Tamanho
do Texto

As Mocidades Espíritas e as Mudanças

As Mocidades Espíritas e as Mudanças

As mudanças sociais provocam novos estilos de vida e, conseqüentemente, novas
formas de procedimento. É uma observação comum e, por isso mesmo, não se precisa
de muita argúcia, pois a própria vida cotidiana já é suficiente para nos
demonstrar que é assim mesmo. O movimento espírita, que não é um movimento à
parte nem constitui um grupo fechado, evidentemente não poderia deixar de
receber certa influencia das mudanças sociais. É uma contingência inevitável.
Precisamos, pois, compreender o fenômeno de nossa época e nos situarmos com
equilíbrio. Claro que os nossos princípios não podem ser arrastados de roldão
pelas torrentes inovadoras, como se fossem castelos de areia. Nossas convicções
têm fundamento em fatos até hoje não desmentidos pela experiência histórica,
assim como nossa filosofia de vida não depende das circunstâncias ou das
eclosões sócio-políticas. E tanto isto é exato que a estrutura filosófica do
Espiritismo já atravessou mais de um século, passou por duas guerras mundiais,
acompanhou transformações profundas e graves na ordem social, cultural e
política, mas não perdeu sua consistência nem se enfraqueceu.

Apesar da solidez de nossos princípios, que continuam sendo válidos e
inalteráveis, a despeito de todas as crises da sociedade, devemos reconhecer,
criteriosamente, que uns tantos hábitos espíritas já não se compatibilizam com a
época, com o mundo atual. A Doutrina continua íntegra, mas os responsáveis pela
sua condução no mundo de hoje precisam tomar conhecimento das mudanças. Um dos
velhos hábitos, felizmente não generalizado, e ai de nós se o fosse (!..mas
ainda observado entre nós, aqui ou ali, é o de se propalar que o movimento
espírita brasileiro é arraigadamente evangélico, porque o Brasil é a “Pátria do
Evangelho” etc., etc., e, por isso, não se precisa de cultura científica.
Deixemos a ciência lá para a Europa, e fiquemos com o nosso “Espiri­tismo
evangélico” no Brasil, “coração do Mundo”, no dizer de Humberto de Campos…

É isto, precisamente, sem tirar nem pôr, o que se ouve algumas vezes. Há
doutrinadores que pensam assim e, dentro de seus grupos, formam escola no meio
espírita. Mas o movimento espírita não pode voltar as costas à evidência dos
fatos novos. O ardor com que se exalta a mensagem evangélica, cuja sublimidade
ninguém seria capaz de pôr em dúvida, não deve levar ao exagero de fazer pouco
caso da cultura, que é uma necessidade e não prejudica a expansão dos ensinos
evangélicos como verdadeiro pão espiritual. O desafio constante das ciências e
das técnicas, modificando conceitos, padrões e hábitos, tem repercussão nas
áreas espíritas, queiramos ou não, pois todos os ângulos do pensamento são
envolvidos nos debates da vida atual. Justamente por isso, o meio espírita
precisa utilizar os instrumentos da época em defesa de seus princípios, mas para
tanto é necessário acompanhar os fatos, compreender o momento em que se
encontram os problemas e mudar a mentalidade ainda existentes em determinados
círculos.

Cremos que ninguém estaria pensando, por exemplo, em substituir conceitos
espíritas nem muito menos “enquadrar” as teses básicas do Espiritismo nos
esquemas e na nomenclatura das ciências. Seria uma tentativa de “modernização”
desastrosa, pois o Espiritismo tem estrutura própria, como tem seus objetivos
definidos e, por isso mesmo, não poderia substituir seus conceitos simplesmente
para atender a exigências estranhas. Não é disto que se trata. Absolutamente! O
que está em causa, na realidade, é o problema de se dar pouca atenção ao aspecto
cultural do Espiritismo, alegando-se apenas que ‘o mundo precisa é de
Evangelho”, enquanto as questões mais palpitantes estão surgindo no campo
científico e as Teses espíritas correndo o risco de serem marginalizadas por
falta de comunicação ou intercâmbio eficiente com o mundo cultural. Não há quem
não saiba que a Mensagem evangélica é a luz permanente de quantos, em qualquer
posição ou crença, tenham “olhos de ver e ouvidos de ouvir”.

Mas o Espiritismo não pode, hoje, ficar fechado nos recintos de pregação
evangélica, sem tomar conhecimento das novas idéias e das solicitações do mundo.
Há necessidade, portanto, de aberturas bem claras, mas não pode haver abertura
sem mudança de hábitos. O movimento espírita comporta perfeitamente a explanação
evangélica entre as suas mais notórias necessidades, assim como a prática
mediúnica e assistência social, mas também comporta necessariamente o estudo
metódico, a pesquisa, o debate, os cursos, a penetração nos meios culturais,
notadamente o meio universitário. É isto, exatamente, o que ainda não está sendo
bem compreendido.

Mas não podemos fugir à realidade na época da eletrônica, das viagens
interplanetárias, e assim por diante. É preciso demonstrar que o Espiritismo não
está ultrapassado. Os mais responsáveis, principalmente estes, devem estar
compenetrados da nova situação.

