Tamanho
do Texto

Profissionalização da Arte Espírita

Para melhor entendermos e discutirmos sobre a profissionalização ou não da
arte espírita, se faz necessário nós nos fundamentarmos sobre alguns conceitos,
para que haja assim uma melhor compreensão.

  • Doutrina
    É o conjunto de princípios em que se baseia uma religião, um sistema
    político ou filosófico.
  • Princípio
    Preceito moral, lei, regras fundamentais ou gerais.
  • Profissão
    Exercício habitual de uma atividade econômica como meio de vida; ofício;
    emprego; modo de vida.
  • Profissional
    Relativo a profissão; que é regularmente remunerado pelo trabalho que
    executa ou atividade que exerce. Pessoa que tem conhecimentos da sua
    profissão, especialista (em oposição a amador).
  • Profissionalização
    Ato ou efeito de profissionalizar ou profissionalizar-se.
  • Profissionalizar
    Tornar profissional; dar caráter profissional; tornar-se profissional;
    integrar-se numa profissão.
  • Remuneração
    Ato ou efeito de remunerar; recompensa; prêmio; compensação; salário;
    paga.

Na página da Federação Espírita Brasileira, exposta na Internet (http://www.febnet.org.br,
coloca que a DOUTRINA ESPÍRITA é o conjunto de princípios e leis,
revelados pelos Espíritos Superiores, contidos nas obras de Allan Kardec, que
constituem a Codificação espírita.

Coloca que, entre outros princípios, toda a prática da doutrina
espírita é gratuita, dentro dos princípios do evangelho: “Daí de graça o
que de graça recebestes”.

Em Obras Póstumas (pag 285) Allan Kardec reforça que:

Quando a comissão estiver organizada, faremos parte dela como simples
membro, com uma parte na colaboração, sem nenhuma supremacia, título ou
privilégio. Embora com parte ativa na comissão, não pesaremos no orçamento,
nem por emolumentos, nem por despesas de viagens, nem por qualquer título. Se
nada temos até aqui pedido, menos pediremos daqui em diante. O nosso tempo, a
nossa vida, todas as nossas forças físicas e intelectuais pertencem a
Doutrina. Declaramos pois formalmente que nenhuma parte dos recursos, de
que dispuser a comissão, será desviada para o nosso proveito
.

Isso é bastante claro, declaramos formalmente que
nenhuma parte dos recursos, de que dispusermos será desviada para o nosso
proveito
. Se Allan Kardec coloca nestes termos, então será para o proveito
de quem? Observem que momentos antes ele afirma que o nosso tempo, a nossa vida,
todas as nossas forças físicas e intelectuais pertencem a doutrina. Aqui fica
bem evidente o comprometimento de Allan Kardec, cujo amor e dedicação à doutrina
era a sua vida, compreensível pelo peso inquestionável de sua missão. É claro
que para as características de nossa época, colocarmos que o nosso tempo, a
nossa vida, todas as nossas forças físicas pertencem a Doutrina, seria uma
posição por demais extrema, já que possuímos missões diferentes uns dos outros.
Possuímos responsabilidades em outros setores igualmente importantes de nossas
vidas como a família, a profissão, em fim. Atualmente uma dedicação exclusiva
seria inviável, se observada a prática espírita da gratuidade. Nos tempos
atuais, para se ter dedicação integral à atividade espírita é impreterível a
remuneração, o sustento de vida, o que é incompatível com a prática espírita
legítima
, fundamentada na doação.

Como então aliar o desejo da dedicação integral à doutrina sem ferir a sua
base, o seu princípio fundamental? Isso é mais simples do que parece, basta a
instituição contratar os serviços do candidato como profissional, não para fazer
os trabalhos assistenciais, filantrópicos, e de evangelização é claro, mas para
compor a equipe administrativa da instituição, nos trabalhos burocráticos, nas
atividades de manutenção, os quais exigem uma constância e eficiência, que o
voluntariado dificilmente daria cabo. Ao ser contratado, ao ter a sua paga, o
candidato deve ficar consciente que aquela função deixou de ser uma prática
espírita, por mais amor, carinho e dedicação que deposite nela. A partir daí
esta pessoa será exigida e monitorada no que faz, cobrada em sua eficiência e
responsabilidade, podendo ser punida em seu salário, ou despedida caso
negligencie suas tarefas. O que não ocorre em cargos e funções voluntárias.
Observem que o grau de exigência entre essas duas condições são muito
diferentes. O indivíduo terá de saber separar essas duas coisas, encarar seu
emprego dentro da instituição de forma profissional, e ter os seus momentos de
dedicação extra, exclusivos a doação. Doar é dar sem receber.

Quando, no texto acima, Allan Kardec explicita que não pesaremos no
orçamento
, ele se refere a comissão central da época, o que para o nosso
contexto atual são representados pelos dirigentes e trabalhadores espíritas. No
entanto nada impede que haja pessoas contratadas e remuneradas dentro da casa
espírita, mas repito, são empregados, independente do cargo que exerçam. Quando
se refere a não pesar no orçamento implica em evitar retirar do caixa da
instituição despesas que gratuitamente poderíamos assumir por ela, sem qualquer
prejuízo, é claro. No entanto, existem atividades, viagens, em fim, que muitas
vezes o trabalhador não tem como dispor do recurso, então nada mais lógico, a
casa ou grupo poderá doá-los ao trabalhador que estará, afinal, representando a
própria instituição ou a doutrina, caso haja recurso destinados ou à disposição.

Aqui está exposto apenas uma maneira de solucionar esse problema, e cada
instituição ou grupo acabam achando as suas formas, segundo suas possibilidades
e realidades. O que não se deve, em hipótese alguma, é, os integrantes serem
beneficiados pessoalmente pelos recursos obtidos do trabalho espírita. Fora
isso, dentro de cada caso, pese o que é justo.

Dentro de tudo o que foi exposto a realidade da arte também se encaixa.
Devemos distinguir claramente o que é profissão e o que é doação. Se for doação
é uma prática espírita em toda a sua concepção, se for profissão, se é uma arte
remunerada deve ser declarada e conduzida como tal. Nada impede no entanto que o
trabalho profissional leve os princípios espíritas, que divulgue a prática
espírita e a realize em sua profissão, porém, não é uma prática espírita.

A prática espírita colocada por Allan Kardec é que fora da caridade não há
salvação, é o princípio da gratuidade. Mesmo que uma parte da verba arrecadada
em um espetáculo seja revertida para a casa espírita, ou instituições de
caridade, ou obras assistenciais mantidas pela organização artística, o trabalho
remunerado para o sustento descaracteriza o princípio espírita, porém o ato de
reverter parte da verba angariada pela ação profissional a essas instituições ou
obras administradas pela organização é um ato espírita.

Vejam, o momento artístico, o espetáculo, o show em si, essa ação, se
remunerada, não é uma prática espírita, é profissional, mas a doação de parte
dessa energia de trabalho é uma outra ação distinta, independente da anterior,
que se classifica como uma prática espírita legítima. Assim, a apresentação
remunerada, mesmo sedimentada em condutas individuais e coletivas pela doutrina,
em si mesma é profissional, e carrega todos os ônus e bônus dessa condição, mas
a segunda ação, de manter obras assistenciais, atividades doutrinárias, essa sim
é uma prática espírita, e isso é muito bom. A Segunda ação é uma prática
espírita não somente pela caridade em si, muitas doutrinas possuem este mesmo
princípio. É uma prática espírita por se fundamentar em todos os princípios que
identificam a nossa doutrina. Se qualquer um dos princípios espíritas forem
negados, ou “esquecidos”, esse trabalho não é espírita. Pode ser qualquer outra
coisa: espiritualista, filantrópico, esotérico, etc.

O nosso posicionamento diante da nossa doutrina deve ser sim, sim! Não, não!
Existem muitos “espíritas” pela metade que discordam de pontos básicos do
espiritismo, embora concordem com outros. Existe isso? Espírita pela metade?

