Dráusio e Maria Aparecida

Orson Peter Carrara

A pequena Maria Aparecida, de apenas 3 anos, faleceu vítima de atropelamento na cidade de Aramina, no interior de São Paulo. A família, obviamente, tomou-se de muito sofrimento e aconselhada por amigos procurou Chico Xavier em Uberaba-MG. Isto em 1969. O conhecido mediu, depois de palavras de confortou, avisou: “Não se desesperem, a alegria voltará ao lar de vocês!”.

Apesar de todas as previsões contrárias, a mãe concebeu novamente e em outubro de 1970 nasceu Dráusio, um belo menino. Aí começaram as surpresas. Sim, porque o garoto começou a ter lembranças de sua vida anterior e chegou a afirmar que ele era Maria Aparecida, a irmãzinha que nem chegou conhecer, agora reencarnada como Dráusio.

Tais lembranças se manifestaram de inúmeras formas, entre as quais usar frases da irmã, com grande espanto para todos, embora não soubesse ainda falar. Também o reconhecimento de objetos na barbearia do pai, dando-lhes nomes e localizando-os, em testes propositais feitos pelo próprio pai. Há também o reconhecimento do local do acidente, recordações da antiga casa, inclusive da própria avó, onde desejava ver o antigo galinheiro. Entre outras interessantes lembranças catalogadas.

Este caso está entre outros sugestivos casos, que sugerem a reencarnação, e consta do livro Reencarnação no Brasil, de Hernani Guimarães Andrade, editado pela Casa Editora O Clarim, aqui mesmo de Matão. No total são oito casos. Todos devidamente pesquisados, catalogados sob rigoroso critério científico através de entrevistas com as pessoas envolvidas e busca de dados que sugerem renascimento. Neste episódio de Dráusio e Maria Aparecida é interessante notar que houve a possibilidade de conhecer a personalidade anterior e atual, através dos pais, que são os mesmos, e demais familiares envolvidos.

Para reflexão dos leitores, o autor coloca, ao final de cada caso, uma Tabela de Recordações do Paciente, apresentando comparações de dados apresentados com a realidade constatada. E levando ao raciocínio dos fatos coletados e organizados didaticamente para análise de cada situação.

Nada mais sugestivo. É a reencarnação. Lei Divina que determina a evolução da alma através de múltiplas existências em corpos físicos perecíveis. É mecanismo sábio, de justiça, único capaz de explicar as extremas diferenças humanas.

É preciso mesmo estudar continuamente para compreender. Mas, interessante, é algo simples. Basta pensar um pouco.