Vejamos, agora, na mesma ordem de idéias, o caso das Mocidades e Juventudes
Espíritas. Até 1940 a quarenta e tantos, por exemplo, era habitual, entre nós, a
promoção de festas e programas artísticos para atrair os moços. Festas realmente
sadias e programas inegavelmente bem inspirados. Dizia-se então que a Doutrina
pura e simples era “muito seca” e, por isso mesmo, não seria possível trazer o
moço para o meio espírita somente com ensino doutrinário. Dizia-se abertamente:
‘os moços querem alegria e movimento” “ainda é cedo para estudos sérios de
Espiritismo’’. Programas artísticos por toda a parte, a bem dizer, números de
poesia, às vezes violão, brincadeiras inofensivas, e assim passavam-se as
“tardes fraternas’’ de mocidades e juventudes espíritas. Foi assim mesmo, por
muito tempo. Mas as coisas mudaram, e temos que compreender a mudança.

Os jovens de 1975 têm outras motivações, outras experiências e, até certo
ponto, têm outras necessidades. A mentalidade dos jovens de hoje não pode ser a
mesma mentalidade da geração que participou do movimento espírita na década de
quarenta. Houve grande transformação sócio-cultural de 1940 para cá. Não seria
possível, hoje, atrair e segurar o elemento jovem no meio espírita somente com
declamações, números de música, festinhas e por que não é possível? Exatamente
porque o jovem quer o diálogo, o raciocínio mais objetivo. Convém notar, ainda
mais, que há trinta anos, digamos assim, não havia tanto elemento universitário
no meio espírita, como hoje. E a mentalidade universitária, por natureza, é
diferente da mentalidade passiva. Havia, anteriormente, naqueles tempos, menos
diálogo, porque a palavra do mentor captava muita confiança por si mesma. Quase
não se falava em debate, a não ser em determinados movimentos, e pouco se
discutia em ‘‘mesa-redonda’’.

Atualmente, como se vê, já é impressionante, nas fileiras espíritas, o
contingente de jovens oriundos de Universidades, onde recebem informações de
vários tipos e se defrontam com diversas direções de pensamento. Eles têm, por
força do ambiente universitário, muito espírito de participação e crítica.
Muitos deles levam o Espiritismo a sério e querem estudá-lo bem, muito mais do
que se pensa, mas precisam encontrar condições adequadas. Esta situação está
reclamando naturalmente novos hábitos no relacionamento com as alas jovens.
Claro que ninguém iria admitir nem sequer imaginar que as organizações de
juventudes e mocidades espíritas se transformassem em clubes de mera recreação
ou em círculos de polemicas fora dos princípios espíritas. Não. Entretanto, não
se pode deixar de considerar que cada época tem suas exigências, e o Espiritismo
tem um corpo de doutrina capaz de nos dar a verdadeira dimensão deste fenômeno,
desde que tenhamos a necessária cautela para evitar intromissões oportunistas,
com segundas intenções, querendo forçar conexões que não existem. É outro
problema. O estudo básico da Doutrina, porém, está necessitando de uma
perspectiva nova, em certos aspectos, sem desmerecer a tradição e as grandes
experiências do passado, que nunca deixará de ser uma lição para o presente.

Não há muito tempo, em artigo publicado no jornal Mundo Espírita, de
31.05.75, insistíamos nestes mesmos pontos e dizíamos, a certa altura: “A
palavra de consolo e fé, nas horas mais criticas, é insubstituível, porque é a
linguagem do sentimento, e não do raciocínio frio, que pode instruir, mas não
alivia as dores da alma. Todavia, o Espiritismo precisa e deve acompanhar o
espírito critico da época. Se quisermos fazer um tipo de espiritismo devocional
ou conventual, ignorando os desafios da realidade presente, ficaremos à margem,
não há dúvida Dentro deste novo quadro, finalmente, a cultura e a promoção de
cursos são necessidades compatíveis com a posição do Espiritismo em face da
crítica moderna”. Se pensamos assim, e já de algum tempo a esta parte, é porque
a vivência no meio espírita, observando as reações dos elementos jovens, nos
induz, cada vez mais, a compreender a necessidade de um sistema de comunicação
doutrinária mais consentâneo com os problemas que estão surgindo.

Em lugar, finalmente, de querermos prender os jovens com recursos usados há
mais de trinta anos, quando eram outras as condições ambientais, oferecendo-lhes
apenas oportunidades festivas, devemos pensar, antes de tudo, que eles querem ir
mais longe, porque estão vivendo uma época de desafios e, por mesmo, procuram no
Espiritismo as respostas convincentes e as soluções compatíveis com o estado de
espírito em que se encontram, justamente por causa das experiências de hoje.
Devemos compreendê-los, com visão do momento. Indiscutivelmente os programas
artísticos ou recreativos têm o seu lugar, a sua oportunidade, pois fazem parte
das atividades espíritas e, portanto, são necessários; não devem, porém, ser a
única razão de ser dos movimentos de juventudes e mocidades, como se fossem um
chamariz, um ponto de atração, e nada mais. Não devemos continuar pensando como
há trinta anos, pois o jovem espírita, vivendo o seu mundo de hoje, embora
aprecie muito as artes e as expansões naturais, reclama outros instrumentos
através do diálogos e da crítica. Mudança de mentalidade, mudança de hábitos,
embora permaneçam inabaláveis os valores espirituais.

Anuário Espírita – 1976

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior