Tamanho
do Texto

Aposentei! E agora? O que fazer? (Andar à toa ou ficar à toa?)

Chegou o grande momento. O tão esperado. A grande conquista. A nova fase de vida para o restante da vida.


E aí! Você se preparou para essa nova etapa da vida? Fez planos? Ou deixou correr por conta do “deixa a vida me levar, vida leva eu?!!!”


A maneira como você levou a sua vida profissional e os cuidados com a saúde, durante esse tempo laboral, pode contar muito (ou positiva ou negativamente) na sua trajetória de aposentadoria.


O certo é que, para essa nova jornada da vida, você pode escolher, ou seja, fazer o bom uso ou mau uso do poder de escolha, isto é, do livre arbítrio, que é unicamente seu e de mais ninguém. Você é o único responsável pelas suas escolhas.


Você pode escolher entre ficar à toa e andar à toa.


Veja bem! Da escolha que você fizer, as consequências serão de sua única e exclusiva responsabilidade.


Se escolher ficar à toa, você terá de enfrentar uma vida sedentária. E com ela, os companheiros dela, com os quais você terá de conviver, caso não acorde logo, os quais: problemas de circulação sanguínea, doenças cardíacas, pressão alterada, o famoso bico de papagaio, o diabetes, a ansiedade, a depressão e tantos outros coleguinhas da dona sedentária.


Mas, se a sua escolha for andar à toa, o cenário modifica-se, pelas seguintes razões:


1º) você estará praticando o verbo andar, que designa uma ação, um movimento normalmente seguindo para a frente…;


2º) nessas andanças à toa, poderá encontrar obstáculos a superar, curvas que lhe cobrarão maior atenção e cautela, e distrações provocadas pela beleza da paisagem, etc…;


3º) andando à toa, você poderá encontrar uma ou várias oportunidades de trabalho a realizar, nem que seja prestar uma informação a um desconhecido, prestar um socorro de urgência, atravessar uma pessoa debilitada fisicamente de um lado de uma rua para o outro, de fazer novas amizades, e assim por diante…;


4º) você poderá, quem sabe, prestar serviços voluntários numa instituição de caridade, ou se tornar um escritor ou tocar um violão e alegrar os mais diversos corações deste mundão do nosso Deus;


5º) agindo assim, não haverá tempo para os bicos de papagaio, esporões, depressões, problemas de circulação, doenças cardíacas, alteração da pressão arterial, dentre outros exemplos.


Para concluir, é de suma importância que, durante a nossa trajetória laboral, tenhamos os devidos cuidados com a saúde física e mental, não nos entregando excessivamente ao trabalho, nem nos acomodando aos prazeres sedentários, estando, dessa forma, planejando, inteligentemente, a tão sonhada e esperada aposentadoria que um dia há de chegar.


Então, aposentei!!! E agora??? O que fazer???


Qual é a melhor opção???


Andar à toa ou ficar à toa???

 

Autor: Yé Gonçalves

Contato: yegoncalves@gmail.com

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior