Canto cidadão

Orson Peter Carrara

A definição de dicionário da palavra cidadão é: o que habita uma cidade ou indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um Estado. Já cidadania é a qualidade do cidadão, ou seu modo de ser, aptidão, disposição moral. A sociedade brasileira, composta de cidadãos, por sua vez, divide-se em Primeiro, Segundo e Terceiro Setor. O primeiro é o governo e seus órgãos administrativos e operacionais que têm o dever de cuidar da sociedade; o segundo é o setor privado, constituído das empresas que fomentam a economia, oferecem empregos e em conseqüência desenvolvem a coletividade, mesmo com objetivos de lucratividade. Já o terceiro setor é constituído por organizações sem fins lucrativos e/ou não governamentais, cujos principais personagens são as fundações (1), as empresas com responsabilidade social (2), as pessoas físicas propriamente ditas (3) e as entidades beneficentes (4).

É nesta parcela da sociedade, a do terceiro setor, que surge a figura do voluntário, que é o cidadão que doa seu tempo, seu trabalho e talento, de maneira espontânea e não remunerada, para causas de interesse social e comunitário. É uma forma de participar positiva e ativamente na sociedade, oferecendo seu tempo e disponibilidade para ajudar os outros, ou simplesmente reforçar a defesa de causas nobres. E como as instituições espíritas estão envolvidas no socorro às dificuldades humanas, o trabalho voluntário aí está bastante presente e estimulado, embora que não exclusivamente, pois que há ações nobres em toda parte.

A evolução do trabalho voluntário no Brasil iniciou-se em 1543 com a fundação da Santa Casa de Misericórdia de Santos, no Estado de São Paulo, que depois espalharam-se pelo país. Outras ações vieram na seqüência: a) surgimento do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, em 1863 e 1908; b) promulgação da Lei 91, de 28/01/35, determinando as regras pelas quais são as sociedades declaradas de utilidade pública; c) a criação da LBA – Legião da Boa Vontade, em 1942; d) o surgimento das APAEs – Assoc. dos pais e amigos dos excepcionais; e) a criação do Projeto Rondon, em 1967; f) a criação da pastoral da criança, em 1983; g) o surgimento da Ação da Cidadania contra a miséria e pela Vida, pelo sociólogo Herbert de Souza (Betinho), objetivando o combate à fome, entre outras iniciativas. O fato marcante, entretanto, foi a declaração, pelo ONU, em 2001, do Ano Internacional do Voluntariado.

A atividade voluntária é a 8ª no ranking das maiores economias do mundo; o setor filantrópico apresentou crescimento de 44,38% entre os anos de 1991 a 1995; o número de voluntários no Brasil já chega a 20 milhões e 81% da mão de obra ligada ao terceiro setor distribui-se em 4 áreas de atividades: educação, saúde, cultura, recreação e assistência social.

Essas considerações todas envolvem a questão da captação de recursos, sensibilização da sociedade, motivação e conquista do voluntário, transparência na aplicação dos recursos e a reflexão em torno dos inúmeros exemplos existentes no país, inspirados sem dúvida no princípio da solidariedade, fundamento do Evangelho de Jesus, que em última análise é construtor da cidadania que leva à espiritualidade e à paz, almejado estado de equilíbrio para a humanidade.

O capítulo XI de O Evangelho Segundo o Espiritismo (5), intitulado pelo Codificador Allan Kardec como Amar o próximo como a si mesmo, em suas 12 páginas, exalta o amor (a Deus, ao próximo, como a si mesmo) como o maior mandamento deixado por Jesus, mas é na mensagem assinada por Lázaro (6) com o título A Lei de Amor, em Paris, 1862, que encontramos os seguintes trechos: "... O amor resume inteiramente a doutrina de Jesus (...) A lei de amor substitui a personalidade pela fusão dos seres e aniquila as misérias sociais (7)(...)". Ora, este aniquilar das misérias sociais é exatamente o sentido das questões 886 a 891 de O Livro dos Espíritos e que deve encaminhar, através da evolução, todos os espíritos para o teor da resposta à questão 980 da mesma obra. Teor que indica a finalidade de viver e os objetivos da vida humana.

Mas é na Revista Espírita de março de 1867 (8), que Kardec colocou mensagem assinada por Um Espírito com o título A Solidariedade. Referida mensagem é síntese de tudo o que escrevemos até estas linhas e bem e bem coloca o sentido da cidadania (ou este envolvimento em favor da coletividade). A mensagem foi recebida em Paris no dia 26 de novembro de 1866, pela médium Sra. Sabb..., de cujo conteúdo extraímos: "(...) Não estais sobre a Terra para nela viver à moda dos animais, para nela vegetar (...) O homem não é um ser isolado, é um ser coletivo. O homem é solidário do homem (7). É em vão que procura o complemento do seu ser, quer dizer, a felicidade em si mesmo ou naquilo que o cerca isoladamente; ele não pode encontrá-la senão no HOMEM ou na Humanidade. Não fazeis, pois, nada par ser pessoalmente felizes, enquanto a infelicidade de um membro da Humanidade (...) possa vos afligir. (...)". Ora, eis o sentido da solidariedade, inspiradora das ações de cidadania. Enquanto houver infelizes, não será possível a felicidade humana. Eis porque a ação espírita para a paz (9) solicita o amor, o sentimento por excelência (5), capaz de inspirar as ações solidárias da cidadania, também presentes no movimento espírita, pois que plenamente identificadas com o espírito do Espiritismo.

A expressão canto cidadão(*), título desta matéria, clama pois como convite permanente à vivência desses princípios. Poeticamente é como se o cidadão cantasse os benefícios da solidariedade – filha do amor – que deve unir os filhos de Deus no planeta.


*Nota do autor: o título desta matéria foi inspirado em programa com o mesmo nome apresentado pela Rede Boa Nova de Rádio, aos sábados às 11 horas da manhã. Sugerimos visitar o site www.cantocidadao.com.br.

  1. instituições que financiam o terceiro setor com doações às entidades beneficentes.
  2. comprometidas, por exemplo, com as questões ambientais, e estimuladoras de funcionários responsáveis com as graves questões nacionais.
  3. pessoas da coletividade; a classe média, no Brasil, doa em média R$ 23,00 para iniciativas de apoio à promoção humana.
  4. são as que cuidam de idosos, carentes, meninos de rua, drogados, alcoólatras, órfãos, mães solteiras, preservam o meio ambiente, educam e profissionalizam jovens, alfabetizam adultos, fazem campanhas de doação de sangue, distribuem merendas, livros, sopão, distribuem-se pelos conhecidos plantões dos chamados CVV, etc.,etc.
  5. 157ª edição IDE, de Araras-SP, tradução de Salvador Gentile, abril de 1993.
  6. Irmão de Marta e Maria, residentes em Betânia (Lucas, 10:38-42)
  7. Destaques do autor.
  8. Edição do IDE-Araras-SP, tradução de Salvador Gentile, páginas 88 e 89.
  9. Esta matéria é adaptação da palestra Qualidade e dinamismo na ação espírita para a paz, apresentada pelo autor no XI Congresso Espírita da Bahia, ocorrido de 31/10 a 03/11/2002, em Salvador-BA.