Tamanho
do Texto

Batuíra

 

Batuíra

 

Nasceu Batuíra aos 19 de Março de 1839, em Portugal, na freguesia de Águas Santas, hoje integrada no
conselho de Maia. Filho de humildes camponeses, tendo apenas completado a
instrução primária, veio, com cerca de 11 anos de idade, para o Brasil,
aportando na Guanabara a 3 de Janeiro de 1.850.

Durante três anos trabalhou no comércio da Corte. Daí passou para
Campinas-SP, onde ficou por algum tempo até que se transferiu definitivamente
para a capital paulista, que na ocasião deveria possuir menos de 30.000
habitantes. Aí, nos primeiros anos, foi distribuidor do “Correio Paulistano”.
Naquele tempo, não havia bancas de jornais nos lugares públicos. A entrega se
fazia à tarde, de casa em casa, e tão somente aos assinantes.

Diligente, honesto e espírito dócil, Batuíra, como entregador de jornais, ia
formando amigos e admiradores em toda parte. Parece que neste período que
aprendeu a arte tipográfica, certamente nas próprias oficinas do “Correio
Paulistano”.

Batuíra, muito ativo, correndo daqui para acolá, foi apelidado “o batuíra”,
nome que o povo dava à narceja, ave pernalta, muito ligeira, de vôo rápido, que
freqüentava os charcos na várzea formada, no atual Parque D. Pedro II, pelos
transbordamentos do Rio Tamanduateí. O nome do rapazinho era ANTONIO
GONÇALVES DA SILVA
, mas, de então em diante, tomou para si o apelido de
BATUÍRA.

Dentro de pouco tempo, com as economias que reuniu, e naturalmente com o
auxilio de pessoas amigas, montou um teatrinho nos fundos de uma taverna da rua
Cruz Preta. Naquela modesta casa de espetáculos, muitos amadores fizeram sua
estréia, inclusive Batuíra.

Perseverando na sua faina, dedicou-se depois à fabricação de charutos. Assim,
com bastante trabalho e economia, Batuíra fazia crescer suas modestas finanças,
o que lhe permitiu esposar a Srta. BRANDINA MARIA DE JESUS, de
quem teve um filho, JOAQUIM GONÇALVES BATUÍRA, que veio a
falecer depois de homem feito e casado.

Audaz como os grandes empreendedores o são, investiu seu dinheiro na compra
de áreas desvalorizadas, iniciando a construção de pequenas casas para alugar,
tornando-se assim um abastado proprietário, cujos haveres traduziam o fruto de
muitos anos de trabalho árduo e honrado, unido a uma perseverança
inquebrantável.

Na ocasião em que tudo parecia correr bem, falece, quase repentinamente, o
filho único de sua Segunda esposa, D. MARIA DA DORES COUTINHO E SILVA.
Era uma criança de doze anos, por quem o casal se extremava em dedicação e
carinho.

Este golpe feriu profundamente aquele lar, que só pode encontrar lenitivo à
dor na consoladora Doutrina dos Espíritos.

Tão grande foi a paz que o Espiritismo lhes infundiu, que Batuíra
imediatamente pôs mãos à obra, no desejo ardente de que outros companheiros de
labutas terrenas tivessem conhecimento daquela abençoada fonte de esperanças
novas. E dentro daquele corpo baixo e de compleição robusta, um coração de ouro
iria dar mais larga expansão aos seus nobres sentimentos de amor ao próximo.

No ano de 1.889, Batuíra passou a ser, na cidade de S. Paulo, o agente
exclusivo do “Reformador”, função de que se encarregou até 1.899 ou 1.900.

No dia 6 de Abril de 1.890, restabeleceu o Grupo Espírita Verdade e luz que
havia muito “se achava adormecido”.

Adquiriu então uma pequena tipografia, destinada a divulgação e propagação do
Espiritismo, editando a publicação quinzenal chamada “Verdade e Luz”, que
atingiu no ano de l.897, a marca de 15.000 exemplares.

Batuíra era também médium curador, sendo centenas as curas de caráter físico
e espiritual que obtinha ministrando água efluviada ou aplicando “passes
magnéticos”.

Em virtude de todos esses fatos, o povo, o mais beneficiado por Batuíra,
passou a denominá-lo “Médico dos Pobres”, cognome que igualmente aureolou o nome
de Adolfo Bezerra de Menezes.

A ação benemérita de Batuíra não se circunscrevia, entretanto a estas
manifestações da caridade cristã. Foi muito mais além. Criou ele Grupos e
Centros espíritas em S. Paulo, Minas Gerais, Estado do Rio, os quais animava e
assistia; realizou conferências sobre diversos temas doutrinários, em inúmeras
cidades de vários Estados, ocasião em que também visitava e curava irmãos
sofredores; espalhou gratuitamente prospectos e folhetos de propaganda do
Espiritismo, por ele próprio impressos, e distribuiu milhares de livros pelo
interior do País.

Batuíra, unido a outros confrades ilustres, constituiu na capital paulista, a
24 de Maio de 1.908, a “União Espírita do Estado de S. Paulo”, que federaria
todos os Centros e Grupos existentes no Estado.
Assim era o valoroso obreiro da Terceira Revelação, o incansável lidador que
nunca se deixou abater pelas asperezas da jornada, tendo sido incontestavelmente
um dos maiores propagandistas do Espiritismo no Brasil.

Carregando sobre os ombros muitas responsabilidades, não sentiu, tão preso se
achava ao cumprimento dos seus deveres, que suas forças vitais se esgotavam
rapidamente. Súbita enfermidade assalta-lhe o corpo e zombando de todos os
recursos médicos, em poucos dias obriga-o a transpor as aduanas do além. Aos 22
de Janeiro de 1.909, Sexta-feira, cerca de uma hora da madrugada, faleceu
Sr. ANTÔNIO GONÇALVES DA SILVA BATUÍRA.

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior