A carne de porco

Paulo da Silva Neto Sobrinho

Há algum tempo, não me recordo exatamente quando, tive que ir à casa de um pastor protestante à procura de um pedreiro que à época trabalhava para mim. Batendo à porta, fui recebido e convidado a entrar. Conduziram-me a uma área aos fundos da casa, onde o meu amigo pedreiro estava trabalhando, não em seu ofício, mas acabara de matar um porco e naquele momento estava abrindo-o para separação das suas partes.

Bom, achei aquilo muito estranho, já que, normalmente, os pastores exigem categoricamente que nós espíritas não devemos evocar os mortos. Argumentam ser uma proibição bíblica. Mas, que eu saiba existe também a proibição de não comer carne de porco, que segundo penso, não foi revogada, isso era o que iria fazer depois, não é mesmo? Muito embora, acho que ela, como algumas outras passagens que proíbem comer várias coisas, não são de origem divina, mas produto da cultura do povo hebreu.

Mais recentemente estava na zona rural, num Sítio próximo à cidade, cheguei no exato momento em que a pessoa que zelava por ele, que é um protestante convicto, acabara de matar um porco. Não perdi tempo em lhe fazer uma gozação dizendo: Ora, o Livro Sagrado não proíbe comer carne de porco? A resposta, em coro, zelador e sua mulher: - O que entra pela boca não torna o homem impuro. Não lhes respondi, pois estávamos apenas fazendo uma brincadeira, não queria partir para uma discussão, muitas vezes inútil, já que, como regra geral, não queremos abandonar as nossas convicções.

Mas, não deixarei de fazer algumas considerações sobre isso.

Vamos encontrar no capítulo 11 de Levítico (Antigo Testamento), o seguinte:

v. 1 Falou o Senhor a Moisés e a Arão, dizendo-lhes: (...) v. 7 Também o porco, porque tem unhas fendidas, e o casco dividido, mas não rumina; este vos será imundo; v. 8 da sua carne não comereis, nem tocareis no seu cadáver.

Assim, ali entre várias outras proibições sobre a comida, se encontra a de não comer carne de porco como ordem direta de Deus. É importante ressaltar que os espíritas não pensam assim, já que as vêem, como já disse, apenas como produto cultural de uma época, portanto não provenientes da Divindade.

Agora vamos ver a passagem citada como resposta à questão de não se comer a carne de porco. A narrativa é de Mateus (cap. 15) que fala sobre os fariseus e escribas questionando a Jesus sobre o porquê dos discípulos não seguirem a tradição dos antigos, já que não lavavam as mãos, quando comiam. É a isso que Jesus diz: “Não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, isto, sim, contamina o homem (v.7)”.

Como os discípulos ficaram em dúvida quanto ao significado do que dissera, e ante o pedido de Pedro, explica: “Não compreendeis que tudo o que entra pela boca desce para o ventre, e depois é lançado em lugar escuso? Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem. Porque do coração procedem os maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas cousas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos não o contamina”.

Veja que, pelo contexto, a frase que usaram, nada tem a ver com carne de porco.

Por outro lado, se aceitarmos que, por essa passagem, Jesus esteja revogando a questão das comidas proibidas, estabelecidas anteriormente por Deus, estaríamos admitindo que Deus tenha mudado de atitude, pois para muitos, Jesus também é Deus. Assim, Ele estaria revogando o que fez anteriormente, significando que houve mudança de atitude. Ora, se Deus mudar algo que tenha feito, Ele já não mais seria Deus, pois estaria contrariando uma de Suas atribuições que é a imutabilidade. Em outras palavras, pode-se dizer que se Deus mudou algo que tenha feito é porque não o fez perfeito, o que é um absurdo, já que, por Ele ser perfeito, não muda nunca.

Mas a grande contradição que vejo é que sempre buscam passagens bíblicas para justificarem o que pensam, não aceitando nada que pessoas de outras correntes religiosas possam argumentar a favor de suas próprias idéias.

Veja, por exemplo, a questão da comunicação com os mortos. Posso dizer, sem nenhuma dúvida, que Jesus se comunicou com os mortos, e já que Ele fez todos nós podemos fazer. Quando Jesus se comunicou com os mortos? Respondo, quando subiu ao Monte Tabor, e na presença de Pedro, Tiago e João, se transfigurou e aparecem Moisés e Elias a conversar com Ele. Bem sabe quem estuda a Bíblia que, e os contraditores do Espiritismo se esquecem, àquela época Moisés e Elias já haviam morrido. Por isso, afirmo: que os que ali se apresentaram eram os espíritos Moisés e Elias.

Mas como nós os Espíritas não admitimos que Deus possa mudar de idéia, dizemos que a proibição sobre a comunicação com os mortos é uma lei Mosaica. Era, mesmo necessária à época, pois Moisés precisava difundir o pensamento de um Deus único, e como os hebreus tinham como deuses os espíritos dos mortos, e até mesmo os adoravam, houve, pois a necessidade de se combater tal prática, uma vez que, se fosse mantida iria dificultar a divulgação de que existia apenas um Deus.

Concluindo, vejo que muitas das interpretações bíblicas, principalmente dos que contradizem o Espiritismo, são apenas de conveniência, feitas para justificar atitudes ou dogmas de suas correntes religiosas bibliólatras.

Agosto/2002.