Um clube específico para divulgar Kardec ainda mais

Orson Peter Carrara

Aos poucos os espíritas vão descobrindo os tesouros contidos na Revista Espírita, que esteve sob a direção de Allan Kardec desde sua fundação (1858) até a desencarnação do Codificador em 1869, e ainda continua sendo editada na França.

A publicação, mensal, contém as experiências de Kardec, suas reflexões, relatos e anotações importantíssimas. Algumas inclusive aproveitadas nos livros que seguiram à publicação de O Livro dos Espíritos e que completaram a Codificação Espírita.

Muitas mensagens que lhe enviaram, relatos de suas viagens, comentários sobre artigos publicados na França e em outros países sobre a extensa fenomenologia produzida pelos espíritos, além de suas sempre ponderadas observações. É, pois, um imenso tesouro ainda desconhecido da maioria dos espíritas.

Pois bem, é de conhecimento geral que no Brasil, temos as versões traduzidas ; da Edicel (que foi a pioneira), a do IDE de Araras (que inclusive publicou em fascículos e depois transformou em livros) e agora a FEB lança também primorosa edição para ampliar a divulgação desse importante documento histórico-doutrinário da Doutrina Espírita.

Um idéia surgida em Campinas, entretanto, de um querido grupo de amigos, pode revolucionar a expansão da Revista Espírita no movimento.

É a idéia de que as cidades e grupos criem grupos específicos de espíritas para adquirirem, mensalmente, a coleção da Revista Espírita. Seria um CLUBE DO LIVRO específico para aquela aquisição, com prazo determinado de distribuição.

Com um mínimo de 50 participantes, as instituições ou clubes do livro adquirem descontos junto à editora escolhida e podem ampliar a distribuição desse valioso material. A idéia original do grupo de Campinas, inclusive, é que se faça o mesmo com as obras de André Luiz, Yvonne do Amaral Pereira, Cairbar Schutel, Humberto de Campos e outros valorosos autores, um tanto esquecidos atualmente e cujo conteúdo precisa ser permanentemente lembrado e divulgado.

O importante mesmo é que as bases doutrinárias do Espiritismo estejam presentes na mentalidade espírita que dia-a-dia recebe crescente número de novos adeptos e interessados.

Esperamos que o movimento espírita seja sensível à brilhante idéia.

Com prazo determinado e adesão de muitos grupos e instituições, sem prejuízos para os atuais clubes do livro existentes, teremos Kardec mais divulgado, mais conhecido e por conseqüência, mais vivido.