Possibilidades da reencarnação

Valdomiro Halvei Barcellos

DA VIDA ESPÍRITA

A alma reencarna logo depois de se haver separado do corpo?

Algumas vezes reencarna imediatamente, porém de ordinário só o faz depois de intervalos mais ou menos longos. Nos mundos superiores, a reencarnação é quase sempre imediata. Sendo ai menos grosseira a matéria corporal, o espírito, quando encarnado nesses mundos, goza quase que de todas as suas faculdades de espírito, sendo o seu estado normal o dos sonâmbulos lúcidos entre vós.

Que é a alma no intervalo das encarnações?

Espírito errante, que aspira a novo destino, que espera.

a) Quanto pode durar esses intervalos? Desde de algumas horas até alguns milhares de séculos. Propriamente falando, não há extremo limite estabelecido para o estado de erraticidade, que pode prolongar–se muitíssimo, mas que nunca é perpétuo. Cedo ou tarde, o Espírito terá que volver a uma existência apropriada a purifica–lo das máculas de suas existências precedentes.

b) Essa duração depende da vontade do Espírito, ou lhe pode ser imposta como expiação?

É uma conseqüência do livre–arbítrio. Os Espíritos sabem perfeitamente o que fazem. Mas, também, para alguns, constitui uma punição que Deus lhes inflige. Outros pedem que ela se prolongue, a fim de continuarem estudos que só na condição de Espírito livre podem efetuar – se com proveito.

O Livro dos Espíritos, cap VI, questões: 223 – 224.

PROCESSO REENCARNATÓRIO

Questão 171 de O Livro dos Espíritos. Em que se funda o dogma da reencarnação?

Na justiça de Deus e na revelação, pois incessantemente repetimos: o bom pai deixa sempre aberta a seus filhos uma porta para o arrependimento. Não te diz a razão que seria injusto privar para sempre da felicidade eterna todos aqueles de quem não dependeu o melhorarem – se? Não são filhos de Deus todos os homens? Só entre os egoístas se encontram a iniqüidade, o ódio implacável e os castigos sem remissão.

Ao tratarmos de assuntos científicos desejamos informar, antes de qualquer coisa, que a Doutrina Espírita alberga em seu seio as raízes da ciência e as conquistas que a mesma vem realizando; entretanto, com o conhecimento que já possuímos sobre a reencarnação e imortalidade, os horizontes dessa mesma ciência se ampliam e clarificam muitas posições ainda desconhecidas. O processo da conjugação dos gametas, que investe um espírito em espírito reencarnante, representa um dos mais expressivos mecanismos da Biologia. A conjugação entre o campo espiritual e o campo físico não se faz ao acaso e estará na dependência de múltiplas condições, onde a maioria delas absolutamente desconhecida. Mas existirá um momento em que o espírito reencarnante ocupará o ovo em formação buscando, obrigatoriamente ou não uma nova romagem, uma nova missão, um novo campo renovatório para as suas experiências.

Nenhum espírito chegará ao processo reencarnatório sem uma atração específica com a suja futura mãe A procura do campo materno está baseada em ligações onde inúmeros fatores entrarão em jogo. O Mergulho na reencarnação só se dará quando a sintonia entre mãe e futuro filho estiver praticamente indissolúvel, isto é, quando o processo tiver atingido o ponto ideal de entrosamento de vibrações pelas zonas espirituais de ambos participantes (mãe e filho).

Quando o fenômeno atingir certa maturidade, a sintonia se estreitará, cada vez mais, entre a mãe e o espírito reencarnante; ambos ficarão inundados, por esta hipnose mútua, das respectivas energias. O filho influenciando a mãe e por ela sendo influenciado, embora cada um conserve as suas mais intimas características. O momento da reencarnação desencadeia para o Espírito uma série de reações a repercutirem em sua organização. De modo geral, o espírito candidato à reencarnação se mostra com o aspecto da última etapa terrena, às expensas de suas energias perispirituais.

Estas modelam o seu aspecto e forma. O mergulho na carne, para nova etapa, permite que os campos perispirituais sofram um processo especifico de redução, de concentração, um verdadeiro encolhimento. Nessas condições, partes das energias perispirituais são cedidas à natureza como o corpo físico o foi no processo de cadaverização da forma anterior. Fica, assim, uma pequena camada envolvendo as zonas nobres do espírito, de forma mais ou menos ovóide, tanto mais reduzida quanto menos evoluído for o ser.

O campo de energias do espírito reencarnado vai ocupar a zona uterina da mãe que engravidou, com perda total da consciência; o grau de inconsciência estará relacionado ao processo redutivo: quanto maior for à redução perispiritual, maior será o processo hibernatório do espírito reencarnante, conseqüentemente da desenvoltura do fenômeno. Quanto mais evoluído for o espírito reencarnante, mais tomará consciência do processo.

Dessa forma, estamos a ver que a natureza se protege diante dos que não se encontram preparados e em condições de auxiliar o processo. Se o involuido participasse do fenômeno, é claro que interviria de modo negativo e destrutivo; hibernando, o espírito obedecerá, cegamente, as forças instintivas em suas corretas determinações.

O espírito reencarnante como que se albergará nas malhas das energias perispirituais maternas, sofrendo a sua influencia e também influenciando, em parte, a matriz. Conforme essa influencia, teremos reflexos benignos quando a mãe grávida sente-se alegre, feliz e carregando uma intraduzível harmonia; também certos sintomas negativos e desarmonizados que muitas mães apresentam estarão ligados às influencias do reencarnante, quando sempre pouco evoluído a esparzir as vibrações negativas de sua própria faixa.

Muitas dessas influencias estão ligadas ao espírito reencarnante, mas, muitas outras estarão ligadas à própria organização corpórea, às mudanças metabólicas e outras reações comuns do período gravídico.

Existem certos casos ligados ao espírito reencarnante que transfundem na mãe que o albergou imensa felicidade. Muitas mães que se encontram nesta faixa, entram em verdadeiros êxtases quando o filho começou a ser gerado em seu interior. As irradiações desses espíritos são tão benéficas que elas ficam paradas, com o olhar perdido no infinito e dizendo: o que está acontecendo comigo? Quando o esposo pergunta – lhe o que está acontecendo, nada sabem dizer; é como se dissessem: não mexa com os meus sonhos. Se os esposo insiste para que diga algo, logo replicam: não posso nem dizer o que há. Existem sensações que são indizíveis... Qualquer que seja a qualidade do espírito reencarnante, haverá sempre com a mãe correlações de causas, onde ambos lucrarão sempre, no sentido evolutivo, quer os mecanismos se exteriorizem nas faixas do amor ou do ódio, com as suas imensas variações. Acoplado à mãe que o recebeu, o espírito reencarnante estará influenciando, com as suas vibrações, o processo da fecundação e, com isso, a escolha do espermatozóide que penetrará o óvulo.

Expliquemos: quando o espírito sintonizou com a matriz materna, estaria inundando, com o seu potencial, a organização feminina, principalmente o óvulo. Este, sob influencia dos campos energéticos do espírito reencarnante, selecionará o espermatozóide que possa determinar o sexo (X ou Y). Se o espermatozóide de cromossomia sexual Y fecundar o óvulo, o produto será masculino; se o de cromossomia sexual X, o produto será feminino. Mais uma vez acentuemos: o espírito reencarnante, com o seu campo específico de energias, fará a seleção do espermatozóide pelas contingências de suas irradiações, adquirindo e construindo o futuro corpo (futura personalidade) de acordo com as suas necessidades, o que vale dizer, e acordo com sua missão. Essa hipótese torna – se bem mais plausível do que a idéia de um acaso biológico e sem sentido.

O Espírito passa a ser o artífice de seu corpo físico, com determinada polaridade sexual, pelo impulso que traz consigo no sentido de cumprimento de sua missão.

Assim, a onda morfogenética da espécie seria a conseqüência das atividades do espírito na organização física. O espírito aproveitará os potenciais genéticos dos genitores, porém manipulará a dança dos cromossomos na destinação dos fatores hereditários. Quando o ser formado, no caso da espécie humana após nove meses, todo aquele resultado dependeu dos fatores genéticos do espermatozóide e do óvulo, mais a orientação do espírito reencarnante como campo organizador da forma ou simplesmente o organizador biológico.

Por tudo, o ser formado jamais seria a conseqüência de um acaso biológico e muito menos o seu pólo sexual. Os impulsos do espírito reencarnante seriam os fatores diretivos de toda essa complexa mecânica.

COROA PROTETORA

Um outro ponto de interesse, no processo fecundativo, é o da quantidade imensa de espermatozóides lançados nas vias femininas, em volta de 180 milhões por ejaculação alguns pesquisadores afirmam que esta quantidade pode vir a ser muito maior. Sabemos que um único espermatozóide alcançará o óvulo, a fim de fecunda – lo. Qual seria o porquê dessa quantidade imensa de células masculinas? Diz a nossa biologia que é para não haver falhas; o mais apto dos espermatozóides deverá alcançar o óvulo. Estamos de acordo, até certo ponto, com estas premissas. É claro que deverá haver uma quantidade maior de células masculinas, mas milhões por ejaculação nos parece exagero, em face de uma falha de 50 ou 100 células. Deve haver outra finalidade. Esta quantidade deve representar algo importante. Tudo que existe na natureza tem posições bem definidas.

Sabemos, hoje, que vivemos envolvidos em energias de todos os matizes e a organização animal não foge a essa condição. As células emitem irradiações e os espermatozóides, como células independentes e dotadas de movimentos, são mais credenciadas ainda de possuírem intensas cargas de energias.

Quando o óvulo foi fecundado (por um único espermatozóide) transformado em ovo, milhares de espermatozóides encontram - se em volta da célula feminina fecundada e não podendo invadir a célula pela existência de uma camada de secreção especial (fertilizina). Portanto, em volta da célula feminina fecundada (ovo), nas 48 e 72 horas que se seguem, os espermatozóides tendem a morrer e vão sendo absorvidos pelo organismo feminino; entretanto, lá estaria uma coroa de energias, oriunda das irradiações dos espermatozóides que estão fisicamente desaparecendo. Esta coroa de energias perduraria apões o desaparecimento das células masculinas e teria o papel de proteger, vibratoriamente, o ovo contra investidas espirituais e de outra natureza que não aquelas do espírito reencarnante, em fase hibernativa. Seria uma proteção na faixa dimensional mais avançada das energias espirituais. Esta hipótese colabora na explicação do porquê da grande quantidade de células masculinas no cenário do processo da conjugação dos gametas. Com isso, poderíamos afirmar que a prodigalidade da natureza, neste setor, seria antes de qualquer coisa a de alcançar uma proteção vibratória para o espírito reencarnante, quando de seu mergulho na matéria.

Essas energias resultantes das irradiações dos espermatozóides continuariam a sua função na formação de um campo – duplo etérico – que serviria para os contatos entre o espírito e a matéria, a fim de que essa pudesse submeter – se à sua categorizada direção e caminhar nas linhas corretas da morfogênese da espécie.

Por tudo, o espírito seria o campo organizador e sempre de acordo com os implementos energéticos que carrega consigo. Se for portador de harmonia e vibração construtiva transferirá, aos genes dos cromossomos, as condições de higidez; se carregado de vibrações daninhas e desarmônicas passará aos campos materiais, através das telas dos genes cromossomiais, os seus desequilíbrios e desordens. Assim, muitas doenças espirituais são transferidas para o corpo que as abriga como uma necessidade de colher nas dores os processos liberatórios. O espírito quando doente, muitas vezes por atração já sintoniza com os potenciais genéticos de familiares doentes, mostrando, assim o campo de suas necessidades. Na colheita das dores estará um dos mais efetivos mecanismos do avanço evolutivo.

Estamos a ver e sentir que o espírito ao reencarnar procura ou é conduzido para as posições que a evolução ao situa. Sendo ele (espírito) o artífice do próprio corpo, dentro de suas próprias condições, colherá sempre o que semeou, e a lei de justiça se fará sempre em qualquer terreno de suas atividades, porém de modo bem específico, no processo da herança.

A criança após formação será, sem sombras de dúvidas, o resultado das suas próprias fontes espirituais em ação na zona física. Estamos no lugar certo e no momento adequado com tudo àquilo que nos pertence, de bom ou de mal, de erros ou acertos, de conquistas intelectuais ou atrazos mentais, de emoções sadias ou perturbadoras. No corpo físico, somos sempre o efeito da influência de nosso próprio espírito.

Assim considerando seria possível à reencarnação do próprio parceiro. Vamos por parte: a reencarnação do próprio parceiro. A) Dois seres humanos, homem e mulher. Convivem em comunhão de sentimentos e de sensações; esta união do casal é obsessiva, simbióticamente – obsessiva. B) Um casal mantém relações próximas do Amor – sublime. Questão: Ela pode vir a gestar o companheiro, o comparsa, o consorte, o cônjuge? Ele ao ejacular nela poderá vir a se reencarnar ou ele poderá se reencarnar na companheira, comparsa, consorte, cônjuge?

Por tudo até agora pesquisado sou de parecer que o ser humano homem pode reencarnar concomitantemente no caso de vir a falecer por ocasião de um seu ato sexual, porque os espermas devem percorrer num curto espaço de tempo o caminho existente até o óvulo que se desloca no interior da Trompa de Falópio.

CONSIDERAÇÕES

A Alma algumas vezes reencarna imediatamente. Os intervalos podem durar desde algumas horas até alguns milhares de séculos.

Os intervalos podem durar algumas horas.

Tempo de trânsito dos Espermatozóides para o interior do útero e/ ou das trompas.

A fecundação do óvulo materno somente se verifica algumas horas depois da união genesíaca. O elemento masculino deve fazer extensa viagem, antes de atingir o seu objetivo. Após o que depois de haver o projétil espermático haver dilacerado a cutícula da célula feminina, esta se enrijece de modo singular, cerrando os poros tenuíssimos, como se estivesse disposta a recolher-se às profundezas de si mesma a fim de receber, face a face, o esperado visitante, e impedindo a intromissão de qualquer outro dos competidores, que haviam perdido a primeira posição na grande prova. O elemento vitorioso prosseguiu a marcha depois de atravessar a periferia do óvulo, gastando pouco mais de quatro minutos para alcançar o seu núcleo.

Nos Mundos Superiores, a reencarnação é quase sempre imediata.

O sentimento de Amor – Sublime semelhante aos dos Mundos Superiores.

Uma atração especial.

A Sintonia: por obsessão; hipnose mútua; encantamento; amor.

Acolamento.

Os Espíritos em nível de consciência primitiva e ou de sono, ou sob os impérios da animalidade de I Ordem. Correlação cármica de débitos.

Parasitóse - psíquica.

Quanto mais evoluído mais participa do processo reencarnatório.

Tempo de morte dado ao de cujus.

Nenhum Espírito chegará ao processo reencarnatório sem uma atração específica com sua futura mãe.

O mergulho na reencarnação só se dará quando a sintonia se fizer fina, isto é, na faixa do batimento zero; com o entrosamento das Zonas Espirituais.

O indivíduo que vier a desencarnar poderá vir a nascer através do processo da clonagem sendo o óvulo fertilizado o de sua própria companheira, mãe, etc...

REPRODUÇÃO ASSEXUADA

É o tipo mais simples e mais rápido de reprodução, em que um só indivíduo origina outro, ou outros, sem que seja necessária a formação de células especiais. Os descendentes produzidos assexuadamente a partir de um só indivíduo constituem em clone. A menos que ocorram mutações, todos os membros de um clone compartilham de uma mesma constituição genética, ou seja, não há variabilidade genética. Este é um processo vantajoso: pois permite a multiplicação numerosa e rápida; para uma população homogênea adaptada a um meio estável, isto é, a um meio onde não haja mudança na pressão de seleção natural. Se o meio mudar desfavoravelmente e afetar um deles, afetarão igualmente todos os outros; quando se deseja perpetuar certas peculiaridades de uma espécie que, por algum motivo, perdeu a capacidade de se reproduzir sexuadamente (sementes estéreis, tipos novos obtidos por cruzamento artificial de duas espécies próximas), ou então que poderia perder características interessantes através da reprodução sexuada, como a roseira, cana – de – açúcar, batata, mandioca etc.

“...Deus criou por toda a parte alternativas para o processo de renovação da vida...” O Amor platônico ficará demonstrado os conceitos de sexo terão que ser revistos pela sociedade conservadora, hipocritamente moralista; com uma visão evolucionista – futurista é a que devemos caminhar de agora em diante a clonagem é irreversível e outros meios surgirão com a Sociedade INTELECTO – MORAL, de que fala Kardec em as Obras Póstumas.

O sexo não terá uma função somente reprodutiva que coloca a mulher como uma máquina parideira ou forno de fornadas, sem direito ao prazer, direito este que vem conquistando com profundas seqüelas psicológicas, principalmente no Ocidente. Hoje ainda alguns estudiosos colocam a reprodução e a perpetuação da espécie através da fecundação sexuada como precípua. Os novos meios de reencarnação que surgirão, tais as clonagens, oferecerão as vantagens em tela e proporcionarão mais estesia.

Já estamos no limiar evolução possível ao homem neste planeta Terra; estado evolutivo, este, em que o homem e a mulher terão a forma física não como cativeiro e sem o império absoluto das sensações carnais; diante do fenômeno da presença física, bastará na maioria das vezes uma palavra um olhar, um simples gesto de carinho e compreensão para receberem do coração amado o magnetismo criador, impregnando - o de força e estímulo para as mais sublimes edificações. E, assim homem e mulher substituirão, na prática, ' a União sexual pela expressão União de Qualidades'.

(Trato deste assunto em um trabalho cujo título é a Psicologia Espírita nas Obras de Chico Xavier).

Atenciosamente.

Muita Paz e Otimismo.

Halvei. halvei@bol.com.br