Perdas da não participação

Orson Peter Carrara

Quer encontrar um espírita desanimado, sem motivação, cumprindo muitas vezes como que uma obrigação, até enfadonha, sua ida semanal ao centro?

Quer encontrar um espírita sem entusiasmo, que não consegue vibrar de alegria pelo conteúdo da Doutrina Espírita?

Quer encontrar um espírita sem qualquer reação quando uma notícia, sobre um evento ou acontecimento do movimento espírita, é anunciada de público?

Quer encontrar um espírita que sem estímulos para comparecer a uma palestra, participar de um evento ou de presença insegura quando convidado?

É simples. Encontraremos esse comportamento em todas as Casas Espíritas. E é fácil de detectar esse personagem entre os freqüentadores de nossas instituições: é aquele espírita que não participa de nada. Que vive isolado em “seu centro”, indo mesmo como que a uma obrigação quase forçada. Ele não acha graça de nada. Tudo que lhe for transmitido pouco efeito surtirá em seu íntimo.

É que ele limita-se apenas a ir ao Centro. Não sente as vibrações e as alegrias do movimento, e mesmo o conteúdo extraordinário que a Doutrina contém, justamente porque não a vive.

Ora, o Espiritismo não está unicamente numa Casa Espírita. O Espiritismo produz a energia e a dinâmica de seu movimento. E é a participação no movimento, constatando pessoalmente as alegrias da fraternidade, o entusiasmo da participação, a integração dos grupos, que sentiremos o que a Doutrina Espírita é capaz de fazer.

Claro que poderemos conhecer o Espiritismo simplesmente através do estudo e mesmo isoladamente, mas sempre haverá prejuízo neste isolamento. É exatamente na participação e integração com outros grupos, com a experiência de outros companheiros, que nos deixaremos contagiar pelo entusiasmo, pela alegria, pela fraternidade.

Quando isolados, na rotina das atividades de uma Casa Espírita, por melhor que ela seja, não conseguiremos sentir os efeitos da participação conjunta. É que essa participação conjunta, na integração entre as casas, é que produz a energia que faz a dinâmica do movimento espírita.

Quem a experimenta, entusiasma-se. Quem a sente, tem vontade de trabalhar mais. Quem a vive, motiva-se a conhecer mais. Quem a busca, aprende mais.

Por isso, meu amigo leitor, integre-se ao movimento. Tenha sim sua atividade na casa espírita onde se vincula, mas experimente viver o movimento. Participe mais, esteja presente também em outras casas. Leve sua experiência, colha a experiência delas.

E mais, não vá sozinho. Convide seus companheiros. Participem juntos. E você verá a rotina transformada em entusiasmo. Sabe por que?

Porque você vai trazer experiências novas. Vai conhecer novas dinâmicas. Poderá avaliar o que será bom, ou que será ruim, para aplicação na instituição a que se vincula. E tudo isso com uma grande vantagem: participando do movimento, você estabelece um referencial para si mesmo, como espírita, e para a casa que está vinculado. As experiências boas serão aproveitadas, as ruins descartadas ou evitadas.

Este referencial permite contínuo aperfeiçoamento das atividades em que participa. Se você lidera um grupo, poderá usá-las. Se você apenas participa, poderá sugerir. Se sua sugestão for aceita, ótimo, pois você trouxe progresso para o grupo. Se a sugestão não for ouvida, tudo bem também. Você fez sua parte e nem por isso sairá perdendo, porque o entusiasmo de sua participação continuará e os demais companheiros terão seu tempo de despertamento.

Agora, raciocine comigo. Visualize os grupos que conhece. Quais são os que apresentam dinamismo em suas atividades? São os que se isolam ou os que estão continuamente participando do movimento?

É só observar com calma e você mesmo terá sua conclusão para perceber as vantagens da integração entre os espíritas e os grupos espíritas.

Mas, voltando ao início do artigo, é só pensar que o comodismo e a rotina matam o entusiasmo. E como seres humanos, estamos sujeitos à rotina e ao comodismo, que nos permitimos viver na vida pessoal e na vida das instituições a que nos vinculamos, “matando” as instituições com nossas posturas.