"A face oculta das religiões" e a coragem de seu autor

Paulo da Silva Neto Sobrinho

É muito difícil a uma pessoa vinculada a um princípio religioso dogmático sair por aí defendendo teses contrárias ao "catecismo" da ideologia religiosa de que faz parte. É por isso que vemos na atitude de José Reis Chaves, algo de valor inestimável, pois que em seu livro "A Face Oculta das Religiões", Editora Martin Claret, coloca alguns pontos que são contrários aos Dogmas de sua Igreja, inclusive sugerindo que ela reveja sua posição dogmática.

De suas reflexões e estudos, saiu com o inevitável questionamento: "Por que a Igreja não libera de vez o Cristianismo dos erros, tornando-o vitorioso de fato?"

Estamos com ele, quando diz que os teólogos: "Com seus votos de obediência à hierarquia eclesiástica, muitas vezes preferem o silêncio a um pronunciamento, que lhes vai acarretar problemas não só de consciência, mas, também, de ordem disciplinar, social e econômica, pois o sacerdote precisa, de modo geral, de seu mister para sobreviver, não querendo perder sem mais nem menos o seu emprego".

Na atitude corajosa desse escritor, vemos claramente a aplicação do ensino de Jesus: "Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará". E, ao encontrar a verdade, conseguiu libertar-se das amarras dogmáticas que o aprisionavam, passando a perceber de forma clara e límpida a grandeza de Deus. Não o Deus do dogmatismo, antropomórfico, que mais parece um carrasco que um Pai amoroso. Quando João disse: "Deus é amor", estava, quem sabe, querendo nos alertar sobre a verdadeira natureza de Deus?

Somente as mentes libertas podem conceber Deus dessa forma, e não mais aceitando a absurda teoria dogmática da punição eterna do pecador no inferno. Aliás, esse é mantido para que os fiéis fiquem subjugados aos seus líderes. E é por isso, também, que as idéias de Deus vingativo e punidor são necessárias a eles.

"A Face Oculta das Religiões" é um livro que traz àqueles que o lerem essa idéia libertadora que o autor conquistou. Seus argumentos racionais, convincentes e precisos não deixam quaisquer dúvidas sobre as importantes questões que aborda, tais como: Deus, a Bíblia, o Cristianismo Primitivo e o Atual, Dogmas, a insustentável Divindade de Jesus, a Santíssima Trindade, o Espírito Santo, Demônios, Anjos, Diabos, a Reencarnação, a TVP (Terapia de Vidas Passadas) e outros assuntos.

É louvável atitude do autor, pois, apesar de que agora não concorda com alguns princípios da sua Igreja, não a deixou totalmente, e, em momento algum, disse algo que viesse a denegri-la. Entretanto, não deixa de falar em seus erros, reconhecendo humildemente ser ela falível, quando a maioria pensa ser ela a única possuidora da verdade religiosa.

Trata-se de um livro de impacto, que mexe com as estruturas religiosas das pessoas, quaisquer que sejam as suas crenças, ao mesmo tempo que enfraquece o radicalismo dos fundamentalistas bíblicos, mostrando que a Bíblia tem o seu grande valor, sim, mas que ela não foi escrita por Deus, mas, por homens, que, mesmo sendo inspirados por Deus ou Espíritos de Luz, por serem seres humanos iguais a nós, e que, por isso, jamais poderiam escrever um livro infalível.

Chama-nos a atenção, também, para que não cometamos a Bibliolatria, ou seja, a adoração da Bíblia, coisa estranha, mas que, de fato, parece ser encontrada em alguns meios radicais seguidores desse mais importante livro sagrado da História da Humanidade.

Nós espíritas que estudamos religiões estamos muito felizes com o fato desse autor ter enveredado por esse terreno do estudo das religiões Isso porque, com as suas lúcidas conclusões, e principalmente, porque, com seus recursos lingüísticos e filosóficos, transmite as suas idéias com uma clareza de causar inveja a qualquer escritor, não deixando nenhuma dúvida para o seu leitor.

E é interessante observarmos que esse livro é uma grande tese espírita baseada na Bíblia, sendo, pois, próprio para os radicais contrários à nossa Doutrina, e que jamais viriam a conhecê-la através de nossas obras, já que nunca as leriam. Mas não deixa de ser também para o espírita mais um pilar de sustentáculo de sua crença, do ponto de vista bíblico.

E esse livro causou uma grande transformação no próprio autor, que hoje assume abertamente a posição de ser católico e espírita. E isso começou a acontecer, a partir do lançamento de outra grande obra sua: "A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência", também da Ed. Martin Claret.

É que ele passou a compreender que as verdades espíritas são inquestionáveis para todas as religiões, e que, antes de ser contrário a elas, é a favor de todas elas. E o fato de a metade dos católicos do ser espírita de algum modo comprova isso.

E Chaves sempre tem afirmado que é católico do Cristianismo Primitivo, isto é, aquele anterior à instituição dos Dogmas. É, pois, um católico bíblico, mas um herege - que sempre houve na Igreja -, o que vale dizer aquele que tem dificuldades em aceitar determinados Dogmas da Igreja. Em síntese, ele professa o que professa o espírita, embora mantenha laços com a Igreja, que ele não deixa, porque alega que basta de divisões religiosas!

E, para corroborarmos o que dissemos sobre a importância do livro, objeto desta matéria, queremos registrar aqui os elogios que lhe têm sido feito, de público, por algumas sumidades do mundo da Ciência e do Espiritismo, tais como o renomado físico e psicobiofísico Dr. Hernani Guimarães Andrade, o apresentador de TV Alamar Régis de Carvalho e o conferencista internacional Dr. Miguel de Jesus Sardano.

E registramos, ainda, que chegou ao nosso conhecimento ter sido ele adotado para leitura e trabalho pela USP (Universidade de São Paulo), em seu Departamento de Sociologia.

Confiram!

Jan/2002.