Tamanho
do Texto

Ajudar Para Não Atrapalhar

Ajudar Para Não Atrapalhar

Durante a manifestação dos chamados Espíritos sofredores, nas sessões
práticas de Espiritismo, observam-se, em boa parte dos presentes, três
freqüentes reações:

Alguns, achando que a comunicação é sem interesse ou se prolonga em demasia,
limita-se ao alheamento, voltando sua atenção para assuntos estranhos ao
desenrolar dos trabalhos. Outros, imbuídos de curiosidade, procuram identificar
o Espírito através dos elementos fornecidos pela psicofonia mediúnica,
imaginando tratar-se do senhor fulano ou do senhor beltrano, pessoas de suas
relações. E há aqueles que se irritam porque o dirigente da sessão não esclarece
logo ao comunicante a sua condição de desencarnado, se este demonstra
inconsciência de seu estado, ou não age energicamente, induzindo-o a
penitenciar-se de seus erros, se parece alguém comprometido no vicio ou
acostumado a utilizar os processos da mistificação e da obsessão.

Identificamos, portanto, três reações: desinteresse, curiosidade e irritação.
Todavia, os que assim procedem, revelam, inegavelmente, ausência do sentimento
de responsabilidade, nascido de melhor conhecimento do mecanismo de intercâmbio
com o Além, o que os torna elementos que prejudicam o bom andamento das tarefas
de auxílio.

Para que semelhante prejuízo seja evitado é preciso considerar que os
Espíritos que se manifestam, para receber ajuda, estão, geralmente, mergulhados
em profunda perturbação, o que não lhes permite raciocinar com lógica. A
incapacidade, quase sempre evidenciada, em reconhecer o próprio estado, confirma
este fato.

Por isso, aquele que conversa com o Espírito não pode ter pressa em vê-lo
afastar-se, antes de lhe haver proporcionado alguns recursos de equilíbrio. Não
pode deter-se em questões pessoais, tendentes a identificá-lo, não só porque na
maioria das vezes ele não estaria em condições de responder satisfatoriamente,
como seria falta de caridade. Que dizer do médico preocupado em interrogar o
acidentado ao invés de medicá-lo com presteza? E haverá desastre mais trágico
que a desencarnação sem preparo? Finalmente, não pode, como muitos desejam,
adotar a atitude de impor princípios, advertir o manifestante, mostrar-lhe o que
é certo ou errado, fazê-lo sentir que terá que pagar por seus crimes, porque,
principalmente quando se trata de alguém desejoso de mistificar ou exercer
vingança, está de tal forma dominado por idéias cristalizadas em longos
processos de fixação mental, que simples palavras não modificarão suas
disposições.

O principal esforço do dirigente dos trabalhos é o de procurar conquistar a
sua simpatia, para em seguida convidá-lo à oração, sem preocupar-se em verberar
ou desmascarar, atitude favorita de alguns espíritas, que julgam estar prestando
um grande serviço, esquecidos de que com semelhante atitude podem impressionar,
mas nunca converter ao Bem.

A oração em benefício da entidade manifestante, prática que, infelizmente,
raros adotam, é o grande recurso de esclarecimento e ajuda. Quando proferida sob
orientação da mais pura fraternidade, sem fórmulas verbalistas e secundada pelas
vibrações de carinho, compreensão e amizade, por parte de uma assistência
consciente e esclarecida, ela proporciona inestimáveis recursos de auxílio. Sob
seu fluxo poderoso, o Espírito revive situações passadas, identifica parentes e
amigos desencarnados, sente-se aliviado nas suas dores e preocupações e
descortina horizontes mais amplos e que lhe permitem deixar o cárcere da fixação
mental. Após a aplicação dessa incomparável terapêutica, o mistificador
sentir-se-á envergonhado e o confessará; o obsessor perceberá seu erro e se
afastará de livre vontade, fator indispensável para que sua vítima ma se
recupere sem transtornos; o Espírito inconsciente estará mais lúcido e em
condições para reconhecer, por si mesmo, sua nova condição.

Se, enquanto o dirigente dos trabalhos se esforça por cativar a simpatia da
entidade, alguns dos presentes se sentem contrariados por julgar que deveria ser
mais objetivo, minucioso ou enérgico, estarão vibrando de forma perniciosa, o
que comprometerá o bom êxito do serviço. Haverá maior dificuldade para o
doutrinador concatenar suas idéias e maior perturbação para o comunicante. E não
podemos, naturalmente, esquecer o médium, que, sem apoio vibracional,
experimentará inesperadas limitações.

Fácil, pois, é concluir que, nas tarefas de intercâmbio destinadas a estender
conforto e esclarecimento àqueles que se encontram na craticidade, quem não
ajuda atrapalha. Por isso, forçoso é admitir que a sessão espírita não é um
tribunal, nem repartição especializada em identificar desencarnados e muito
menos local de recreação, onde as criaturas se portem com displicência, e sim um
templo divino, onde o contacto com a espiritualidade superior deve inspirar
respeito e atenção.

E se nos é lícito considerar a sessão espírita como recurso de socorro para
nossos males físicos e psíquicos, é preciso reconhecer que a. condição
indispensável para sermos atendidos é a disposição em socorrer aqueles que
sofrem mais.

Reformador – Março de 1964.

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior