Atendimento Fraterno

Helena Delfino Bragatto

de São Carlos, SP

"Vinde a mim, todos os que andais em sofrimento e vos achais carregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração e achareis descanso para vossas almas. Porque meu jugo é suave e o meu fardo é leve".
(Mateus, XI: 28-30)

A doutrina Espírita apresenta todas as características do "Consolador Prometido", pelo Atendimento Fraterno que se expressa de múltiplos modos, seja nos aspectos teóricos e práticos da educação, como do alívio físico e espiritual das dores do corpo e da alma.

Atendimento Fraterno nasce na intenção de auxiliar, estender-se na ação prática e vai além, consolação que impregna o ser para sempre.

Portanto, todas as formas que visam auxiliar o próximo em suas aflições, desde que aliadas as Leis de Deus, sem qualquer interesse de retribuição ou apego, são válidas.

Allan Kardec afirma que a Doutrina Espírita antes de tudo, é uma questão de bom senso.

O Atendimento Fraterno que ocorre em muitas Casas Espíritas, reveste-se também de um diálogo reservado, discreto, onde o irmão aflito possa expor as dores de sua alma sem constrangimentos, confiando naquele que o atende e o ouve com respeito.

Desde que este atendimento seja realmente fraterno, discreto, com a intenção de aliviar o irmão que sofre, com palavras sensatas, com base no Evangelho e encaminhá-lo para outros atendimentos da Casa, tais como: Passes, Desobsessão, etc., é perfeitamente válido e consolador.

Infelizmente, algumas pessoas confundem o Atendimento Fraterno, com Seção de Psicoterapia, entrando assim num campo, que o simples bom senso indica um profissional dessa área, para não faltar-se ao dever da caridade e da ética universal.

É de imensa responsabilidade estar num trabalho como este e nem toda pessoa é apta, experiente e matura para assumi-lo.

Como não se tem "bola de cristal" para adivinhar, faz-se necessário lembrar que há questões que podem passar pelos atendimentos espirituais, porém, a maioria dos casos, não dispensa de forma alguma, a assistência conjunta de médicos, analistas, psiquiatras, psicólogos, etc., pois estes também são missionários da ciência, prontos para auxiliar.

Esclarece André Luiz, que os profissionais dessas áreas, religiosos ou ateus, possuem retaguarda espiritual, pela delicadeza e importância de suas tarefas.

Atendimento Fraterno, sim, mas é preciso compreender mais e melhor tudo o que se lhe diga respeito.

(Jornal Verdade e Luz Nº 184 de Maio de 2001)