Casas Abandonadas

Orson Peter Carrara

Casas abandonadas não são somente aquelas esquecidas por seus proprietários, ensejando à mente popular as figuras simbólicas, cultivadas principalmente pelas crianças e chamadas de "assombrações". Também não são somente aquelas que nunca recebem pintura e cuidados com sua conservação. Podemos enquadrar inclusive a casa mental, quando distraída dos deveres de cultivar a vigilância, a prudência, o entusiasmo pela vida. Ou se preferirmos podemos situar também aquelas habitadas por famílias esquecidas, filhos ou pais desprezados, doentes solitários ou outras situações que a realidade do mundo apresenta, inclusive as casas de moradia coletiva, como prisões, asilos ou orfanatos, quando também mal conduzidos...

Mas o objetivo do artigo é outro. Queremos citar as Casas Espíritas, também sujeitas a abandonos coletivos ou de direção. Detentora do título intransferível de PROMOTORA DO ESTUDO E DIVULGAÇÃO da Doutrina Espírita, embora o intenso e extenso trabalho desenvolvido em todo país, encontra-se – repetimos – também sujeita a ficar abandonada. Isto pode ocorrer nas seguintes situações (a relação não se esgota, pois o leitor poderá completá-la com experiências vividas):

  1. Quando desvia seus objetivos primeiros: Estudar e divulgar;
  2. Quando permite seja invadida pelo egoísmo, orgulho, vaidade ou disputa de poder;
  3. Quando deixa que os vermes do melindre envolva seus integrantes;
  4. Quando o ciúme passa a ser companheiro de trabalho em suas atividades;
  5. Quando o estudo espírita fica colocado em degrau secundário;
  6. Quando a infância e mocidade estão esquecidas;
  7. Quando fecham-se em si mesmos, deixando de valorizar o intercâmbio com outras Casas ou são administradas com displicência e conduzidas como propriedade particular;
  8. Quando as chamadas terapias alternativas tomam o lugar da prece e do passe;
  9. Quando o interesse material predomina sobre os verdadeiros objetivos espíritas.
  10. Quando transforma-se em consultório do além ou em centro cirúrgico.
  11. Quando livros são trancados, jamais comentados ou jornais e revistas engavetados.

Mas também, é óbvio, quando são esquecidas as noções de higiene (aí incluída uma pintura), os deveres legais, as providências administrativas, a valorização das pessoas, as iniciativas em favor da Causa (muito maior que a Casa)... Lemos uma frase que gostaríamos de oferecer aos leitores (não nos lembramos da origem da frase), mas que define bem os compromissos que os espíritas devem ter com o Centro Espírita: "atravessar as portas de entrada para um Centro Espírita é uma decisão de vida!". Claro ! Pois é uma decisão de trabalho, de comprometimento com a maior Causa da Humanidade: a Causa do Evangelho.

Com todo o conhecimento que a Doutrina oferece, como ficar alheio à importância que representa uma Casa Espírita, desprezando-a com nossa indiferença ou esquecendo-a debaixo dos braços ou nas prateleiras do comodismo ...

Para ela, a Casa Espírita, destinemos toda nossa dedicação, pois elas verdadeiramente são abençoados Postos de libertação e felicidade para os homens.