A alma e os diferentes estados do sono

Valdomiro Halvei Barcellos

“O estudo do sono fornece–nos, sobre a natureza da personalidade, indicações de grande importância. Em geral não se aprofunda muito o mistério do sono, o exame atento deste fenômeno, o estado da alma, da sua forma fluídica durante parte da existência que consagramos ao descanso, conduzir–nos–ão a uma compreensão mais alta das condições do ser na vida do além”.

O sono possui não só propriedades restauradoras (...), mas também um poder de coordenação e centralização sobre o organismo material. Pode, além, disso, provocar uma ampliação considerável das percepções psíquicas, maior intensidade do raciocínio e da memória.

Que é o sono?

É simplesmente a alma que se desprende, que sai do corpo. Diz–se: o sono é irmão da morte. Estas palavras exprimem uma verdade profunda. Seqüestrada na carne, no estado de vigília, a alma recupera, durante o sono, a sua relativa, temporária liberdade, ao mesmo tempo em que o uso dos seus poderes ocultos. A morte será a sua libertação completa, definitiva.

Durante o sono, a alma pode, segundo as necessidades do momento, aplicar–se a recuperar as perdas vitais causadas pelo trabalho quotidiano e a regenerar o organismo adormecido, infundindo–lhe as forças tiradas do mundo cósmico, ou, quando está acabado esse movimento reparador, continua o curso da sua vida superior, pairar sobre a natureza, exercer suas faculdades de visão a distancia e penetração das coisas. Nesse estado de atividade independente vive já antecipadamente a vida livre do espírito: porque essa vida, que é a continuação natural da existência planetária, espera–a depois da morte, devendo a alma prepara–la não somente com as obras terrestres, mas também com suas ocupações quando desprendida durante o sono. É graças ao reflexo da luz do alto, que cintila em nossos sonhos e ilumina completamente o lado oculto do destino, que podemos entrever as condições do ser no além.

Se nos fosse possível abranger com o olhar toda a extensão de nossa existência, reconheceríamos que o estado de vigília está longe de constituir–lhe a fase essencial, o elemento mais importante. Vemos aqui a importância do sono para a evolução, as almas que de nós cuidam do nosso sono para exercitar–nos na vida fluídica e no desenvolvimento dos nossos sentidos da intuição. Efetua–se, então, um trabalho completo de iniciação para os homens ávidos de se elevarem.

Os vestígios desse trabalho encontram–se nos sonhos.

Assim, quando voamos, quando deslizamos com rapidez pela superfície do solo, significa isso a sensação do corpo fluídico, ensaiando–se para a vida superior.

Insistimos também na propriedade misteriosa que tem o sono de fazer-nos senhores, em certos casos, de camadas mais extensas da memória.

A memória normal é precária e restrita, não vai além do círculo estreito da vida presente, do conjunto dos fatos, cujo conhecimento é indispensável por causa do papel que se tem de desempenhar na terra e do fim que se deve alcançar. A memória profunda abrange toda a história do ser desde a sua origem, os seus estágios sucessivos, os seus modos de existência, planetárias ou celestes. Um passado inteiro, feito de recordações e sensações esquecido, ignorado no estado de vigília, está guardado em nós. Esse passado só desperta quando o espírito exterioriza durante o sono natural ou provocado. Uma regra conhecida de todos os experimentadores é que, nos diferentes estados do sono, à medida que se vai ficando à maior distância do estado de vigília e da memória normal, há expansão, dilatação da “memória”.

“O sono de ordinário pode ser considerado como ocupando uma posição que está entre a vida acordada e o sono hipnótico profundo,” este conceito deve fazer o caro leitor meditar longamente e se possível pesquisar.” “E parece provável que a memória pertencente ao sono ordinário liga–se por um lado à que pertence à vida de vigília e, pelo outro, à que existe no sono hipnótico. Realmente assim é estando os fragmentos da memória do sono ordinário intercalados nas duas cadeias”.

“À proporção que nos vamos elevando na ordem dos fenômenos psíquicos, vão se apresentando com maior clareza, com maior rigor e trazem–nos prova mais decisivas da independência e da sobrevivência do espírito”.

As percepções da alma no sono são de duas espécies. Verificamos primeiramente a visão à distância a clarividência, a lucidez, vem depois um conjunto de fenômenos designados pelos nomes de telepatia e telestesia (sensações à distância).”Para complementação da compreensão deste parágrafo sugerimos a leitura da obra de Leon Denis, O problema do ser, do destino e da dor”.

SONO E DESPRENDIMENTO

“Releva, contudo, assinalar que, em se iniciando a criatura na produção do pensamento continuo, o sono adquiriu para ela uma importância que a consciência em processo evolutivo, até não conhecera.

Usado instintivamente pelo elemento espiritual, como recurso reparador, no refazimento das células em serviço, semelhante estado fisiológico carreou novas possibilidades de realização para quantos se consagrassem ao trabalho mais amplo de desejar e mentalizar.

Ansiando por livrar–se da fadiga física depois de determinada quota de tempo no esforço da vigília diária e, por isso mesmo, entregue ao relaxamento muscular, o homem operante e indagador adormecia com a idéia fixada a serviço de sua predileção.

Amadurecido para pensar e lançando de si a substância de seus propósitos mais íntimos, ensaiou pouco a pouco, tal como aprendera, vagarosamente, o desprendimento definitivo nas operações da morte, o desprendimento parcial do corpo sutil, durante o sono, desenfaixando–o do veículo de matéria mais densa, embora sustentando, ligado a ele, por laços fluídicos–magnéticos a se dilatarem levemente dos plexos e, com mais segurança, da fossa rombóide.

Encetado o processo de sonolência, com as reações motoras empobrecidas e impondo mecanicamente a si mesma o descanso temporário, no auxílio às células fatigadas de tensão, isto desde as eras remotas em que o pensamento se lhe articulou com fluência e continuidade, permanece a mente, através do corpo espiritual, na maioria das vezes, justaposta ao veículo físico, à guisa de um cavaleiro que repousa ao pé do animal de que necessita para a travessia de grande região, em complicada viagem, dando–lhe ensejo à recuperação e pastagem, enquanto ele se recolhe ao próprio íntimo, ensimesmando–se para refletir ou imaginar, de conformidade com os seus problemas e inquietações, necessidades e desejos.”

ASPECTOS DO DESPRENDIMENTO

“Dessa forma, aliviando o controle sobre as células que a servem no corpo carnal, a mente se volta, no sono, para o refugio de si mesma, plasmando na onda constante de suas próprias idéias as imagens com que se compraz nos sonhos agradáveis em que saca da memória a essência de seus próprios desejos, retemperando–se na antecipada contemplação dos painéis ou situações que almeja concretizar”.

Para isso, mobiliza os recursos do núcleo da visão superior, no diencéfalo, de vez que, ai, as qualidades essencialmente ópticas do centro coronário lhe acalentam no silêncio do desnervamento transitório todos os pensamentos que emergem do seio.

Noutras ocasiões, no mesmo estado de insulamento, recolhe, no curso do sono, os resultados de seus próprios excessos, padecendo a inquietação das vísceras ou dos nervos injuriados pela sua rendição à licenciosidade, quando não seja o asfixiante pesar do remorso por faltas cometidas, cujos reflexos absorvem do arquivo em que se lhe amontoam as próprias lembranças. Numa e noutra condição, todavia é a mente suscetível a influenciação dos desencarnados que, evoluídos ou não, lhe visitam o ser, atraído pelos quadros que se lhe filtram da aura, ofertando–lhe auxílio suficiente quando se mostre inclinada à ascensão de ordem moral, ou sugando–lhe as energias e assoprando–lhe sugestões infelizes quando, pela própria ociosidade ou intenção maligna, adere ao consórcio psíquico de espécie aviltante, que lhe favorece a estagnação na preguiça ou a envolve nas obsessões viciosas pelas quais se entrega a temíveis contratos com as forças sombrias.

Mas dessa função de espectador à função de agente existe apenas um passo.

O pensamento contínuo, em fluxo insopitável, desloca–lhe a organização celular perispiritual, à maneira do córrego que em sua passagem desarticula da gleba em que desliza todo um rosário de seixos. E assim como os seixos soltos seguem a direção da corrente, lapidando–se no curso dos dias, o corpo espiritual acompanha, de início, o impulso da corrente mental que por ele extravasa, conscienciando–se muito vagarosamente no sono, que lhe propicia meia–libertação”.

O estudo do sono relacionado com a mediunidade poderá ser tratado em outros artigos.

VIDE: Evolução em dois mundos,de Francisco Xavier/André Luis, espírito.

Interrompemos nosso modesto estudo sobre o fenômeno do sono; nosso objetivo foi tentar elucidar, de uma forma simples e castiça a questões comumente a nós formuladas por pessoas também simples e interessadas em aprender. Muito teríamos que discorrer a respeito de: sono magnético, sonoterapia, sono e mediunidade, princípio da exteriorização da alma, sonambulismo, dupla–vista , êxtase. Talvez em outra oportunidade. Deixemos agora o espaço a outros cooperadores, sugerindo aos leitores que pesquisem em torno destes assuntos.

Concluímos que tudo está bem organizado pelo Criador, há harmonia e equilíbrio em tudo, a nossa natureza esta muito bem estruturada, obviamente. O descanso é uma recompensa da natureza. O sono é o salário do trabalhador. Vivamos cristamente e estaremos sempre com a consciência tranqüila.

Bons sonhos.