Tamanho
do Texto

A Vocação para o Casamento

A Vocação para o Casamento

 

Indubitavelmente, a felicidade é a aspiração primeira do ser humano. Ninguém
jamais deixou de procurá-la, sonhando tê-la como nume tutelar de sua existência.

Alguns esperam consegui-la cedendo à inclinação que os impele para a
dignidade sacerdotal ou religiosa, mantendo-se, castamente, no celibato. Mas são
poucos. Constituem a exceção.

A esmagadora maioria espera encontrá-la mesmo é no casamento. Natural que
seja assim, pois é propósito da sabedoria divina que o homem e a mulher, sendo
um, complemento do outro, se unam intimamente para alcançarem a plenitude da
vida.

Tal o sentido das Escrituras, quando preceituam: “Deixará o homem o seu pai e
a sua mãe, unir-se-á à sua mulher, e serão ambos uma só carne.” (Gen., 2:24).

Conquanto seja unânime a expectativa da felicidade no casamento, várias são
as razões que levam as criaturas a contraí-lo. Por isso, enquanto uns colhem, na
vida conjugal, farta messe de alegrias, prazeres e bem-estar, outros, ao
contrário, só encontram nela angústias, frustrações e sofrimentos.

É que para formar um lar tranquilo e feliz não basta que os cônjuges se
tenham unido por necessidade de amor e companheirismo, pelo anseio de dar-se
inteiramente a alguém ou pelo desejo de possuir um lar e filhos, razões estas
que oferecem as maiores probabilidades de sucesso nas relações do casal. O
casamento é algo muito complexo e seu êxito depende de uma série de fatores,
alguns dos quais serão focalizados mais adiante.

Em seu entusiasmo fácil, muitos jovens o encaram com exagerado otimismo,
acreditando-se aptos para superar todo e qualquer obstáculo que ameace a
concretização de suas fagueiras esperanças.

Não se dão conta de que a união de dois seres, criados e educados, quase
sempre, em famílias, escolas, níveis sociais e lugares diferentes, requererá de
ambos uma reformulação permanente de costumes, interesses, opiniões e
sentimentos, sem o que acabará, como tantas, em desencanto e fracasso.

Que dizer-se, então, dos que se casam por conveniência ou vanglória? Por
pressão dos familiares, que desejam vê-los assentes na vida? Para não precisarem
comer em restaurantes e terem alguém que lhes cuide das roupas, vendo no
casamento apenas o melhor jeito de resolverem tais problemas domésticos?

Ou, o que é mais freqüente no lado feminino, apenas para fugirem ao estigma
de solteironas? Por dificuldades de relacionamento com os pais ou irmãos?

Para não lhe serem “pesadas”, economicamente?

Para se livrarem de empregos ou trabalhos espinhosos?

O casamento forçado, ou seja, aquele em que o homem é compelido a desposar
uma moça por havê-la engravidado, conta, igualmente, com escassas possibilidades
de alcançar resultado satisfatório.

Quando duas pessoas são obrigadas a se unirem apenas por não terem podido
resistir a uma violenta impulsão biológica, não raro vêm a separar-se logo em
seguida e, se continuam juntas, mal se suportam, nutrindo, ambas, um amargo
ressentimento e a sensação de terem sido logradas.

No homem, principalmente, este ressentimento costuma ser acompanhado de
franca hostilidade àquela que o acorrentou ao seu destino, criando-se, assim, um
péssimo ambiente para o filho, cujo futuro será bastante comprometido.

Sabendo-se, como se sabe, que a felicidade conjugal depende de que marido e
mulher fusionem harmoniosamente suas personalidades, tornando-se como que uma só
pessoa, parece evidente que, naquelas uniões em que o coração não intervenha
será bem mais difícil possam eles estabelecer uma base estável e sadia que lhes
permita enfrentarem, juntos, as vicissitudes da existência sem conflitos.

Desde, porém, que ambos estejam dispostos a envidar todos os esforços
necessários à colimação desse objetivo, será possível que o consigam.

Não se tem visto tantos casais, sinceramente enamorados um do outro, que
começaram a união conjugal às mil maravilhas e depois vieram a separar-se por
insanável desentendimento?

Em contraposição, não se conhece, também, inúmeros matrimônios inconseqüentes
que, malgrado os prognósticos desfavoráveis, acabaram dando certo, sendo muito
bem sucedidos?

A razão é que cada casamento será, sempre, qual os esposos o façam.

“A natureza deu ao homem a necessidade de amar e de ser amado.” (Allan
Kardec, “O Livros dos Espíritos”, q. 938)

“O casamento constitui um dos primeiros atos de progresso nas sociedades
humanas, porque estabelece a solidariedade fraterna e se encontra entre todos os
povos, se bem que em condições diversas. Abolir o casamento seria regredir à
infância da Humanidade e colocar o homem abaixo mesmo de certos animais que lhe
dão o exemplo de uniões constantes.” (Allan Kardec, “O Livro dos Espíritos”, q.
696).

“Não te esqueças de que casar-se é tarefa para todos os dias, porquanto
somente da comunhão espiritual gradativa e profunda é que surgirá a integração
dos cônjuges na vida permutada, de coração para coração, na qual o casamento se
lança sempre para o Mais Alto, em plenitude de amor eterno.” (Francisco Cândido
Xavier, Emmanuel, “Na Era do Espírito”, cap. 11).

(De “A Vida em Família”)

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior