Tamanho
do Texto

Conduta espírita

Ana Cristina Campos

Revista de Espiritismo nº. 32, Julho/Agosto/Setembro de 1996

Numa época em que tanto se discute o valor e veracidade das religiões e
seitas que nascem e abundam em todo o mundo e o papel que desempenham na
sociedade, assiste-se à aceitação desesperada de qualquer tipo de crença que
proporcione resultados imediatos, sem muitas vezes questionar o valor moral ou
os objectivos éticos e sociais que a regem.

Nos tempos actuais, de desprezo pelos mais sagrados valores humanos, de
atropelo de todos os direitos, inclusive o direito sagrado à própria vida, o ser
humano necessita de uma crença, de uma fé que o ajude a suportar a sua cruz e
através dela chegar à compreensão do mundo que o rodeia. Não importa tanto se a
sua religião é melhor ou pior que as outras, aceitando por princípio que toda a
religião é boa se levar a praticar o bem e se despertar nos crentes uma fé
inabalável num ente superior a todos.

Por isso, nós, espíritas, devemos ainda aí dar o exemplo. Não nos cabe julgar
ninguém, embora possamos concordar ou não com determinadas atitudes, já que
temos o livre-arbítrio para decidirmos o que é bom ou mau para a nossa vida. Mas
não nos envolvamos em polêmicas acerca de igrejas e de religiões.

Ser espírita é um ato de amor, mas implica também uma dupla
responsabilidade: para connosco próprios e para com os outros. Ninguém se
deveria considerar espírita de ânimo leve, sem ter plena consciência de todas as
consequências que tal decisão acarreta. Mais do que «apregoar» os ensinamentos
evangélicos é preciso exemplificar vivenciando-os no dia-a-dia. Por outro lado,
temos que partir do princípio de que gostamos e respeitamos a nós mesmos, sem o
que não o poderemos fazer com os outros. Antes de tentar servir e ajudar alguém
é preciso trabalhar o nosso íntimo, reformando o comportamento, os ideais, os
valores, descobrindo uma nova forma de estar e de aceitar a vida com tudo o que
ela nos oferece de bom ou de mau. Temos que compreender que esta é uma
oportunidade valiosa que Deus nos deu para redimir o passado obscuro e construir
um futuro luminoso. Só conseguiremos tal objectivo a partir do momento em que
aceitemos Jesus Cristo como nosso divino Mestre, dentro de nós, governando a
mente e o coração. Mas tal atitude tem de se basear num raciocínio lógico e
ponderado e numa convicção interior inabalável para que não se resvale numa fé
cega que aceite qualquer absurdo como verdadeiro.

O Espírito de Verdade em comunicação a Allan Kardec (em «O Evangelho Segundo
o Espiritismo», cap. VI) alerta para esse facto ao dizer: Espíritas! Amai-vos:
eis o primeiro mandamento; instruí-vos, eis o segundo. O ser humano precisa de
renovar a sua fé em Deus, mas que o faça mediante um estudo sério e permanente
até estar totalmente convencido da utilidade e necessidade da sua existência.
Mais do que acreditar na comunicação com os espíritos, é preciso entender o
porquê das comunicação e o que esses irmãos nos querem transmitir e ensinar.

Ser espírita implica, assim, duas atitudes principais perante a vida: reforma
íntima, que, consequentemente, revela uma nova forma de nos compreendermos a nós
próprios e de compreender e auxiliar aqueles que nos acompanham nesta jornada; e
o estudo da doutrina preciosa que nos liberta do fardo das dores e ajuda a
perceber a razão e a utilidade das provas por que passamos.

logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior