Tamanho
do Texto

Ajuda-te e o céu te ajudará!

reciclagem-de-ideias-post-feal-clube-post-300x300

Vivemos em tempos dinâmicos e propícios para adotarmos uma excelente e renovadora ideia:

A reciclagem de pensamentos.

Já ganhou corpo, na sociedade terrestre, a necessária reciclagem de papel, metais, tecidos e outros elementos que antes iam para o lixo ou ficavam inúteis, em nossas casas.

Mas estender essa prática saudável aplicando-a em nós mesmos, reciclando o que pensamos, ainda está em processo de gestação na conduta humana. Lentamente “cai a ficha” de que somos os únicos responsáveis pelos pensamos que cultivamos, apesar do que aprendemos com a família, a escola e os amigos.

Às vezes essa verdade incomoda tanto que temos visto pessoas negá-la, sem exame, e sem se dar a mínima chance de alguma experiência que mostre esse ou aquele resultado.

Incomoda por que? Porque estamos social e religiosamente condicionados, por séculos, a responsabilizar Deus, o destino, os pais, a família, os educadores, os governantes e a sociedade, pelo que pensamos. A interpretação é de sermos vítimas dessas forças e subjugados de tal forma, que nada se pode fazer.

No fundo isso é a continuidade da ideia do pecado capital, desdobrada e funcionando sub-repticiamente, embora sejamos espíritas… Encarar esse fato pode criar “coceiras” psicológicas, mas é preciso ampliar a análise e observar que a ciência atual, materialista, corrobora com essa postura, ao entender que somos fruto dos genes que recebemos dos pais, numa combinação que só dependeu da sorte ou do azar que cada um tenha tido, na gestação. São eles que determinam o que pensamos, sentimos e somos. E assim, as pessoas que não sejam reencarnacionistas e muito menos espíritas, continuam vivenciando o pecado capital, sob o determinismo da genética.

Mas… será que nós espíritas já estamos convencidos da total responsabilidade de cada um, pela escolha ou aceitação de pensamentos, posturas e atos, seja qual for o grau evolutivo pessoal e a força dos costumes, convenções e pressões sociais?

Obviamente, a mudança de hábitos arraigados precisa de nossa colaboração, que começa pelo reconhecimento de como estamos agindo e porquê. Depois passa pela escolha consciente de outra forma de pensar. Isso requer persistência na troca dos pensamentos e na observação atenta dos resultados que vão sendo obtidos.

Ah, sim! Há que se encarar as resistências internas, ou seja, a preguiça mental ante o esforço necessário, e as externas, feitas do descontentamento daqueles a quem nossa mudança desagrada…

Ajuda-te e o céu te ajudará, resume uma boa postura, quando notamos que é preciso mudar algo em nossas vidas e entendemos que isso começa pelo modo de pensar sobre os fatos.

Pode-se reciclar pensamentos. Haverá outra forma de se ver a mesma situação? Estaremos limitados ao nosso foco, sem atinar que há muitos ângulos que podem nos mostrar uma solução mais adequada e eficiente? Haverá em mim tanta vaidade que não me deixa observar, sentir e pensar diferente do que tenho feito?

Trabalhar-se; redobrar sua atenção consigo; flexibilizar preconceitos; examinar como sente e o que dispara suas reações; quais são elas? … Mas, sem culpar-se e sem cobranças! Ter respeito consigo mesmo, é sinal de um mínimo de educação espiritual/espírita. Estamos em processo evolutivo e os equívocos nada têm a ver com atos vergonhosos.

Trabalhar para o sustento já faz parte de nossas vidas. Trabalhar-se, atentar para a forma descuidada e deselegante que temos tido conosco ante as circunstâncias da vida, ainda requer atitude. Tanto que as doenças é que tem sido a motivação da maioria, para dar-se a atenção devida.

Porém, segundo o Espiritismo, somos os únicos responsáveis por nós mesmos, por sermos indivíduos dotados de livre arbítrio. Deus não decide por nós…

A colaboração constante dos bons Espíritos não é sinônimo de que nos substituam naquilo que já podemos fazer por nós mesmos. E como há uma grande diferença entre o saber e o fazer, motivada pela imaturidade espiritual de cada uma coisa que eles sabem distinguir- insuflam-nos sempre novas/velhas ideias, na busca de atingirem nossa sensibilidade. Eles conhecem muito bem, o orgulho, a vaidade, a prepotência e a arrogância humanos e veem nisso o comportamento espiritualmente infantil, deseducado e indisciplinado, que ilusoriamente pensamos ser superior e espírita …

Auto-observação amorosa é o primeiro passo. Os demais virão a seguir, se você estiver interessado em experimentar as sugestões aqui expressas, com muita vontade de por a luz sobre a mesa!

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior