Vocações

Leda de Almeida Rezende Ebner

de Ribeirão Preto, SP

É comprovado pela observação que a pessoa que trabalha, segundo sua vocação, é mais feliz, mais segura, independente do grau de dificuldade existente no trabalho.

Pessoalmente, chego até a ousadia de afirmar que, geralmente, uma das causas da infelicidade do homem é sentir-se obrigado a trabalhar em algo que não lhe proporciona prazer interiormente.

Muitas e muitas vezes porém, o homem, embora não goste do que faz, sente prazer pela recompensa em forma do dinheiro ou da importância social ou do poder que seu trabalho pode oferecer. Todavia, quando a ilusão dessas satisfações se desfaz, por fastio ou maturação espiritual, ele percebe ter-se violentado em seus ideais vocacionais, pelo vazio que sente dentro de si.

Vocação é: “Tendência, propensão ou inclinação para qualquer estado, profissão, ofício, etc.” Disposição natural do espírito, índole.”

Segundo o espiritismo, essa vocação natural é fruto do desenvolvimento espiritual, nas diversas experiências vividas, em muitas e muitas reencarnações, pelo Espírito imortal.

Como o Espírito é destinado a alcançar a perfeição possível, pelo desenvolvimento de todo o seu potencial, sempre pelo uso do seu livre arbítrio, que o faz interessar-se por isso ou aquilo, segundo sua estrutura, sua capacidade de raciocínio e sensibilidade, as vocações apresentadas, em determinada existência, representam o campo de ação que lhe é mais favorável ao seu grau evolutivo e às suas necessidades atuais.

   Violentá-las, sejam quais forem os motivos ou as estimulações, é tornar mais difícil a caminhada nesta existência. Evidentemente, que a pessoa que assim faz, também está seguindo o seu livre arbítrio nesse momento, mas será que está fazendo a escolha certa, a escolha que vai auxiliá-la a sentir-se mais feliz nesta vida? Pode até ser competente e eficiente, se for inteligente e disciplinada, mas sentirá prazer e amor no que faz? Entrega-se com alegria nas suas atividades profissionais? Enfim, sente-se realizada, interiormente?

Quando se faz o que se gosta, esquece-se de outras preocupações também necessárias, pelo interesse, pela entrega ao que se está realizando. Esta é uma felicidade que podemos ter e sentir, aqui na Terra.       

Existem, é verdade, muitas pessoas que, impedidas por motivos diversos, são levadas a trabalhar em profissões que não lhe satisfazem. Estariam elas condenadas a ser infelizes nesta existência? É claro que não. Ninguém nasce para ser infeliz. Todos temos a chance de gozarmos de uma felicidade relativa na Terra, desde que, consigamos perceber que felicidade é um estado interior, que depende da maneira como encaramos as situações e os acontecimentos e, consequentemente, como reagimos a eles.

Aqueles que não conseguem realizar seus sonhos, originados nas suas inclinações naturais, por circunstâncias alheias à sua vontade, podem, pelo seu livre arbítrio, sentir-se frustrados, amargurados e, viverem o resto da vida sentindo-se vítimas, sofrendo todas as conseqüências desse estado ou, podem também, usando a razão, compreender os motivos impeditivos, e procurar tirar das novas experiências toda a satisfação possível para satisfazer suas necessidades materiais e espirituais. Muita vezes, renunciar ou adiar sonhos, pode ser o início de novas experiências gratificantes e renovadoras!

Sempre que possível, busquemos auxiliar o jovem na percepção de suas vocações, sem desejos de influenciá-los através dos nossos sonhos frustrados ou dos nossos ideais, que podem não ser os deles. Mostremos a eles que, geralmente, quem faz o que gosta, consegue sucesso e realização pessoal. Sentir-se realizado na profissão, é uma das felicidades possíveis no mundo no qual vivemos.

Sempre que estivermos em dúvida quanto ao caminho a ser seguido, lembremo-nos de Jesus, que não se deixou influenciar por nada que o desviasse de sua missão, de sua tarefa sublime e lembremo-nos de quantas pessoas, que tendo inteligência e sensibilidade para atividades nobres, desviam-se para outras, iludidas pela facilidade de obter vantagens materiais, de forma mais rápida e, supostamente, mais fácil.

(Jornal Verdade e Luz Nº 190 de Novembro de 2001)