Dá-lhes de comer

Valdomiro Halvei Barcellos

Ante a multidão esfomeada não perdeu a oportunidade, o Mestre, de dar aos discípulos o entendimento de que os necessitados de luz existem em todas as circunstâncias.

Ainda hoje é assim: os carescentes de Luz, com fome de espírito, padecentes de espiritualidade. Precisam muito mais de alimento espiritual.

O alimento das Almas, por todos os seguidores do Cristo, pode ser fornecido!

Jesus legou o Evangelho do Senhor Deus conversando! Como seria colocada a voz do Divino Rabi para a multidão? De que engenharia acústica se utilizaria? O Mestre falava aos Corações, buscava os sentimentos que tocam na Consciência de cada um.

Comuniquemo-nos uns com os outros, o que vale dizer: ajudemo-nos uns aos outros, para aprendermos a amar uns aos outros!

Relacionamo-nos todos os dias com Pessoas com sua auto-estima em baixa. Com seus perfis psicológicos confusos, ansiosos, angustiados, melancólicos e deprimidos. Irmãos do caminho cansados de deixarem o "barco correr", "tirar o time de campo", "manterem a cabeça fria", desligada de sua capacidade de sentir colonizada pelas induções do materialismo, fugitivos dos "carinhos frios" fechados na solidão. Tudo isto se refletindo no seu Psicossoma, através de patologias várias; sem harmonia consigo, porque não aprenderam ou desaprenderam de gostar de si, estendendo esse desgosto às pessoas significativas, inclusive. As neuroses, as personalidades psicopáticas, as psicoses, todo um concerto de infortúnios!

Os seguidores de Jesus não devem perder a oportunidade de ajudar. Doar a amizade sem esperar retribuição.

Sejamos aqueles que tirarão as pedras das sepulturas de suas mentes, para que possam ouvir a Voz do Divino Amigo. Os que os desenrolarão e deixarão ir caminhando com eles os "miles" passos necessários até que consigam andar com suas próprias pernas!

Os candidatos a seguir as pegadas do Nazareno deverão estar disponíveis para estabelecer uma Relação de Ajuda. Relação esta que pode ser entendida como sendo: resposta à pessoa que nos procura, em nível de igualdade, tratando-a exatamente como nós mesmos gostaríamos de ser tratados: com disponibilidade, responsabilidade, ética, sigilo, respeito, compreensão, aceitação incondicional e sem censura...

Quem doa Amizade para Ajudar, por seu comportamento e atitudes, deve transmitir para o Ajudado a certeza de que ele não está só e que é uma pessoa importante. Doar amizade, em essência é doar Afeto!

Pergunte-se: "Se eu estivesse sofrendo muito, até mesmo pensando em suicídio e procurasse alguém: gostaria de encontrar quem me dissesse que é errado ou tolo sentir-se assim; ou, alguém que tivesse tempo de me ouvir?

Rejeição ou voz calma, cálida? Alguém que me faça sentir embaraço; ou, que me assegurasse de que não sou louco? Alguém que me fizesse uma preleção ou passasse um sermão, repreensão; ou, me tratasse com ternura, fazendo-me sentir importante? Que me interrogasse; ou, acreditasse em mim sem eu ter que provar tudo?... Que me desse falsa informação "tudo estará bem amanhã"; ou, que me acompanhasse?... Ser rebaixado, criticado analisado, categorizado; ou, sentir-me seguro? Que me digam o que fazer ou respeito? Conselhos e soluções; ou, atenção completa; piedade; ou, compreensão? Ser mandado; ou, esperança? Ouvir experiências dos outros; ou, estar no comando do que acontece comigo e ser colocado a vontade? Paternalismo, conversa vazia; ou, aceitação, confiança na outra pessoa?"

Bibliografia: