Tamanho
do Texto

Auto de Fé de Barcelona

No dia 9 de outubro de 2001, comemorado 140 anos do Auto de Fé de Barcelona.
Não estranhem a palavra comemoramos, pois Allan Kardec afirmou que deveria ser
um dia de festas para os espíritas, e que nunca fosse esquecido, porque a
intolerância religiosa, querendo sufocar o Espiritismo, apenas destacou-o ante o
mundo, pois, a inquisição, execrada pelos homens, dava mais um sinal da sua
fraqueza, agitando a cauda da idade média, nos estertores da morte definitiva.

Com certeza já não era admissível queimar homens, pois haveria muitos
protestos, por isso, tentaram queimar idéias, sem saber que idéias e ideais não
se queimam. Podem ser abafados, recalcados, engessados, mas ressurgem sempre.

O Auto de Fé de Barcelona foi a consagração do Espiritismo. Literalmente o
seu batismo de fogo. Mas a Espanha levantou-se como um só homem, para saber o
que era essa doutrina que aterrorizava o clero. A comissão episcopal foi vaiada
pelo povo, e assim que a guarda armada se retirou da praça do Quemadero, onde
muitos mártires tiveram seus corpos incinerados no intuito de salvar as suas
almas, o povo simples recolheu as cinzas dos livros e fragmentos que não foram
consumidos pelas chamas, e levaram para as suas casas.

Um exemplar de O Livro dos Espíritos, carbonizado pela metade, foi enviado a
Allan Kardec, que o guardou como uma doce lembrança. A violência clerical e o
servilismo do Estado, consagrou também o livreiro “Lachatre”, hoje justamente
homenageado por espíritas brasileiros, que fundaram uma editora, que honra o
Espiritismo, com o seu nome.

Muitas outras perseguições viriam. Muitas lágrimas ainda seriam derramadas. É
por isso que o movimento espírita tem que respirar liberdade, tem que ser
compreensivo, mas não conivente, porque venceu a ditadura de Napoleão 3º – a
força esmagadora da perseguição religiosa, o orgulho acadêmico das ciências, o
esnobismo filosófico, para firmar-se como doutrina consoladora e iluminadora.

Porém, do que tinham medo as igrejas, os acadêmicos, os políticos e os
filósofos? Qual era o perigo representado pela Doutrina Espírita? Certamente é
pelo fato de nos seus íntimos desgostos, nas tristezas, no desânimo, nas
lágrimas abundantes que lavam as nossas faces, encontramos o consolo, a
esperança e o lenço que enxuga o pranto.

Talvez porque, quando somos desprezados, injuriados, maltratados, nos viram
as costas e se negam a apertar nossa mão, encontramos no Espiritismo o apoio, a
luz para a compreensão que nos dá coragem e fé.

Com certeza, temem o Espiritismo, porque nos momentos em que o sofrimento se
faz pesado e gememos ante o látego das dores superlativas, nele encontramos
forças e superamos as adversidades.

Incomoda, talvez, os que se julgam poderosos, o refúgio que encontramos
quando a sorte se nos faz megera e afundamos na pobreza, perdemos os bens
materiais, a família, os amigos, mas encontramos guarida na compreensão desta
Doutrina maravilhosa.

Esta é a Doutrina da Caridade que salva, da fé racional, do intercâmbio com
os que habitam o mundo dos espíritos, da iluminação pelo conhecimento, mas
sobretudo tem que ser, e é, com certeza, a doutrina do AMOR.

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior