Justiça

Ângela do Carmo Pestana

de Ribeirão Preto, SP

Há um ensinamento de Jesus no Evangelho de São Lucas(1), cap. VI, v. 31, que diz: “Tratai todos os homens da mesma forma que quereríeis que eles vos tratassem”, nós temos que aprender a colocar em prática em nosso dia-a-dia este ensinamento que pode nos ajudar a termos maior compreensão e respeito entre os nosso relacionamentos, uns para com os outros.

A Doutrina Espírita ensina que fora da caridade não há salvação. Se estamos vendo atos de violência no mundo, não é com mais violência que vamos resolver esse problema social que está aterrorizando a população mundial.

Para uma pessoa materialista, que tudo acaba com a morte, a sentença da pena de morte poderia resolver esse problema da violência. Para quem acredita que existe vida após a morte deve saber que a pena de morte não irá resolver este problema, que a pessoa condenada a essa sentença não vai transformar o Espírito condenado ao arrependimento pelos seus atos desagradáveis, que talvez se torne um Espírito obsessor querendo se vingar pelo seu desencarne forçado e estúpido.

Em uma mensagem, o Espírito Emmanuel(2), diz: “De qualquer modo, se a ofensa te procura, cala e perdoa sempre, porque se o Mestre nos exortou ao amor pelos inimigos, também nos advertiu que a mão erguida à delinqüência da espada, agora, hoje ou amanhã, através da espada se ferirá”, com isso podemos saber que tudo que fazemos tem as suas conseqüências e a vingança só nos levará ao desequilíbrio espiritual que trará sofrimentos e conclui: “Se procuras a paz, olvida todo mal e dedica-te ao bem, porquanto somente o bem te descerrará caminho par as bênção de luz”, se nós queremos a paz então vamos trabalhar para tê-la, educando e ajudando aqueles que estão no caminho desviado do bem para que consigam deixar seus gestos errôneos e viverem na decência e honestidade.

Se nós queremos justiça, então que façamos justiça, mas não com atos de vingança e ódio, mas com amor.

Bibliografia:

(Jornal Verdade e Luz Nº 192 Janeiro de 2002)