Tamanho
do Texto

Por que estamos apressados?

Atravessar uma pessoa debilitada fisicamente de um lado de uma rua para o outro, quando estamos apressados;

emprestar os ouvidos a alguém que surge no caminho em busca de orientação ou de uma simples informação, quando estamos apressados;

parar e corresponder a um sorriso ou a uma risada de uma criança que passa, quando estamos apressados;

dar atenção a um idoso que repete os mesmos assuntos todos os dias, quando estamos apressados;

deparar com o trânsito engarrafado, com filas de dois a três quilômetros de veículos, quando estamos apressados;

dentre outros exemplos…

Por que essas coisas acontecem, na maioria das vezes, quando estamos apressados?

E por que estamos, muitas das vezes, apressados?

Eh!… Lamento ter de dizer que os problemas não estão nas coisas que acontecem conosco.

Também, não estão nas pessoas e demais seres que nos envolvem no dia a dia, ou quase sempre, ou de vez em quando.

O certo é que atravessar uma pessoa debilitada fisicamente de um lado de uma rua para o outro;

de emprestar os ouvidos a alguém que surge no caminho em busca de orientação ou de uma simples informação;

de parar e corresponder a um sorriso ou a uma risada de uma criança que passa;

de dar atenção a um idoso que repete os mesmos assuntos todos os dias;

ter a devida paciência no trânsito engarrafado, com filas de dois ou três quilômetros de veículos…

São boas ações; pequenos atos que nos levam a desenvolver virtudes; sublimes gestos caritativos, se suportados com paciência, sem murmuração.

Mas… E as questões da pressa???

Também são boas ações? Desenvolvem virtudes? São gestos caritativos?

Por que andamos quase sempre apressados?

Por que corremos tanto de um lado para o outro, e estamos sempre no mesmo lugar?

A resposta pode estar em cada um de nós, nos respectivos mundinhos particulares instalados em nós mesmos.

Que possamos refletir nestas palavras de Santo Agostinho, na questão nº 919-a, de O Livro dos Espíritos:

Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma…

Então, amigo leitor, é necessário que cadenciemos os nossos passos, a fim de nos sentirmos em nós mesmos, para que nos descubramos e nos conheçamos na intimidade de cada um de nós em particular.

E, a partir daí, estaremos prontos a nos questionar: Por que estamos apressados???!!!

 

Autor: Yé Gonçalves

Contato: yegoncalves@gmail.com

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior