Tamanho
do Texto

Finados

Finados

Estudo Espírita
Promovido pelo IRC-Espiritismo
http://www.irc-espiritismo.org.br
Centro Espírita Léon Denis
http://www.celd.org.br

Expositora: Carlos Alberto
Rio de Janeiro
30/10/2002

Dirigente do Estudo:

Marcio Alves

Oração Inicial:

<Wania> Jesus amigo, mais uma vez aqui estamos reunidos em Teu nome, para a reunião de estudos da noite. Ampara-nos, fortaleça-nos para que possamos sempre levar a Tua mensagem aos mais diversos pontos do planeta. Ampara o companheiro que conduzirá o estudo da noite e que seja em Teu nome, e em nome de Deus, a realização da reunião da noite de hoje.

Que assim seja!

Exposição:

<cacs> Saudações a todos 🙂

Meu nome é Carlos Alberto, sou freqüentador do Núcleo de Caridade Espírita Irmão Joé, situado no bairro da Piedade no Rio de Janeiro.

Como a Doutrina Espírita vê o dia de finados ?

O dia de finados está relacionado com a morte. Logo, para falarmos de finados, temos que falar da morte.

Como a Doutrina Espírita vê a morte ?

A Doutrina Espírita nos mostra que somos Espíritos eternos e imortais. Quando encarnados, temos o corpo físico, o corpo espiritual (o perispírito) e o Espírito. Quando desencarnados, temos o corpo espiritual e o Espírito.

A vontade, a inteligência, as emoções, estão no Espírito.

Logo percebemos que a morte como comumente escutamos, não existe. Ninguém morre, no sentido de acabar, pois o Espírito, conforme dissemos no início é eterno e imortal.

A morte então é uma passagem do plano físico para o plano espiritual, para um descortinar de uma nova existência, mais pulsante, mais bela.

Para isso, é preciso que desenvolvamos nossas qualidades morais, de acordo com os ensinamentos de Jesus.

Embora tenhamos um grande desenvolvimento intelectual, a morte ainda não é bem entendida para a maioria de nós, mesmo os espiritualistas e os espíritas.

Em que sentido falamos isso ? No sentido do apego. Embora já tenhamos alguns conceitos bem delineados em nossa mente, o coração não responde adequadamente a estes conceitos.

O resultado é que temos visto uma enorme quantidade de espíritos desencarnados expressarem suas dificuldades na vida de além túmulo, com relação as saudades de seus entes queridos, realidade que não é diferente para nós que estamos encarnados. Por nosso apego em demasia, criamos situações extremamente desconfortantes, onde entramos em grande desequilíbrio nos momentos de separação.

Não queremos aqui dizer que aquele que compreende a morte não possa sofrer, mas sofrer resignadamente, acreditando antes de tudo em Deus, em sua infinita Misericórdia e vontade.

É preciso modificar a nossa idéia acerca da vida, que não se resume a vida material, mas essencialmente a vida espiritual.

É preciso desenvolver a nossa fé em Deus, é preciso sedimentarmos esta fé, eu diria, e termos absoluta certeza que as nossas preocupações são normalmente infundadas, pois acima de nós estará sempre nosso PAI.

Nossos filhos, nossos pais, são empréstimos que Deus em sua profunda misericórdia nos concede, para que possamos nos desenvolver cada vez mais os nossos instintos, transformando-os em sentimentos para que mais tarde possamos este sentimento enobrecido se torne aquele AMOR que Jesus exemplificou para todos nós.

Além do mais, o nosso desequilíbrio, seja neste ou no plano espiritual, perturba diretamente aqueles que dizemos amar.

Que amor então é esse, que em vez de pacificar, que em vez de fazer o bem, acaba prejudicando ?

O dia de finados deve ser visto então como mais um dia em que devemos elevar nosso pensamento a Deus, orando fervorosamente por aqueles que já partiram, para que esta prece, feita sempre de coração, possa ser o bálsamo, possa ser o refrigério, para aqueles que nós amamos e já partiram para a pátria espiritual.

Aliás, a prece está entre os maiores bens que podemos fazer em benefício daqueles que já partiram.

Se quem partiu está na condição de sofrimento ou de perturbação, a prece será de grande benefício.

Se quem partiu está consciente, lúcido de sua realidade espiritual, da mesma forma, a prece chegará como um bálsamo ao coração de quem amamos, pela lembrança e pelo carinho.

Logo, se somos ligados pelos pensamentos, e o podemos fazer mais fortemente através da prece, podemos entender que não é necessário o nosso deslocamento no dia de finados até o cemitério, para transmitirmos os nossos melhores sentimentos.

Não vai aqui nenhuma condenação, pois cada um está dentro do seu campo de entendimento, mas como espíritas, podemos vibrar positivamente de onde estivermos.

Busquemos então desenvolver cada vez mais a nossa fé raciocinada, aquietando nosso coração com a certeza que ninguém neste universo está desamparado, que Deus protege a cada um de seus filhos, para que evitemos o engano de nos sentirmos insubstituíveis.

Mais do que sabermos, é preciso que sintamos. Deus não pode estar somente em nossas mentes, apenas em um conjunto de definições.

Quando a preocupação com um ente que já partiu apertar, lembremos antes de tudo que Deus olha por ele.

Temos visto muitas vezes nas sessões de desobsessão, relatos pungentes, principalmente de mães, que ficam desesperadas por não poderem cuidar mais de seus filhos. Na verdade não percebem que quanto maior o desespero, menor a condição de ajudarmos e sermos ajudados.

Confiemos sempre em Deus. O PAI sabe o que faz, onde Suas leis são perfeitas.

Estes são os apontamentos que temos acerca do dia de finados. Que Deus abençoe a todos nós.

Oração Final:

<Moderador_> Senhor Jesus! Nós Te agradecemos Mestre Querido , esta oportunidade de mais uma vez aqui estarmos para estudar a Tua Doutrina Querida. Neste momento em que nos aproximamos de mais um dia em que o povo brasileiro estará relembrando os seus mortos, permita que lembremos os nossos Sempre Vivos, além do véu da morte. Assim, que estes amigos e companheiros que já partiram rumo ao mundo maior recebam o nosso abraço carinhoso, de sempre. Jesus, abençoa-nos a todos.

Graças a Deus!

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior