Tamanho
do Texto

Astrologia

Astrologia

Consultado a respeito do que a Doutrina Espírita diz sobre a Astrologia,
fomos à pesquisa e levantamos alguns pontos que encontramos sobre este assunto.

Devemos, antes de qualquer coisa, saber o que significa este termo.
Recorremos à Enciclopédia Encarta que traz o seguinte:

Astrologia, disciplina que observa, analisa e estuda as posições e
movimentos dos astros, relacionando-os com fenômenos ocorridos na Terra. Os
astrólogos afirmam que a posição dos astros na hora exata do nascimento das
pessoas — além dos movimentos astrais posteriores — influem no caráter e destino
dos seres humanos. Cientistas negam os princípios da astrologia, mas milhões de
pessoas crêem e praticam-na.
Os astrólogos fazem mapas astrais, também chamados de horóscopos, localizando a
posição dos astros em um momento determinado. No mapa astral encontra-se a
eclíptica — trajetória aparente do sol, através do céu, durante o ano — com as
doze casas dos signos do zodíaco: Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem,
Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes. A cada planeta
(incluindo o Sol e a Lua) emprestam-se características, dependendo do lugar da
elíptica e do momento em que o horóscopo é feito. O horóscopo também se divide
em doze casas, relativas às 24 horas gastas pela Terra para dar uma volta
completa em torno de seu eixo. Cada uma destas casas relaciona-se com situações
da vida. Os astrólogos fazem suas previsões interpretando a posição dos astros
dentro dos signos e das casas do horóscopo.

Sabendo o que é a Astrologia, podemos ver agora, o que sobre ela encontramos
na Codificação Kardequiana.

Vamos primeiramente ao Livro dos Espíritos.

Perg. 867 – De onde vem a expressão: Nascer sob uma feliz estrela?

– Velha supertição que ligava as estrelas ao destino de cada homem;
alegoria que certas pessoas têm a tolice de tomar ao pé da letra
.

Assim a resposta dos Espíritos Superiores a Kardec coloca a influência dos
astros simplesmente como uma supertição.

Perg. 859 – Há fatos que, forçosamente, devam acontecer e que a vontade
dos Espíritos não possa evitar? (complemento da pergunta).

– Sim, mas tu, quando no estado de Espírito, viste e pressentiste, ao
fazer a tua escolha. Entretanto não creiais que tudo o que ocorre esteja
escrito, como se diz
. Um acontecimento é, freqüentemente, a conseqüência de
uma coisa que fizeste por um ato de tua livre vontade, de tal sorte que se não
tivesses feito essa coisa, o acontecimento não ocorreria. Se queimas o dedo,
isso não é nada; é o resultado de tua imprudência e a conseqüência da matéria.
Não há senão as grandes dores, os acontecimentos importantes que podem influir
sobre o moral, que são previstos por Deus, porque são úteis à tua depuração e à
tua instrução.

Compreendemos, então, que certos acontecimentos ocorrem em nossa vida como
conseqüência de atos ou fatos que nós mesmos praticamos. Se existe alguma
influência são das nossas ações e não dos astros. Além de que essas são
totalmente individuais, ao passo que a que querem dizer que os astros possuem é
coletiva, pois atinge um grande número de pessoas. Por outro lado onde ficará o
nosso livre-arbítrio se tudo para nós estivesse predeterminado pelos astros?

Perg. 860 – O homem, por sua vontade e por seus atos, pode fazer com que
os acontecimentos que deveriam ocorrer não ocorram, e vice-versa?

Ele o pode, desde que esse desvio aparente possa se harmonizar com a
vida que escolheu
. Ademais, para fazer o bem, como o deve ser, e como isso é
o único objetivo da vida, pode impedir o mal, sobretudo aquele que poderia
contribuir para um mal maior.

Claro fica que se podemos mudar algum acontecimento é porque ele não é fatal,
ou um destino rigoroso que devemos cumprir. Em virtude disso não tem como estar
definido por posição ou influência dos astros.

Perg. 868 – O futuro pode ser revelado ao homem?

– Em princípio, o futuro lhe é oculto e não é senão em casos raros e
excepcionais que Deus permite a revelação.

Se o nosso futuro estiver determinado pela posição dos astros já não seria
caso raro e excepcional, ficando, portanto em contradição com a resposta dos
Espíritos.

Perg. 869 – Com que objetivo o futuro está oculto ao homem?

– Se o homem conhecesse o futuro, negligenciaria o presente e não
agiria com a mesma liberdade, porque seria dominado pelo pensamento de que, se
uma coisa deve acontecer, não ter que se ocupar dela, ou então, procuraria
dificultá-la. Deus não quis que fosse assim, a fim de que cada um concorresse
para a realização das coisas, mesmo às quais gostaria de se opor. Assim, tu
mesmo, freqüentemente, preparas, sem desconfiar disso, os acontecimentos que
sobreviverão no curso da tua vida.

É a explicação dos Espíritos porque o futuro não nos é revelado. A morte é um
fato que acontecerá a todos nós, quer dizer, que todos nós conhecemos este
futuro, entretanto ninguém se prepara para ele, assim confirma o que disseram os
Espíritos a Kardec.

Perg. 851 – Há uma fatalidade nos acontecimentos da vida, segundo o
sentido ligado a essa palavra, quer dizer, todos os acontecimentos são
predeterminados? Nesse caso, em que se torna o livre arbítrio?

A fatalidade não existe senão pela escolha que fez o Espírito, em
se encarnando, de suportar tal ou tal prova. Escolhendo, ele se faz uma espécie
de destino que é a consequência mesma de posição em que se encontra. Falo das
provas físicas, porque para o que é prova moral e tentações, o Espírito,
conservando seu livre arbítrio sobre o bem e sobre o mal, é sempre senhor de
ceder ou resistir. Um bom Espírito vendo-o fraquejar, pode vir em sua ajuda, mas
não pode influir sobre ele de maneira a dominar sua vontade. Um Espírito
mau, quer dizer, inferior, mostrando-lhe, exagerando-lhe um perigo físico, pode
abalá-lo e assustá-lo; mas a vontade do Espírito encarnado não fica menos livre
de todos os entraves.

Se um Espírito bom não pode influir de maneira a dominar a vontade de alguém
como um astro poderia? E se a fatalidade existe apenas pelo que nós escolhemos,
onde entra a influência dos astros?

Perg. 852 – Há pessoas que uma fatalidade parece perseguir
independentemente de sua maneira de agir; a infelicidade não está no seu
destino?

Pode ser que sejam provas que elas devem suportar e que escolheram.
Mas, ainda uma vez, levais à conta do destino o que não é, o mais
freqüentemente, senão a consequência de vossa própria falta. Nos males que te
afligem, esforça-te para que a tua consciência seja pura, e serás consolado em
parte.

Novamente confirmando que somente o que queremos denominar de destino é
apenas um reflexo de nossas ações e não por qualquer outro tipo de influência.

Emmanuel, pela psicografia de Chico Xavier, diz no livro O Consolador:

Perg. 140 – Os astros influenciam igualmente na vida do homem?

– As antigas assertivas astrológicas têm a sua razão de ser. O campo
magnético e as conjunções dos planetas influenciam no complexo celular do homem
físico
, em sua formação orgânica e em seu nascimento na Terra: porém,
a existência planetária é sinônimo de luta. Se as influências astrais não
favorecem a determinadas criaturas, urge que estas lutem contra os elementos
perturbadores, porque, acima de todas as verdades astrológicas, temos o
Evangelho, e o Evangelho nos ensina que cada qual receberá por suas obras,
achando-se cada homem sob as influências que merece.

Da resposta de Emmanuel concluímos a influência dos astros existem somente no
complexo celular do homem físico, ou seja, não existe influência no caráter ou
no destino do homem, mas somente no físico. Quanto a essa influência ninguém
poderá negar. Se fizermos uma pesquisa, fatalmente, iremos comprovar que nas
noites de Lua cheia, ocorre um maior número de partos nos animais, aí também
incluímos o homem (animal racional). A influência da lua nas marés é outro
exemplo que citamos.

Não poderemos afirmar com absoluta certeza, mas em algumas situações o nosso
comportamento poderá sofrer certas alterações, tais como: estado de mau humor ou
de tristeza causados pelas condições ambientais, como dias nebulosos ou
chuvosos.

Mas, ao que tudo indica, estas alterações não chegam a ponto de moldar o
nosso caráter ou o nosso destino. Se isto ocorresse teríamos que forçosamente
aceitar que todas as pessoas que nascem num mesmo dia e horário serão exatamente
iguais em seu caráter e destino.

Perg. 141 – Há influências espirituais entre o ser humano e o seu nome,
tanto na Terra, como no Espaço?

– Na Terra ou no plano invisível, temos a simbologia sagrada das palavras;
todavia, o estudo dessas influências requer um grande volume de considerações
especializadas e, como o nosso trabalho humilde é uma apologia ao esforço de
cada um, ainda aqui temos de reconhecer que cada homem recebe as influências a
que fez jus, competindo a cada coração renovar seus próprios valores, em marcha
para realizações cada vez mais altas, pois que o determinismo de Deus é o do
bem, e todos os que se entregam realmente ao bem, triunfarão de todos os óbices
do mundo
.

O pensamento de Emmanuel, se bem entendemos, é que determinados nomes podem
ter para nós um significado especial e isso acaba por exercer algum tipo de
influência sobre aqueles que receberam este nome. Recentemente o mundo ficou
chocado com a morte trágica da Princesa Diana. Este nome tornou-se venerado por
muitas pessoas, primeiro porque a Princesa era uma pessoa que se empenhava em
ajudar os necessitados e segundo pela própria tragédia de sua morte. Vejamos um
outro exemplo o nome Hitler. O que você acha? Só de falar nele já nos traz um
enorme sentimento de repulsa, não é mesmo? Diferentemente do nome Diana,
traz-nos lembranças ruins, por isso raramente vemos alguém com este nome.

Recentemente escutávamos um programa da Rádio Boa Nova onde foi falado que a
NASA estava fazendo uma pesquisa sobre o comportamento humano.

A equipe de pesquisadores colocou numa sala muitas garrafas cheias de água
coloridas da cor de uísque. Buscaram vários voluntários e lhes disseram que
naquela sala tinha muitas garrafas de uísque e que cada um poderia tomar o
quanto quisesse ou agüentasse, dito isso, saíram para deixar os voluntários mais
à vontade. Passado algum tempo, voltaram e observaram que, por mais estranho que
pareça, alguns deles estavam completamente bêbados inclusive nos testes de
laboratório detectou-se a presença do álcool no sangue deles. Assim como o
acontecido nesta experiência pode ocorrer em mil e uma situações em que a “força
do pensamento” provoca a ocorrência de determinado fato ou situação sugestionada
pela própria ou por outra pessoa. Não poderia ser o caso das informações
passadas a uma pessoa por um astrólogo? Pelo resultado da experiência realizada
pela NASA acreditamos que sim.

Poderemos concluir disso tudo, que os astros, pelas energias que emitem,
inegavelmente exercem influência uns sobre outros. E na Terra, via de
conseqüência, determinados fenômenos naturais e determinadas matérias absorvem
também tais radiações de energia. Mas a nossa maneira de ser, o nosso caráter e
o nosso destino são frutos de nossas aquisições ou ações pretéritas, ou seja,
recebemos influências de nós mesmos ou no máximo de um ser humano para outro,
não dos astros.

Mas isso não nos dá o direito de perseguir ou condenar os que nela acreditam,
pois é nosso dever cristão respeitar-nos uns aos outros e se hoje já encontramos
a luz, todos algum dia a encontrarão.

Jun/2001.

Bibliografia

  • O Consolador, Emmanuel, psicografia de Chico Xavier, FEB, RJ, 1986, 13ª
    edição.
  • O Livro dos Espíritos, Allan Kardec, IDE, Araras, SP, 37ª edição 1987.
  • Enciclopédia Microsoft Encarta. 1993-1999.

 

logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_uniespirito logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior