Caridade: Fonte de Luz e Amor

Joanira Necas Soares

de Ribeirão Preto, SP

Chegou dezembro, as cidades brilham e rebrilham, centenas de milhares de lâmpadas são acesas para enfeitar os lares, as lojas, as ruas, as praças...

É Natal, um sentimento novo invade a alma humana. Sonha-se com presentes, cestas básicas, visitas a asilos, creches, hospitais, internatos e muitos desses sonhos se tornam reais. A vida pulsa num novo ritmo, há um clima de solidariedade no ar.

Além dos vínculos afetivos estreitados entre os familiares consangüíneos, se estabelecem nesta época do ano muitos laços do Amor Universal e dessas ações muitas se perpetuam pelo resto de vida. Alguém prova o sabor da beneficência e descobre o valor incondicional da caridade. Semelhante cooperação é fundamento inalienável do Bem.

Nesses tempos natalinos várias expressões de beneficência surgem como impositivo do amor. Que lindo! Muito louvável qualquer ação benéfica que valorize a vida do semelhante, que alivie a fome, o abandono, a falta de remédio aos doentes, as dificuldades financeiras em que vivem um número expressivo de instituições de caridade, porém, caridade real é somente aquela ação que se amplia em nossas vidas como transfusão de amor de coração para coração. É aquela ação que nos integra à grande família humana, nos interligando aos nossos protegidos em amor e convivência.

A caridade pode se manifestar como instinto de solidariedade e progredir à medida que se dilata a compreensão e se aperfeiçoa o sentimento. Quando se aloja no território íntimo de nossas almas, não se liga mais a conveniências, épocas natalinas ou oportunidades, alcança processos humanos inimagináveis e representa, dessa forma, os objetivos superiores da vida, integrando o ser humano em comunhão plena com a Luz Maior que verte do Criador.

O otimismo momentâneo do natal é bem vindo num mundo que ainda sofre de falta de amor e de necessidades básicas, no entanto que bom será quando nós, habitantes deste Planeta, vivermos na expressão verdadeira do bem um natal permanente em nossas vidas, aí atenderemos de fato ao que prenunciou nosso insigne codificador, Allan Kardec: "Fora da caridade não há salvação".

(Jornal Verdade e Luz Nº 179 de Dezembro de 2000)