Há muitas pessoas que possuem a sua própria religião, fazem uma salada de
filosofias e ensinamentos, uma mistura de princípios e se dizem espíritas. E
outras só porque acreditam em reencarnação. Isso é certo?

Existem grupos, dentro da nossa doutrina, que fazem as duas coisas,
apresentam gratuitamente, sem recompensas materiais, seja para lucro ou
sobrevivência, e também fazem a segunda ação, só que toda a verba, ou seja, o
uso integral dos recursos, para doação. Doam-se em uma e outra atividade.

Com isso tenho a minha posição favorável a profissionalização da arte que
leve os princípios espíritas, mas não a profissionalização da atividade
espírita, que se sustenta no princípio da doação. Podemos ter excelentes
profissionais levando a nossa doutrina, mas jamais profissionais sustentados por
ela. No livro conduta espírita Emmanuel coloca que o espírita deve jamais
deve prevalecer-se das possibilidades de que disponha no movimento espírita para
favoritismos e vantagens na esfera profissional
(pág. 8)
. E continua
dizendo que quem engana a própria fé, perde a si mesmo.

Em outra página (18) nos diz a agir de tal modo a não permitir, mesmo
indiretamente, atos que signifiquem profissionalismo religioso, quer no campo da
mediunidade, quer na direção da instituições, na redação de livros e periódicos,
em traduções e revisões, excursões e visitas, pregações e outras quaisquer
tarefas
. A arte também se encaixa nesse contexto, como instituição ou
trabalho, onde não devemos agir de modo, mesmo indireto, que signifique
profissionalismo religioso. E mais adiante reforça que a exploração da fé
anula os bons sentimentos
. Isso nos diz que por maior que seja o nosso amor,
a nossa dedicação, a nossa intenção, se exploramos a fé, nós os anulamos. Nos
fala também que é natural efetuarmos compromissos apenas no limite das
próprias possibilidades, buscando solver os enganos assumidos, inclusive os
relacionados com as simples contribuições e os auxílios periódicos às
instituições fraternais
. Não somos obrigados, no entanto, a servir
exclusivamente a doutrina, devemos assumir compromissos nos limite de nossas
possibilidades. Se almejamos a dedicação integral, convém pensar com
responsabilidade nos demais compromissos que podemos penalizar, penalizando a
nós mesmos. Seja qual for a decisão, fica claro que pela doutrina ninguém deverá
ser sustentado. O sustento dentro de uma instituição deverá seguir os moldes do
profissionalismo. A caridade jamais será um objeto de comércio, nas mãos de
oportunistas, ou até mesmos de necessitados.

Muitos defendem a profissionalização da arte espírita, o que é louvável, se
vista pelo ponto de vista da qualidade, da perícia técnica, mas não pelo ponto
de vista da remuneração do trabalho. Muitos se fundamentam no aspecto de que,
para a qualidade existir, ou que o propósito espírita se dissemine mais
rapidamente e a um público maior, tenha que haver dedicação integral dos
participantes. Onde tenham tempo e oportunidades de sobra para pensar, criar,
agir e se dedicar com exclusividade. Não acho isso errado, só que jamais pode
ser declarado como uma atividade espírita, religião não deve ser ganha pão de
ninguém como disse Kardec e Emmanuel em outras palavras. Não se deve esquecer
que por maior que seja o nosso ideal, de levar a doutrina, esse não deve passar
por cima de seus princípios, a não ser que se queira fundar uma nova doutrina.
Ou, o que é preferível, fundar uma outra organização, que seja profissional, ou
não governamental (ONG), ou uma fundação, ou o que seja , onde se possa
livremente exercer a profissão artística vinculada a obras assistenciais
espíritas ou filantrópicas.

O verdadeiro espírita é fiel aos preceitos da sua doutrina. Muitas vezes
renuncia a si mesmo e seus interesses em função desta integridade. Sabe que
mesmo o ideal de fortalecê-la jamais deve ser motivo para corrompê-la.

FECEF 2000

logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior