) Parece estranho que numa reunião de festa falemos da responsabilidade social do cientista, mas ela possui duas dimensões: a individual, que é produzir o bem, e a sócio-política que é a reforma das instituições humanas. O homem que desenvolveu a razão deverá agora abrir o coração.

(...)Pensamos em terminar com o manifesto do Sermão da Montanha, com o da ciência, mas finalmente escolhemos o de um simples chefe indígena ao presidente norte-americano.

“Isto nós sabemos. Todas as coisas estão ligadas

Como o sangue que une uma família ...

Tudo o que afeta a terra

Afeta os filhos e filhas da terra.

O Homem não teceu a teia da vida;

Ele é apenas um fio dela.

Tudo que ele faz à teia

Ele faz a si mesmo”

CIÊNCIA E MICROBIOLOGIA COM AMOR. Boletim da Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM-Notícias), 22 (outubro): 3-4, 1998.