Desenvolvimento mediúnico

08/09/2003 0 Um médium que iniciou seu desenvolvimento através da psicografia deverá exercitar sempre? Com que freqüência? O que deverá fazer: perguntas ou aguardar que venha em sua mente as intuições e só então escrever?

As sessões de desenvolvimento mediúnico devem ser realizadas no centro espírita e sob a supervisão de pessoa capacitada, que entenda realmente do assunto. A psicografia clássica é a mecânica, em que o médium pode estar conversando ou lendo uma revista e ao mesmo tempo psicografando. Neste caso, se os exercícios forem improdutivos, saírem apenas rabiscos sem significados, após alguns meses de exercícios, não haverá razões para continuar.

No caso da psicografia semi-mecânica ou intuitiva, vai depender do bom senso do médium e dos dirigentes. Quanto aos exercícios podem ser semanais ou duas vezes por semana. O perigo é a fascinação. Conhecemos médiuns que por qualquer motivo querem psicografar. Conhecemos pessoas que acordam a noite e já tem papel e lápis para escrever. Já vimos mulheres que estando cozinhando começam a psicografar e acabaram queimando a comida.

Allan Kardec conta, na Revista Espírita o caso de um homem que sua única preocupação era psicografar e o desejo era tão intenso que na falta de lápis ele fingia escrever com o dedo.

Esperar uma manifestação espontânea ou fazer perguntas é indiferente. O importante é que o texto supostamente psicografado, tenha coerência. Coloque datas em todas as psicografias para comparar a evolução.

Peça para pessoas competentes analisá-las. Aquelas que são realizadas para treinamento, é treinamento.

Quando Chico Xavier começou a sua tarefa de psicógrafo sob a supervisão de Emmanuel, este mandou o Chico queimar um baú de mensagens que foram realizadas para treinamento.