Tamanho
do Texto

A fundação do Centro Espírita

É natural que alguns adeptos do Espiritismo, depois de estarem há anos frequentando
um Centro Espírita, apresentem desejos de fundar sua própria casa de serviços doutrinários.
Allan Kardec dizia que é muito importante o aparecimento de novos grupos e sociedades,
chegando mesmo a afirmar que é preferível haver diversos pequenos núcleos do que
poucas grandes sociedades.
Vamos tratar de alguns detalhes fundamentais na fundação de um Centro Espírita,
visando facilitar seu nascimento e crescimento regular com uma estrutura racional
mínima. Os princípios que vamos discutir neste estudo também podem ser utilizados
no processo de reformas, ou seja, na reorganização da estrutura funcional das sociedades,
conforme as propostas apresentadas pelo Movimento de Reformas.

A fragmentação das grandes sociedades A divisão das grandes sociedades
em pequenos núcleos é quase um fenômeno natural. É até aconselhável que esses antigos
grupos, se estiverem instalados numa grande cidade, criem filiais em áreas onde
não exista a assistência espiritual e que entregue sua administração a um certo
número de trabalhadores, para que eles possam aplicar na nova casa aquilo que já
aprenderam em termos de Espiritismo. Com o tempo, a “filial”, se é que podemos chamá-la
assim, irá se tornar autônoma, libertando-se do cordão umbilical que a liga à casa
máter. É necessário que os dirigentes e trabalhadores destas sociedades evitem tomar
essas fragmentações como uma atitude de desentendimento.

Os centros espíritas mais dinâmicos atraem grande número de interessados em tornarem-se
trabalhadores. Em alguns anos, tornam-se enormes administrativamente, apresentando
problemas operacionais por causa do excesso de pessoal. A fragmentação é uma solução
inteligente para isso.

A gênese independenteNem sempre uma nova sociedade origina-se
do processo de divisão dos grandes centros espíritas. Há muitos casos de simpatizantes,
freqüentadores e mesmo de trabalhadores da causa, que resolvem fundar uma casa espírita
com a finalidade de servir o Mestre Jesus, de acordo com os ideais que carregam
consigo. Quem tiver essa vontade, deve trabalhar para realizar seu sonho. Diz-se
que a Seara é grande, mas que são poucos os servidores. Assim, se alguém sentiu-se
inspirado para servir, não deixe para amanhã o que pode hoje ser feito. Mãos à obra.

Os participantes Para desenvolvermos
qualquer atividade humana, precisamos de companheiros. E a atividade espírita não
dispensa esta ajuda. Quando se tem a proposta de fundar uma nova sociedade, convém
reunir pelo menos um número de 5 a 10 pessoas afinizadas no mesmo ideal de servirem.

Que se procurem os primeiros membros entre pessoas mais sérias, evitando o envolvimento
com companheiros ainda imaturos, pois a tarefa é por demais árdua e carece de pessoas
que já tenham uma certa convicção do que querem para suas vidas. Há irmãos que aceitam
a proposta no calor das emoções, mas quando começam as dificuldades do “mãos à obra”,
eles acabam se afastando da sociedade, provocando sentimentos de desânimo e frustração
nos verdadeiros trabalhadores. Convém que se tenha certa cautela nessa escolha.

O nome do Centro Espírita
Trata-se de um item a ser cuidado com atenção e carinho. O nome do centro deve transmitir
às pessoas uma impressão de respeito e de agradabilidade. Quando se pensa na fundação
de um novo Centro Espírita deve-se estudar um nome sugestivo, pois ele vai acabar
sendo o principal veículo de comunicação com a sociedade humana existente ao seu
redor.

A designação “Centro Espírita” é a mais recomendada, porque já tem um significado
social. Já foi o tempo em que as pessoas tomavam esta expressão como tendo associação
com terreiros, com a quiromancia etc. Hoje, quase todas as pessoas sabem que a terminologia
“Centro Espírita” designa a prática da doutrina de Allan Kardec. Pode-se ainda utilizar
outros prenomes, tais como: “Sociedade”, “Fraternidade”, “Núcleo Assistencial”,
“Grupo Espírita”, “Grêmio”, “Instituto” etc.

Evitem-se expressões, tais como: “Centro Espírita Cristão”, “Grupo Espiritualista”
e outros do gênero. A palavra “espírita” já designa uma orientação doutrinária kardequiana
e cristã. É importante que periodicamente os expositores passem esta informação
ao público de modo a se fortalecer na comunidade a idéia de que os termos “espírita”
“Centro Espírita” e “Espiritismo” não têm qualquer ligação com cultos e pessoas
que os utilizam sem orientarem-se na Doutrina dos Espíritos.

Normalmente se complementa a designação do Centro Espírita com o nome de alguma
personalidade ligada ao Espiritismo ou à história do próprio Cristianismo. Exemplo:
“Dr. Bezerra de Menezes”, “Léon Denis”, “Allan Kardec”, “Apóstolo Paulo”, “José
Herculano Pires”, “Maria de Nazaré”, Eurípedes Barsanulfo”, “Cairbar Schutel” etc.

Pode-se utilizar outras terminologias, tais como: “Nova Era”, “Obreiros da Eternidade”,
“Os Mensageiros”, “Seara Divina” “Fé, Amor e Caridade” e outras.

Deve-se evitar o hábito de dar o nome de pessoas ainda encarnadas às sociedades.
Trata-se de um procedimento antiético.

É desaconselhável ainda, que se denominem as instituições com os nomes de jovens
recém-desencarnados, uma conduta comum de pais desesperados, que perderam seus filhos
prematuramente e que, às vezes, são aconselhados dessa forma. A homenagem é até
compreensível, mas transmite uma idéia de cultuação que não deve existir no Espiritismo.
Só devemos prestar essa deferência aos desencarnados, quando eles trabalharam pela
comunidade humana ou prestaram serviços expressivos à causa cristã ou espírita.

Outra atitude desaconselhável é a de pedir aos Espíritos que dêem palpites sobre
o nome da casa. Para os bons Espíritos, este detalhe é de importância menor.

Toda entidade que prescreve nomes meticulosos ou que determina esta ou aquela
expressão, mostra traços de imperfeição incompatíveis com a superioridade dos amigos
da Vida Maior. Cabe às pessoas encarnadas, escolherem mediante o bom senso o nome
que o novo Centro Espírita terá.

Instalações provisórias

Existem várias dificuldades para um grupo de pessoas instalarem uma casa de atividades
doutrinárias. Dentre elas, destaca-se a inexistência de um ambiente onde se possa
realizar os trabalhos doutrinários e práticos de Espiritismo. Geralmente, três ou
mais simpatizantes ou trabalhadores da causa se reúnem em torno da nova sociedade,
mas não possuem um local para começarem suas atividades no campo do Bem.

A primeira regra para quem vai servir ao Cristo é a de integração e participação.
Isso quer dizer, trabalho e contribuição. Algumas sessões de estudos e mesmo algumas
atividades práticas podem funcionar provisoriamente numa dependência ou garagem
de uma residência. Porém, deve-se evitar transformar a moradia em Centro Espírita.
Cada coisa tem a sua função.

Um Centro Espírita é um ambiente que congrega entidades e forças espirituais.
Nem sempre os membros de um reunião espírita possuem as condições morais necessárias
ao atendimento de Espíritos enfermiços, nem para a higienização final do ambiente.
Tem-se observado residências que tiveram suas dependências contaminadas pela atividade
mediúnica. Portanto, quem se propõe dar vida a um novo núcleo de serviço cristão
deve pensar numa sede.

Se o grupo fundador for composto por pessoas de classe média será fácil resolver
o problema. Uma pequena casa pode ser alugada num bairro estratégico, para abrigar
a comunidade. O aluguel será pago pelos membros do novo centro, que dividirão entre
si a responsabilidade.

Assim, o grupo logo começará a funcionar e a se estruturar para no futuro ter
sua própria sede.

Toda casa possui no mínimo um quarto, uma sala e uma cozinha. Utilize-se a sala
para a realização de uma sessão pública semanalmente. Nela, irá se receber os primeiros
necessitados e simpatizantes. Coloque-se ali pelo menos uma dúzia de cadeiras para
acomodar o pequeno público. Não devem ser colocadas imagens ou quadro de santos
nas paredes. Evitem-se mesmo as frases em cartolina, dizendo esta ou aquela citação
de destaque. O Centro Espírita deve respirar desprendimento e simplicidade. Faça-se
todo o possível para conservar o ambiente limpo e sóbrio.

Na cozinha (se não houver outra dependência disponível) pode ser instalada uma
mesa que servirá para as sessões de estudos e, futuramente, para o desenvolvimento
das atividades mediúnicas. Uma pequena sociedade deve a princípio limitar-se a um
número máximo de 10 pessoas. Isso facilitará a formação da base moral e doutrinária,
fundamental para o sucesso do empreendimento.

No quarto da pequena casa, deve ser adaptada a “Sala de Passes”. Quatro ou cinco
cadeiras serão suficientes para o atendimento das pessoas que virão à reunião pública.
Enquanto não houver público, os membros da sociedade poderão dar passes uns nos
outros para exercitarem o desenvolvimento dessa atividade. Se houver outras dependências,
elas poderão ser usadas como bibliotecas, depósitos, farmácias comunitárias etc.

Importante: É conveniente fixar na frente da casa, e em local visível,
uma placa com o nome da casa e o horário da reunião pública. Se a placa puder ser
iluminada, será melhor para visualização e divulgação da casa.

As pessoas que passarem pela rua ficarão sabendo que ali foi fundado ali Centro
Espírita e que naquele horário poderão vir em busca de ajuda espiritual e até mesmo
material.

Aos poucos a sociedade vai se estruturando e num período de até três anos já
contará com bom número de seguidores, agora preparados material e espiritualmente
para buscarem sua sede definitiva.

Instalações definitivas

Para que os centros espíritas funcionem a contento, eles necessitam de dependências
apropriadas às atividades que pretendem realizar. O que vamos abordar neste estudo,
trata-se somente de um comentário sobre os ambientes que normalmente fazem parte
das casas e que servem aos serviços internos que ali podem ser realizados. Não queremos
com isso dizer que todos os centros devam ter essas estruturas ou divisões, mas
que elas seriam úteis a um bom trabalho.

Quando se pode planejar a construção da sede definitiva da casa espírita, deve-se
fazê-lo. Sabe-se que a realidade da maioria dos grupos no país é bem outra. Como
há grande dificuldade para se conseguir um cômodo que abrigue as reuniões, o mais
comum é que funcione em ambientes improvisados, sem planejamento. Porém, existem
sociedades que possuem recursos para concretizar as coisas num plano mais completo.
Que cada um tire das considerações abaixo o que achar útil para suas necessidades.

A escolha do bairro Entre nós, espíritas, há um costume
de se escolher os bairros mais pobres para instalar as casas espíritas, pois neles
é fácil encontrar condições favoráveis ao desenvolvimento de atividades assistenciais.
Entretanto, a principal função da casa espírita não é prestar assistência material
ao povo, mas ministrar-lhe princípios de educação cristã.

A pobreza das favelas nem sempre se constitui em público interessado no Espiritismo.
Ao contrário, a maioria das famílias encontradas nesses bolsões de misérias é refratária
aos ensinamentos espíritas e, geralmente, só vai aos centros buscar as cestas de
alimentos que são distribuídas regularmente aos necessitados. Compreensivelmente
estão em busca de atender primeiramente suas necessidades materiais.

Nas experiências que temos colhido em viagens que realizamos pelo país, temos
verificado que os bairros de trabalhadores, classe média-baixa, são os ideais para
a instalação da sede definitiva do Centro Espírita. Esses bairros quase sempre são
servidos por ônibus, o que facilita a vinda de pessoas de vários pontos da cidade.

Deve-se optar por uma rua de pouco movimento, pois além de haver o silêncio fundamental
para o sucesso dos trabalhos práticos, facilita o estacionamento de automóveis.

A escolha do terreno
O terreno onde vai ser construída a sede da casa espírita deve ser de tamanho
razoável. Um lote de 12 X 30 metros pode dar lugar a uma sede capaz de abrigar até
150 pessoas, com sala de passes, pequena biblioteca, um reservado para entrevistas,
sala mediúnica e despensa.

Os responsáveis pelo Centro Espírita deverão envidar esforços no sentido de adquirir
o maior terreno possível para a sede. Espaço nunca é demais. Algumas prefeituras
fazem doações para instituições religiosas. Vale a pena a diretoria empreender alguns
contatos políticos, tendo em vista viabilizar uma área para a instituição.

Evite-se a aquisição de terrenos muito próximos a rios ou córregos. Em épocas
de enchentes a sede poderá ser inundada.

Terrenos com desníveis exagerados exigem aterros que dificultam as construções,
o escoamento do esgoto e das águas de chuvas. São detalhes que, no futuro, poderão
evitar problemas.

No caso de adquirir um terreno de um particular, convém que seja consultada a
prefeitura para saber se ele não possui débitos de impostos.

A plantaUm estudo dever ser convocado com a participação de
todos os membros da sociedade, tendo em vista o projeto da futura sede. Vários rascunhos
serão feitos para ajustar as dependências às necessidades do presente e do futuro.
Os grupos espíritas bem orientados tendem a crescer e, com alguns anos de atividades,
precisam ampliar suas atividades e até espaços. Deve-se pensar e planejar tudo o
que estiver ao alcance da equipe.

Depois de discutido, o projeto será levado a um engenheiro de confiança para
que ele possa tratar dos detalhes técnicos e discutir com a equipe as mudanças que
porventura necessitem ser feitas. O ideal é que o projeto permita uma construção
progressiva. Nem sempre os centros espíritas contam com recursos para edificar de
uma só vez todas as dependências da instituição. Assim, o plano de construção deverá
obedecer um lógica tal que à medida em que forem ficando prontas, as dependências
possam ser utilizadas no serviço do Bem.

A recepção Uma pequena sala será destinada aos serviços
de recepção. Um Centro Espírita que presta bons serviços de atendimento a obsediados,
a enfermos e desajustados de qualquer espécie atrai grande número de interessados.
A recepção será encarregada de receber e orientar essas pessoas encaminhando-as
para os diversos setores da casa, segundo as necessidades de cada um. Nela, será
instalado um arquivo para guardar as fichas dos pacientes e os documentos de interesse
da instituição. Importante fixar na porta, ou ao seu lado, uma plaqueta com a informação
“Recepção” e um pequeno cartaz informando o horário de seu funcionamento e os serviços
prestados pela casa.

A bibliotecaA casa espírita contará com uma biblioteca para
o empréstimo de livros doutrinários aos seus freqüentadores e associados, além de
livraria onde serão vendidas aos interessados diversas obras úteis à edificação
moral e intelectual dos leitores. Cada instituição programará esse serviço conforme
o pessoal e o espaço disponíveis.

O salão de palestrasSerá a sala destinada a receber o público
para ministrar-lhe ensinamentos morais e doutrinários. Deverá ser o mais arejada
possível. Para muitos, em época de verão, os ambientes mal ventilados ficam insuportáveis.

Para se saber a quantidade de pessoas que cabe numa sala com relativo conforto,
basta multiplicar a metragem quadrada do ambiente pelo valor de 1,5. Por exemplo:
um salão de 15 metros de comprimento por 10 de largura têm 150 metros quadrados.
Multiplicando 150 por 1,5 encontraremos 225. Este será o número de pessoas que poderá
ocupar suas dependências com relativo conforto.

O salão deverá ter um bom quadro negro de madeira, ou feito na própria parede.
Existe uma massa acrílica e uma tinta especial para esta finalidade.

A porta de acesso ao salão deverá ser ampla e, se possível, com saídas laterais.
No fundo, ao lado do quadro negro, ficarão as portas de acesso à sala de passes.
O ambiente deverá ter o pé direito superior a 2,80 metros. Quanto mais alto o teto,
mais arejado será o salão, o que não dispensará a instalação de ventiladores para
os dias mais críticos do verão.

No salão de palestras, não será colocado nenhum quadro ou desenho de qualquer
espécie, nem se escreverá mensagens em suas paredes. Nele, serão enfileiradas cadeiras
ou bancos, de acordo com a conveniência de cada casa. A pintura deverá ser de cor
suave, para favorecer o bem-estar das pessoas.

A sala de passes A sala de passes deverá ficar de preferência
no fundo do salão, atrás da parede onde estiver fixado o quadro negro.

Ela deverá ter a mesma largura do salão e não precisará ser muito comprida. Ainda
referindo-nos à medida citada acima, suas dimensões poderiam ser de 10 metros de
largura, por um comprimento de 2,5 metros. Se houver condições, a sala deverá ter
dois pequenos vitrôs, um em cada parede lateral, na sua parte superior, para facilitar
a ventilação. Um pequeno ventilador poderá ser instalado no alto, com a finalidade
de fazer circular o ar nos dias mais quentes.

Uma fila de cadeiras será colocada no fundo da sala para que as pessoas possam
sentar e receber o benefício do passe. Uma porta de saída encaminhará o público
para um corredor lateral que conduzirá ao portão principal. É aconselhável que as
pessoas que receberam o passe, não retornem para dentro do salão pela mesma porta
onde entraram. Se o movimento for grande, haverá congestionamento.

Além da iluminação convencional, a sala de passes contará com lâmpadas que, quando
acionadas, possam deixá-la na penumbra. Na hora de se ministrar os passes as luzes
principais deverão ser apagadas.

A equipe de passistas ficará a postos na parede contrária àquela em que estiverem
as cadeiras. No interior da sala não haverá quadros ou inscrições nas paredes. Quando
possível, a casa deverá servir a água fluidificada fora da sala de passes, o que
facilitará o fluxo de pessoas no recinto.

A sala da reunião mediúnicaO local onde se realizam as reuniões
mediúnicas deverá ser um aposento reservado, onde não haja muito trânsito de pessoas.
Importante que seja um ambiente arejado e silencioso, que predisponha ao recolhimento.
Deve ter no seu interior uma mesa central com pelo menos seis cadeiras para a equipe
de médiuns e uma mesa menor, com uma cadeira, para ser utilizada pelo secretário
da sessão. Este local poderá ser utilizado como sala para trabalhos de desenvolvimento
mediúnico, de desobsessão e mesmo de estudos, caso o centro não disponha de muito
espaço. Nos pequenos centros espíritas, todas as dependências precisam ser bem aproveitadas
nas atividades concernentes à sua tarefa.

Uma sala com medida de 4 metros de largura por 4 de comprimento, poderá abrigar
até 15 pessoas confortavelmente.

A iluminação poderá ser feita com o uso de lâmpada convencional ou fluorescente,
além de lâmpadas de cor verde ou azul, para serem utilizadas nos momentos das atividades
mediúnicas. Este procedimento não é imprescindível, podendo-se proceder apenas à
diminuição da iluminação normal. A sala poderá contar ainda com a instalação de
microfones, destinados à gravação das mensagens vindas pelos médiuns. A tarefa de
gravar os trabalhos ficará a cargo do secretário e poderá ser feito com o simples
uso de um gravador.

A cozinhaO local da cozinha
deve ser bem programado, pois as maiores fontes de recursos das casas espíritas
vêm de almoços e jantares beneficentes, realizados pelo grupo. Por isso ela deverá
ser bem planejada de modo a oferecer certo conforto e facilidade aos trabalhadores
que se dedicarão a essa tarefa.

A cozinha ainda precisará de uma dispensa onde serão estocados alimentos a serem
transformados em comidas beneficentes, e mesmo aqueles que serão distribuídos ao
povo pelos serviço assistencial da casa. Cada grupo deverá projetar sua cozinha
conforme as condições de espaço e recursos disponíveis.

Se houver espaço e no entanto não se puder contar com os recursos para a construção
de uma boa cozinha, que ela seja pelo menos colocada no projeto para que futuramente
a obra possa ser viabilizada. Com o crescimento do grupo, haverá mais recursos humanos
e materiais.

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior