Tamanho
do Texto

O Mundo dos Espíritos

O Mundo dos Espíritos

“O Livro dos Espíritos” – Questões 76 a 92

Estudo Espírita
Promovido pelo IRC-Espiritismo
http://www.irc-espiritismo.org.br
Centro Espírita Léon Denis
http://www.celd.org.br

Expositor: Mauro Bueno
Manaus
22/04/2000

Dirigente do Estudo:

Mauro Bueno

Oração Inicial:

<|_Valdir_|> Senhor Jesus, abençoe a cada um de nós que estamos neste canal para estudar, abençoe a nossa inteligência para que possamos assimilar estes ensinamentos, ilumine os nossos passos e não nos deixe sair do roteiro do amor da paz, e ajuda-nos, Mestre, nessa empreitada de estudos. Que Teu amor nos envolva, hoje e sempre. Assim seja!

Exposição:

<MBueno> As questões de hoje (76 a 92) nos falam do mundo dos espíritos e alguns outros pontos principais, que vamos tratar em ordem.

O primeiro deles é a definição do que é espírito. Especialmente neste ponto, “O Livro dos Espíritos” altera ligeiramente a definição tradicional de espírito, que seria o elemento inteligente do Universo. Esta definição é aqui usada para indicar as individualidades inteligentes e indivisíveis que somos nós. Cabe aqui ainda lembrar que a palavra alma é empregada na definição de espíritos ENCARNADOS.

A definição exata dada é: os Espíritos são os seres inteligentes da criação. Povoam o Universo, fora do mundo material. Eis o motivo pelo qual fiz o lembrete do emprego da palavra alma! Eles fazem a restrição “fora do mundo material”. Este é um ponto bastante intrigante, pois dizer que os espíritos são imateriais é um erro, uma definição incompleta.

Os próprios espíritos nos alertam que são compostos de matéria quintessenciada, que em nada se assemelha ao que definimos como matéria. A aparente contradição vem então justificada por nossa pobreza sensorial. Os espíritos nos dizem que um cego não consegue definir a luz, pois falta-lhe o sentido adequado para experimentá-la. A nós, encarnados, falta o sentido adequado para experimentar o espírito em sua forma pura. O corpo físico estabelece um forte filtro, e o corpo perispiritual estabelece ainda mais um.

Ainda em torno da constituição do espírito, surge a resposta a um ponto ainda confuso, o fato de termos sido emanados de Deus. Isto não nos faz parte de Deus, assim como uma máquina que criamos não é parte de nós mesmos. Neste ponto, relembro que os espíritos nos dizem que tudo o que conhecemos se resume em três coisas: Espírito, Matéria e Deus.

Observem esta divisão com calma e reflitam. Deus não é espírito! Eu levei muito tempo mesmo para de fato entender isto. Deus é outra coisa, que também nos falta sentido ainda maior para poder entender. Nem os próprios espíritos responderam sobre a forma de creação de outros espíritos. Eles simplesmente desconhecem (pelo menos os que nos atenderam na Codificação) este segredo e a isso caracterizam como mistério do Creador.

Do ponto de vista de estrutibilidade, somos eternos. São duas coisas que eles sempre e tacitamente afirmam: Deus sempre creou, desde o infinito no passado e continua creando até hoje. Mas só Deus sempre existiu. Só Deus é incriado. Nós passamos a existir em um dado momento no passado, porém, somos eternos, individuais, e factíveis de felicidade suprema, pois evoluiremos indefinidamente.

Quanto a cor, forma e aparência, eles nos ressaltam que para outros espíritos, eles tem sim uma forma. Para nós não. Tudo é completamente moldável, inclusive o perispírito. Este é um ponto importante, muito importante, pois se moldamos nosso perispírito, moldamos também nossos corpos ao longo da gestação!

Esta capacidade está diretamente ligada ao grau de evolução do espírito. Também está ligada a aparência do espírito aos demais. Vejam que eles nos afirmam que tem cores que vão do escuro ao claro, do branco ao rubi, de acordo com o grau de elevação. Eles explicam que os espíritos deslocam-se à velocidade do pensamento e depende da própria vontade se dar conta da distância percorrida e, algo muito curioso, dizem que onde está o pensamento, está a ALMA, pois o pensamento é apenas um atributo e é ela quem pensa. Quando dizemos a um amigo: Meu coração e meus pensamentos seguem contigo, assim mesmo estará ocorrendo. Fiquei muito tocado com esta verdade, porém, há que se lembrar que certas regiões do universo estão restritas aos que evoluíram o suficiente para visitá-las. Os espíritos povoam todo o universo e atravessam a matéria sem qualquer obstrução! Podem estar na água, no fogo, na terra, como se nada disto sequer existisse. A matéria, como a conhecemos, é para eles completamente permeável.

Eis outro ponto que causa alguma discussão. E as cidades espirituais? E as construções que tanto ouvimos falar? Há os que dizem ser materiais demais tais idéias, porém, ressalto que o perispírito é composto do fluído universal do planeta onde se encontra circunscrito. Esta é uma informação assaz interessante. Ao trocar de planetas, trocamos de perispírito. O mundo dos espíritos é o mundo principal, independe da matéria em todas as instâncias, estando, entretanto, intimamente ligado ao mundo material. A interação é tão mais íntima quão menos evoluído é o espírito. Na justa medida que vamos crescendo MORAL e INTELECTUALMENTE (sim, as duas são indispensáveis) vamos nos tornando menos materiais.

Os espíritos nos alertam que não há ubiqüidade. Ou seja, continuamos a não poder estar em dois lugares ao mesmo tempo. Esta sensação se deve a capacidade de viajar na velocidade do pensamento, bem como a capacidade de irradiar os pensamentos tão mais longe quanto mais evolução apresenta o interlocutor desta ação. Um espirito pode ir e voltar tão rapidamente de dois lugares que aparentemente estaria nos dois. Entretanto a divisão em dois é impossível. Bem como a perda da individualidade. Seremos sempre nós mesmos daqui até a eternidade. (t)

Perguntas/Respostas:

[01] <Brab> Por que na Codificação Espírita (Obras Básicas) não há referência às cidades espirituais que tantos amigos espirituais nos falam pelos lápis de vários médiuns e sob a observação de vários médiuns?

<MBueno> Atribuo isto a maneira como foram conduzidas as perguntas de Kardec na Codificação. Entretanto, ao lermos “O Livro dos Espíritos” encontraremos diversas citações de regiões no espaço destinadas a espíritos no mesmo patamar de evolução.

Como ainda guardamos uma grande quantidade de matéria em nossos perispíritos, é razoável entender que tais cidades existam afim de estabelecer um móvel de comunicação cultural entre espíritos ainda muito básicos como nós. Outro ponto importante é que não há qualquer negação da existência de cidades espirituais tampouco!

E por fim, nem tudo nos foi dito naquela época! Os espíritos mantém-se nos informando na justa medida que absorveremos o que nos ensinam! O fato de muitos espíritos de diferentes locais e diferentes médiuns afirmarem as mesmas coisas, nos serve de razão para crer que está ocorrendo o Controle Universal dos Ensinos dos Espíritos. O Espiritismo é deles e não dos encarnados. (t)

[02] <Ioio> Como fica a questão dos outros reinos no plano espiritual? Alguns livros nos falam da existência dos animais e das plantas.

<MBueno> Minha querida Ioio, eu vou declarar uma mudança de pensamentos meus aqui, devido a uma brilhante explicação recebida do Divaldo! Eu sempre achei que os animais e plantas fossem plasmados pelos espíritos, sempre. Entretanto, o Divaldo nos explicou que ocorre esta discussão de existirem, não existirem, por apenas uma palavra que está no LE. A palavra é o “imediatamente”.

Quando os espíritos afirmam que os animais não erram, não vagam, e reencarnam imediatamente, estão falando do ponto de vista deles do tempo. O tempo para um espírito transcorre muito diferentemente do que para nós. Uma vida inteira pode ser apenas breves segundos. Segundo ponto neste aspecto é o seguinte: Os animais não ERRAM, não VAGAM. Eis um aspecto importante da resposta dos espíritos. Estes animais que têm referência nas cidades espirituais não estão errantes. Eles não estão vagando inutilmente. Eles tem um espírito a cuidar, a zelar por eles. (t)

[03] <Selma_AM> Em determinado ponto de nosso estudo de hoje, você mencionou que “onde está o pensamento está a ALMA”, em se tratando de ALMA ser definida como espírito encarnado, implica dizer que podemos nos transportar para onde quisermos, através da força do pensamento?

<MBueno> Selma, sinceramente foi assim que entendi a questão. E não posso deixar de confessar que fiquei pessoalmente muito tocado por isto. Eu nunca consegui sentir solidão justamente por isto, por poder fechar os olhos e me ver junto dos que me são caros a qualquer momento que queira!

Veja a resposta dos Espíritos:

89. Os Espíritos gastam algum tempo para percorrer o espaço?

“Sim, mas fazem-no com a rapidez do pensamento.”

  1. – O pensamento não é a própria alma que se transporta?

“Quando o pensamento está em alguma parte, a alma também aí está, pois que é a alma quem pensa. O pensamento é um atributo.”

Eis a questão. Eu peço aos amigos a licença poética de assim pensar e definir o significado da questão, até que possa melhor esclarecê-la no futuro. (t)

[04] <eien_ni> Quando leio que um espírito foi levado à um CE, como devo compreender essa maneira de se locomover? Nestes casos, não é, portanto, o pensamento do espirito que o faz se locomover?

<MBueno> Gostei da pergunta eien_ni. O caso aqui é lembrar que o espírito ao qual se refere traz consigo muita matéria perispiritual. Este é um limitante severo ao deslocamento, ocorrendo de forma muito parecida a maneira material de fazermos as coisas aqui enquanto encarnados. É por este motivo também que são comuns relatos de espíritos amarrados, tornados imóveis, torturados e assim por diante.

Quanto menos evoluído é o espírito, tão mais grosseiro lhe será o perispírito que o envolve. (t)

[05]<Trik> Não seria também uma questão de vontade do espírito? E não apenas o aspecto denso do seu corpo perispiritual?

<MBueno> Trik, respondendo ainda a questão no eien_ni, e a tua junto:

Essa é uma questão complicada. É o pensamento no caso dos espíritos, mas no nosso caso também é o pensamento (encarnados). É só lembrarmos que, quando estamos com a atenção voltada a determinada coisa, nos transportamos para lá em pensamento, conseguindo interagir com o local. Ao mesmo tempo, podemos estar fisicamente em um local e a desatenção nos fazer estarmos mentalmente ausentes.

Tudo é pensamento ao Espírito, quer encarnado ou desencarnado. No entanto para espíritos encarnados ou muito materializados, como é o nosso caso, esse “pensamento” precisa ser acompanhado de uma “presença física”, como é o que ocorre nos Centros Espíritas. Os Espíritos estão fisicamente no local, pois sem esse “referencial” de outro modo não poderiam estar ali, pois sua vivência espiritual não concebe outro tipo de presença. (t)

[06]<Mei_PB> O que rege o nascimento daquele espirito junto aquela família determinada? André Luiz nos fala em afinidades que geram hereditariedade no livro “Evolução em Dois Mundos”. Seria essa a forma a definirmos nossas necessidades reencarnatórias?

<MBueno> Parte sim, parte não Mei! Ocorre aqui um ponto muito interessante, pois você só será OBRIGADO a reencarnar em dada família se houver um resgate muito específico a ser cumprido. De outra forma, você mesmo pode determinar as condições que quer nascer e sendo aceito pelos espíritos que te serão pais, nasce onde deseja. (t)

Oração Final:

<Selma_AM> Bem, amigos, após este maravilhoso estudo, elevemos o nosso pensamento ao Senhor da vida agradecendo, em primeiro lugar, por termos podido nos fazer presentes aqui, juntamente com a Espiritualidade Maior que nos assiste, e termos, assim, acrescido ao cabedal de nossos conhecimentos. Esclarecimentos tão importantes à nossa elevação intelectual e moral.

Amado Mestre Jesus, inspirai-nos, Senhor, a fim de que possamos servir ao Pai, com a fidelidade com que Ele nos ama. Fortalece em nós, a cada dia, a fé viva, a qual só se concretiza por intermédio da prática de nosso aprendizado. Que possamos sempre manter elevados os nossos pensamentos, para que, desta forma, estejamos também nos elevando. Abençoa-nos Senhor, a fim de que possamos refletir na Terra ao menos uma centelha do amor que semeaste. Guarda-nos na Tua Paz, Senhor, agora e sempre! Que assim seja!

Você gostou deste conteúdo?

Todo o conteúdo produzido pela Fundação Espírita André Luiz é aberto e gratuito e, com a sua ajuda, sempre será.

Ao todo são transmitidas 180 horas mensais de programas ao vivo e 240 horas mensais de programas inéditos através de nossos canais de comunicação: Rádio Boa Nova, Tv Mundo Maior e Portal do Espírito. Nós acreditamos que o acesso aos ensinamentos da doutrina espírita muda o mundo, mas manter uma estrutura deste porte é muito caro, por isso a importância do apoio de nossos leitores.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que pessoas que não podem pagar pela informação continuem tendo acesso a ela.

Ajude o espiritismo a alcançar mais pessoas

Apoie essa causa <3
logo_feal radio boa nova logo_mundo_maior_editora tv logo_mundo_maior_filmes logo_amigos logo mundo maior logo Mercalivros logo_maior